Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Hóspede bem-vindo

Condomínio não pode barrar cachorro indiscriminadamente

Condomínio não pode barrar a permanência de cachorro em apartamento indiscriminadamente. O entendimento é do juiz Aureliano Albuquerque Amorim, da 4ª Vara Cível de Goiânia, que livrou uma família de pagar multa por manter um cão da raça shitsu, no condomínio Residencial Oliveira Lobo. Para o juiz, ter animais de estimação é um direito de cada pessoa, servindo inclusive para atender aos anseios de desenvolvimento afetivo e emocional dos filhos e até dos adultos.

“É comum que tais animais exerçam grande importância no seio familiar, provocando inclusive sentimento de tristeza ante sua perda”, fundamentou o juiz Aureliano Albuquerque.

A proibição consta na convenção entre condôminos e, por terem se recusado a retirar o animal de casa, os moradores do apartamento foram multados. O juiz, embora tenha determinado a retirada da multa, não declarou nula a cláusula que proíbe animais no local, sob a justificativa de que ela poderá vir a ser aplicada em outra circunstância, em que o prejuízo para os moradores for evidente.

A ação foi ajuizada pela família de Wanda Alencastro Veiga. Ela alegou que possui um shitsu de porte pequeno, que quase não late e nunca transita nas partes comuns do edifício. Apesar disso, conforme relatam os donos do cachorro, o condomínio os notificou para que o retirassem do prédio e, diante de sua recusa, aplicou-lhes multa de 100% da taxa condominial.

Na decisão, o juiz admitiu que as normas de um condomínio devem ser seguidas para que o ambiente de convívio seja harmonioso. No entanto, ponderou que tais regras não podem se sobrepor ao direito de qualquer pessoa de possuir um animal de estimação, desde que este não provoque prejuízos aos moradores.

Para o juiz, a cláusula proibitiva não deve ser aplicada de forma indiscriminada. “A presença de animais de pequeno porte, que por suas circunstâncias de fato não represente qualquer influência negativa no modo de vida do condomínio não pode ser atingida por uma cláusula dessa natureza.”

Revista Consultor Jurídico, 5 de maio de 2008, 19h55

Comentários de leitores

15 comentários

Condomínio não é canil! Abaixo os "cachorrinhos...

Moraes (Advogado Autônomo)

Condomínio não é canil! Abaixo os "cachorrinhos de madame" que só servem para latir no interior dos apartamentos, sujar as calçadas e urinar nas rodas dos carros! A que ponto chegamos! O homem se reportando ao animal!

Prefiro qualquer animal a morar em um prédio on...

Jusça (Funcionário público)

Prefiro qualquer animal a morar em um prédio onde habitem qualquer destas pessoas que pensam como as que se manifestaram aqui! Devem ser do tipo de vizinho que ninguém aguentaria por perto!Melhor mesmo uma floresta! Mais acolhedora certamente!!!

Um absurdo a intolerância das pessoas! Aguentam...

Jusça (Funcionário público)

Um absurdo a intolerância das pessoas! Aguentam síndicos autoritários, não participam das reuniões de condomínio, mal cumprimentam seus vizinhos, abusam do som, falam alto, não se preocupam se o barulho que fazem incomoda os vizinhos de baixo ou de cima. Agora, não aceitam que outras pessoas prefiram a companhia de leais amigos da raça canina que em países mais civilizados têm acesso inclusive a restaurantes e hotéis!!!Eta país atrasado! Pessoas medíocres e invejosas do apego de outras a animais que nos permitem acreditar que quanto mais conhecemos a raça humana mais gostamos dos animais. Vejam o exemplo da doce Isabela...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.