Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Processo de escolha

Para OAB-RJ, tribunal não pode rejeitar representantes de quinto

O presidente da OAB do Rio de Janeiro, Wadih Damous, divulgou nota questionando a afirmação do desembargador Sylvio Capanema, aposentado do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, de que compete ao tribunal decidir quem deve ocupar a vaga de desembargador ou ministro pelo Quinto Constitucional da OAB ou do Ministério Público. A afirmação foi feita em um momento de grandes discussões acerca do Quinto (Clique aqui para ler reportagem da ConJur com as afirmações do desembargador).

Para Capanema, quem tem que aferir a lista é o tribunal porque a escolha pode afetar a imagem da instituição. Ele conta que o Tribunal de Justiça do Rio já rejeitou a lista da OAB porque alguns dos membros, que dela constavam, não reuniam os pressupostos para fazer parte do TJ. Um deles, segundo Capanema, respondia a processo por estelionato. Ainda que não houvesse condenação, o fato pesou para os desembargadores.

Wadih Damous considera que “compete ao Poder Judiciário, por mandamento constitucional, apreciar as listas sêxtuplas enviadas pela OAB e reduzí-las em tríplices. As listas não são compostas para agradar a magistratura. Se o Judiciário entender que algum dos requisitos constitucionais não foi atentido, deve justificar o porquê de forma clara e precisa. Não cabe àquele Poder rejeitar a lista porque algum nome de sua preferência não foi escolhido pela OAB.”

Capanema entrou para o TJ fluminense, em 1994, através do Quinto Constitucional da OAB. “Quando me candidatei para a vaga, tive de apresentar meus livros”, afirma. Para ele, naquela época, a candidatura exigia “respaldo ético e doutrinário”. Segundo Damous, “há escolhidos pela OAB que, simplesmente, desprezam a advocacia e fazem questão de demonstrar isso depois que são nomeados”.

Impasses

Em 12 de fevereiro, os ministros do STJ não quiseram escolher nenhum dos nomes indicados pela Ordem para integrar a Corte. Nos três turnos de votações da lista nenhum candidato atingiu o mínimo de 17 votos. Na primeira votação, 13 ministros votaram em branco. No segundo escrutínio, foram 15 e no terceiro, 19 ministros votaram em branco. Foi a primeira vez em sua história que o STJ rejeitou uma lista apresentada pela OAB.

Fazem parte da lista os advogados Flávio Cheim Jorge, do Espírito Santo; Cezar Roberto Bitencourt, do Rio Grande do Sul; Marcelo Lavocat Galvão, do Distrito Federal; Bruno Espiñeira Lemos, da Bahia; Roberto Gonçalves de Freitas Filho, do Piauí; e Orlando Maluf Haddad, de São Paulo.

Alguns meses depois, em segunda tentativa de aprovação da lista, o STJ decidiu manter sua posição de não escolher nenhum dos seis nomes indicados à vaga de ministro pela Ordem.

A OAB alega que o STJ não poderia ter devolvido a lista sem fundamento constitucional. Argumenta também que o preenchimento de qualquer das outras três vagas em aberto na Corte ofende o princípio da antiguidade para preenchimento dos cargos de direção no Tribunal. Entrou, inclusive, com um Mandado de Segurança, no próprio STJ, para impedir que o tribunal preencha essas vagas antes de votar a lista da OAB.

Em São Paulo o impasse é mais antigo. Em 2005, a OAB apresentou de uma só vez cinco listas para preencher cinco vagas no TJ. Quatro foram aprovadas sem maiores delongas. Mas os desembargadores rejeitaram todos os nomes da lista restante e, de ofício, formaram uma nova lista com os nomes não aproveitados nas outras quatro.

A OAB recusou a solução oferecida pelo tribunal e a questão foi levada ao STF. O Supremo entendeu que o TJ, podia sim rejeitar os nomes da lista, desde que fundamentasse a decisão. O TJ fez isso e, depois de rejeitada nova reclamação da Ordem no Supremo, aguarda-se que a OAB apresente uma nova lista ao TJ.

Leia a nota da OAB do Rio de Janeiro

Compete ao Poder Judiciário, por mandamento constitucional, apreciar as listas sêxtuplas enviadas pela OAB e reduzí-las em tríplices. As listas não são compostas para agradar a magistratura. Se o Judiciário entender que algum dos requisitos constitucionais não foi atentido, deve justificar o porquê de forma clara e precisa. Não cabe àquele Poder rejeitar a lista porque algum nome de sua preferência não foi escolhido pela OAB.

O procedimento do STJ é inaceitável, por ser violador da Constituição. Esta o obriga a apreciar a lista e escolher os três nomes a serem submetidos à escolha do Presidente da Republica. Dizer que as escolhas da Ordem são politizadas me parece irrelevante. São tão politizadas quanto a composição das listas de merecimento da magistratura. Aliás, para a própria escolha do quinto muitos magistrados procuram influenciar indicando candidatos. Não vejo nada demais nesse expediente, desde que sejam bons candidatos e que, caso não sejam escolhidos, isso não sirva de justificativa para retaliações posteriores.

A lista deveria ser enviada diretamente ao Chefe do Executivo, sem a interveniência do Judiciário e que os representantes do Quinto deveriam ter mandato temporário. Os indicados devem representar a advocacia, mas acabam, com a vitaliciedade, incorporando o perfil corporativista da magistratura. Infelizmente, há escolhidos pela OAB que, simplesmente, desprezam a advocacia e fazem questão de demonstrar isso depois que são nomeados".

Revista Consultor Jurídico, 1 de maio de 2008, 15h15

Comentários de leitores

5 comentários

Júnior, Tem que ter concurso mesmo. Quer ser ...

Fantasma (Outros)

Júnior, Tem que ter concurso mesmo. Quer ser desembargador pois que comprove vinte anos como juiz, advogado ou promotor; SÓ ASSIM TUDO SERIA MORALIZADO. E tem mais: ex-juiz não deveria advogar. TAMBÉM SOU JUIZ E NÃO CONCORDO QUE JUIZ APOSENTADO EXERÇA A ADVOCACIA. Pelo menos uma quarentena de 10 anos seria muito boa.

Não era simpatizante do Concurso para os Tribun...

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Não era simpatizante do Concurso para os Tribunais, mas por outro lado faz sentido. O Domus tem razão quando diz: "há escolhidos pela OAB que, simplesmente, desprezam a advocacia e fazem questão de demonstrar isso depois que são nomeados". Esses "seres", que são muitos, não deveriam voltar a advogar quando se aposentarem nos Tribunais. Foram incapez de passar no concurso para juiz de carreira, tiveram que advogar e mostrar seu conhecimento na advocacia, e quando se tornam Des. ou Min., comportam-se como se fossem juízes de carreira. Só por isso, o concurso seria uma boa idéia. 20 anos de exercício da advocacia, da magistratura ou do MP, e depois: CONCURSO!

É mais fácil um camundongo colocar um gizo no p...

Ramiro. (Advogado Autônomo)

É mais fácil um camundongo colocar um gizo no pescoço de um bem treinado e experiente gato que a Magistratura de Primeiro Grau, AMB, AJUFE e outras, com seu histrionismo de jus esperniandi conseguirem movimentar duas votações no Senado e duas na Câmara para Emenda Constitucional necessária. Some-se o número indiscriminado de grampos contra políticos, contra empresários, que financiam campanhas eleitorais, e fora o carisma maior da OAB frente à população. Enquanto isso nos Juizados Especiais e Varas Cíveis a ignara plebe é maltratada como gente que vai ao Judiciário querer enriquecer às custas das grandes empresas que rasgam o CDC. É mais fácil a Magistratura de Carreira a qualquer momento ser surpreendida por algum muito inteligente projeto de lei e demonstrar a que está querendo...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.