Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Clamor popular

Leia a decisão que mantém pai e madrasta de Isabella presos

O desembargador Caio Canguçu de Almeida, do Tribunal de Justiça de São Paulo, negou o pedido de Habeas Corpus feito pela defesa do casal Alexandre Alves Nardoni e Anna Carolina Trotta Jatobá. Eles são acusados de homicídio triplamente qualificado da menina Isabella de Oliveira Nardoni, de 5 anos, no dia 29 de março. A garota é filha de Alexandre. A defesa pode recorrer da decisão.

A prisão de Alexandre e Anna Carolina foi decretada no dia 7 de maio, pelo juiz Maurício Fossen, da 2ª Vara do Juri do Fórum de Santana. O casal foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio triplamente qualificado e fraude processual. O juiz fundamentou o decreto de prisão preventiva para garantir a ordem pública “em razão da gravidade e intensidade do dolo com que o crime descrito na denúncia foi praticado e a repercussão que o delito causou no meio social”. Fossen concluiu ainda que os dois são pessoas insensíveis e sem “compaixão humana”.

Canguçu de Almeida já tinha concedida liminar em Habeas Corpus para o casal, quando após a prisão temporária decretada no início das investigações policiais. “A prisão é um mal que deve ser evitado a todo custo”, afirmou o desembargador quando concedeu a liminar ao casal, que voltou a ser preso preventivamente no dia 7 de maio.

Isabella morreu em 29 de março, quando passava o fim de semana com o pai e a madrasta. De acordo com a denúncia, ela foi asfixiada e jogada do sexto andar do edifício London, na zona norte de São Paulo. No dia 18 de março, Alexandre e Anna Carolina foram ouvidos pela Polícia e acabaram indiciados pela morte da menina. Ambos negam o crime.

Leia a decisão

Vistos

1 – Os bacharéis Marco Polo Levorin, Rogério Neres de Sousa e Ricardo Martins de São José Júnior, advogados inscritos, respectivamente, sob os números 120.158, 203.548 e 263.126, impetram a presente ordem de ‘habeas corpus’ em favor de Alexandre Alves Nardoni e Anna Carolina Trotta Peixoto Jatobá, visando pôr fim a constrangimento ilegal a ambos imposto pelo Meritíssimo Juiz de Direito da Segunda Vara do Júri da Capital, representado, no dizer deles, por inadequada e imerecida decretação da prisão preventiva dos pacientes, que estão denunciados como supostos autores de homicídio qualificado capitulado no art. 121, § 2º, incisos III, IV e V, do Código Penal, assim como de fraude processual tipificada no art. 347, § único, do mesmo diploma repressivo. Tudo porque, segundo a peça inicial acusatória, teriam matado a menor Isabella de Oliveira Nardoni, para o que se valeram de meio cruel, usando recurso que impossibilitou a defesa da vítima e para assegurar a ocultação ou impunidade de outro crime, ato ao qual se seguiu, por fim, alteração por eles promovida no lugar e de coisas para com isso induzir em erro aqueles que haveriam de investigar e elucidar a ocorrência.

Segundo os impetrantes, a autoridade judiciária coatora, sobre decretar a custódia em desacordo com as exigências impostas para sua viabilidade pelo art. 312, do Código de Processo Penal, eis que ausentes os pressupostos que poderiam legitimar a constrição – garantia da ordem pública, conveniência da instrução criminal e assegurar a aplicação da lei penal – fê-lo recebendo a denúncia mediante prematuro juízo e antecipado julgamento do mérito da causa, postura que impõe a anulação do ato de admissibilidade da ação penal. Postulam, então, que aquilo que pleiteiam seja deferido em julgamento liminar, eis que presentes o ‘fumus boni iuris’ e o ‘periculum in mora’, a par da evidente desnecessidade da medida ora hostilizada, porquanto os pacientes em nenhum instante dificultaram ou comprometeram a atividade da autoridade investigadora e muito menos o farão no curso da instrução processual, onde anseiam provar sua inocência sempre sustentada.

2 – Pesem, porém, as alentadas argumentações trazidas pelos impetrantes, e sem que a decisão aqui proferida implique em contradição com o que ficou assentado quando da medida liminar deferida para o fim de revogar a prisão temporária imposta aos então investigados, eis que naquela oportunidade faziam-se claramente ausentes os requisitos impostos pela lei nº 7.960/89 para legitimar a custódia, pese, não obstante tudo isso, por aqui não é caso de antecipado e liminar deferimento da ordem reclamada.

Em sede de ‘habeas corpus’, não tendo previsão legal a concessão de liminares, mas admitidas que estão elas, hoje, por definitiva e sensata construção pretoriana, para seu excepcional deferimento contra ato de autoridade competente, faz-se imperiosa, sem margem para dúvidas ou inquietações, a ausência dos pressupostos que autorizam, em tese, o constrangimento que se venha impor a qualquer pessoa. Faz-se necessário que, de forma cristalina e evidente, reconheça-se, por exemplo, que a liberdade do agente não implica em ofensa à ordem pública, em risco para a instrução processual ou para a garantia de aplicação da lei penal. Tal, aliás, como acontecia ao ensejo daquela decisão que deferiu liminar para a revogação da prisão temporária imposta aos mesmos pacientes, que aqui novamente se apresentam como tal, mas sem que se vislumbre, desta feita, ao menos até agora, induvidosa e ilegal afronta ao direito de ir e vir que desejam ver novamente restaurado.

A esse respeito, aliás, é muito firme a jurisprudência, inclusive dos tribunais superiores, onde sempre se reconheceu que “a concessão de liminar em ‘habeas corpus’ para sustar a marcha do processo criminal exige a visualização de pronto dos pressupostos autorizativos (relevância e periculum in mora) da medida, sob pena de indeferimento” (STJ – 6ª Turma – Ag Reg no HC 6068 – rel. Min. Fernando Gonçalves), ou que “a liminar em sede de ‘habeas corpus’ é medida excepcional, admitida tão somente pela doutrina e jurisprudência e sem dispensa da satisfação cumulativa dos requisitos do ‘fumus boni iuris’ e do ‘periculum in mora’ (STF – 6ª Turma – HC 22.059, rel. Min. Hamilton Carvalhido).

Vale dizer, pois, em face do caso concreto de que aqui se cuida, que a concessão de liminar, para o fim de restabelecer a liberdade dos pacientes presos preventivamente por força de decisão judicial largamente fundamentada e que diz respeito a crime gravíssimo praticado com características extremamente chocantes, e onde, após toda a prova colhida, sobressaem inequívoco reconhecimento de indícios de autoria e prova da materialidade da infração, tal concessão liminar, repita-se, apenas se justificaria se ao julgador fosse dado visualizar, de pronto, de forma clara, até gritante, que, hoje, não se fazem presentes os pressupostos autorizadores dela. Pressupostos que, por aqui, para desdita dos pacientes, com satisfatória evidência nos autos, receberam expressa e adequada invocação por parte do magistrado. Fazia-se mister, em suma, para atendimento liminar da pretensão deduzida, que dados sugestivos, muito precisos, quase incontestáveis, evidenciassem uma intolerável injustiça que estaria representando a constrição antecipadamente imposta aos acusados, o que não parece estar acontecendo, já que as circunstâncias indicam sintomático comprometimento dos pacientes com a autoria do inacreditável delito.

O que se reconhece, então, é que, se não prospera a alegação de prejulgamento que se disse conter o despacho de recebimento da denúncia, onde as observações feitas pelo magistrado, freqüentes e usuais em despacho de admissão da ação penal, não sugerem uma prematura afirmação de autoria ou de dolo, de outra parte as ilegalidades apontadas pelos impetrantes a propósito da inconveniência da decretação da prisão preventiva, reclamam estudo mais acurado do contexto probatório, o que não se mostra adequado ao âmbito restrito e de cognição sumária do remédio heróico. Especialmente em sede de medida liminar, se a decisão que decretou a prisão preventiva dos pacientes, como dito, está largamente fundamentada e se nela, reclamando por certo, cuidadosa investigação sobre sua realidade, o magistrado aludiu, fundado em detalhes razoavelmente sugeridos pelo processo investigatório, não só a possíveis tentativas, por parte dos pacientes, de descaracterização das provas, a eventual comprometimento da instrução e até a risco para a ordem pública, o que todo o alarme gerado pela ocorrência, em verdade está mostrando efetivamente possível.

3 – Denego, por tudo isso, a medida liminar pleiteada.

4 – Requisitem-se informações à autoridade coatora e, a seguir, dê-se vista à Procuradoria Geral da Justiça.

Int.

São Paulo, 13 de maio de 2008

Des. Canguçu de Almeida

Relator

Revista Consultor Jurídico, 13 de maio de 2008, 11h17

Comentários de leitores

65 comentários

Só para acrescentar, na minha opinião, a presun...

Directus (Advogado Associado a Escritório)

Só para acrescentar, na minha opinião, a presunção de inocência somente deveria prevalecer até a sentença condenatória, ainda que recorrível, como acontece em vários outros ordenamentos jurídicos.

Senhores, a questão é muito simples. Mero clamo...

Directus (Advogado Associado a Escritório)

Senhores, a questão é muito simples. Mero clamor público, principalmente quando alimentado pelo sensacionalismo da mídia e pelo ócio intelectual de alguns brasileiros, não é motivo suficiente para a prisão preventiva. O assunto não é "firula", e quem pensa assim mudará de idéia se vier a ser colocado algum dia, mesmo que injustamente, na condição de reú. A presunção de inocência não é invenção dos juristas, é garantia individual prevista pela Lei mais importante do País. É preciso muita coragem, reconheço, para deixar que o casal responda ao processo em liberdade. Mas, SE ELES AINDA NÃO FORAM CONDENADOS, SE NÃO AMEAÇAM FUGIR, SE NÃO PREJUDICAM A COLHEITA DAS PROVAS E NÃO COLOCAM EM RISCO A ORDEM PÚBLICA, TÊM O DIREITO DE AGUARDAR A SENTENÇA EM LIBERDADE. Se não concordam, reclamem com os constituintes, pois os Juízes são obrigados a cumprir a Lei. Respeito a decisão acima, mas não vejo respaldo jurídico nenhum para manter os dois presos. Justiça se faz com serenidade, não com sede de sangue.

Prezado Dr.RBS , a historinha da ...

hammer eduardo (Consultor)

Prezado Dr.RBS , a historinha da "terceira pessoa" chega a ser no meu entender , uma brincadeira de pessimo gosto em vista da morbidez do fato em si, ocorre que uma preocupante parcela dos Participantes aqui do CONJUR estão se agarrando de uma forma patologica nesta teoria o que eventualmente termina levando a discussão que deveria ser mais seria, para o terreno da ironia. Considero fantastico o desempenho dos Advogados dos que Eu chamo ironicamente de "casal de inocentes" , estes Profissionais certamente movidos pelo amor a camisa, pegaram um foguete que nem a propria NASA encararia em condições normais. Infelizmente mister se faz ressaltar que em TODAS as entrevistas que os ciosos Profissionais concederam , a verdadeira montanha de evidencias tem sido solenemente ignorada sem muita cerimonia. Como no Brasil quem faz mais de 3 refeições por dia tem direito ao famoso "transito em julgado" , ja deu para perceber que essa materia certamente vai avançar sem muita cerimonia por dentro de 2009. O curioso é que ate o avô da Isabela ja embarcou na inocencia do "suposto casal" , vai entender....Divido a mesma opinião sua , estão procurando agora o saci-pererê ou o E.T de Varginha pois dentro do plano real , o jogo ja esta praticamente acabado , ficar na discussão de firulas quando as evidencias convencem ate as pedras, pode fazer parte do jogo mas certamente vai esbarrar em algum limite natural mais a frente, fico a espera das reações dos libertarios de hoje quando as peças se encaixarem finalmente mais a frente. Mantenho a pergunta anterior, será que a Pericia, Delegados, Promotor, Juizes, Desembargadores , são todos loucos ou irresponsaveis? Quero crer que não. Aos que preferem a opção de "dar linha na pipa" ,aguardemos o epilogo!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.