Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Foro comum

Operação Santa Tereza não vai subir para o Supremo

“A mera referência ao nome de parlamentar no curso das investigações não tem o condão de considerá-lo sob investigação.” Com este argumento, a ministra Ellen Gracie indeferiu a Reclamação proposta pelo advogado José Roberto Batochio, para suspender a ação penal em que o deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, é citado. O processo corre na Justiça Federal. O advogado argumentava que deveria tramitar no Supremo por conta do foro de prerrogativa que tem o parlamentar.

Batochio representa o advogado Ricardo Tosto, investigado pela Polícia Federal. A polícia sustenta haver indícios de envolvimento do advogado e de parlamentares em desvio de recursos do BNDES.

Segundo Ellen Gracie, nenhum parlamentar foi denunciado nos autos desse processo. “Restou evidente a orientação do magistrado de não adotar qualquer medida investigatória relacionada à atuação de pessoas que gozam de prerrogativa de foro”, frisou a relatora.

Mesmo que esse artifício tenha sido adotado de forma deliberada, justamente para não permitir que a ação subisse para o STF, a ministra entendeu que não há violação ao disposto no artigo 53, parágrafo 1º da Constituição Federal, que trata da questão do foro para deputados e senadores.

Rcl 6.036

Revista Consultor Jurídico, 15 de maio de 2008, 18h48

Comentários de leitores

1 comentário

É uma questão de raciocínio. Se o Paulinho das ...

MUDABRASIL (Outros)

É uma questão de raciocínio. Se o Paulinho das interceptações telefônicas (mais um bom serviço prestado) não é o Paulinho deputado (é a tese da defesa do nobre político), como o advogado Tosto quer levar o processo para o STF? Será que o advogado Tosto sabe algo que os outros não sabem?

Comentários encerrados em 23/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.