Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Quantia insignificante

Acusado de tentar furtar R$ 9,90 tem ação trancada

O ministro Nilson Naves, do Superior Tribunal de Justiça, concedeu Habeas Corpus para trancar Ação Penal em trâmite contra um acusado de tentar furtar R$ 9,90 do caixa de um bar. O ministro aplicou ao caso o princípio da insignificância.

De acordo com o processo, o acusado tentou furtar o bar com um alicate e uma chave de fenda. Para entrar no local, ele danificou uma das janelas e passou a procurar objetos de valor. Encontrou três máquinas caça-níqueis, que foram arrombadas, mas não havia dinheiro nelas. Depois, encontrou o caixa e retirou todo o dinheiro que estava dentro: R$ 9,90.

Ao perceber o barulho no estabelecimento, o proprietário conseguiu capturar o invasor, que foi levado preso em flagrante. O homem que tentou assaltar o bar conseguiu um Habeas Corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo para ficar em liberdade provisória. Mas a Ação Penal continuou em andamento.

O Ministério Público Federal recomendou o trancamento da ação devido ao valor da quantia objeto da tentativa de furto. Nilson Naves concordou com o parecer do MPF e destacou que o dano apontado no artigo 163 do Código Penal é a lesão que pode representar prejuízo de alguma importância para o proprietário, o que não aconteceu no caso.

HC 79.984

Revista Consultor Jurídico, 13 de maio de 2008, 13h38

Comentários de leitores

5 comentários

EStamos caminhando para uma espécie de ditadura...

analucia (Bacharel - Família)

EStamos caminhando para uma espécie de ditadura judicial, baseada no achismo e sem critérios objetivos. O ideal entáo é que os furtos de objetos de até um salário mínimo seja açao penal pública condicionada, pois assim a vítima irá decidir se o valor é ou náo significante para si. CAso náo represente, é por que o furto náo foi relevante. Ou seja, a decisáo desloca do achismo judicial para a esfere da própria vítima. Nesse caso nem haverá processo. Afinal, da forma atual com a falta de critério acaba por criar uma loteria jurídica.

Atenção, senhores ladrões! O furto está liberad...

Directus (Advogado Associado a Escritório)

Atenção, senhores ladrões! O furto está liberado. Façam apenas o favor de não furtarem mais do que R$ 10,00 em dinheiro ou mercadorias de um mesmo estabelecimento, nem de praticarem muitos furtos em curto espaço de tempo. Se observarem essas condições, furtem à vontade. O STJ está solidário com a insignificância do seu ato. Senhores proprietários, o que é um furtinho aqui, outro ali, não é mesmo? QUE ABSURDO. DEPOIS NÃO RECLAMEM QUANDO A CRIMINALIDADE BATER NAS SUAS PORTAS.

Concluindo, ao arrombar o estabelecimento o ind...

bladoborges (Estudante de Direito - Empresarial)

Concluindo, ao arrombar o estabelecimento o indíviduo não sabia que teria somente R$ 9.90, ele o fez, pretendendo levar a maior soma possível.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.