Consultor Jurídico

Comentários de leitores

17 comentários

Meus cumprimentos a douta magistrada, pelo disc...

João Tavares (Consultor)

Meus cumprimentos a douta magistrada, pelo discernimento e a brilhante entrevista, a mensagem não deixou nenhuma dúvida: "A GRANDE MÍDIA NÃO É TRIBUNAL E JORNALISTAS NÃO SÃO JUÍZES"

Brilhante Jurista essa Juíza. Não só pelo seu h...

M. Bueno (Outros)

Brilhante Jurista essa Juíza. Não só pelo seu histórico de formação e profissional mas também pela sensatez que revela em suas colocações. Já está mais do que na hora de o Judiciário pôr um limite aos abusos da imprensa brasileira que vem confundindo liberdade com intocabilidade. O preço da liberdade é a responsabilidade. Onde esta não existe não há espaço para aquela.

BRILHANTE ENTREVISTA, EM ESPECIAL PELA RAZÃO DE...

Marcellus Glaucus Gerassi Parente (Advogado Sócio de Escritório)

BRILHANTE ENTREVISTA, EM ESPECIAL PELA RAZÃO DE SÊ-LA E PELO BRILHANTISMO DAS RESPOSTAS OFERTADAS PELA DÍGNA MAGISTRADA. NOSSA FÉ É DE QUE A ENTREVISTA TRANSPONHA O CAMPO DA TEORIA PARA SUA INTEIRA APLICABILIDADE PRÁTICA. DENTRE OS CASOS MUITO BEM LEMBRADOS E CITADOS PELA NOBRE MAGISTRADA, NÃO PODEMOS OLVIDAR O DE UM CONCEITUADO OPERADOR DO DIREITO, QUE FORA "VÍTIMA" DE UMA ESPETACULOSA OPERAÇÃO DA PF, FICOU SETE MESES SEGREGADO POR SUPOSIÇÕES,SENDO QUE PERANTE O STJ COMPROVOU-SE A INSENSATEZ DAS ALEGAÇÕES PARA MANUTENÇÃO DE SUA SEGREGAÇÃO E RETORNOU A LIBERDADE. OFERTOU-SE UMA DENÚNCIA QUE ENTRE OS DELITOS IMPUTADOS HAVIA SONEGAÇÃO FISCAL, QUE ACABOU SENDO TRANCADA A DENÚNCIA PELO PRETÓRIO EXECELSO COM RELÇAÃO A ESTA IMPUTAÇÃO, EM RAZÃO DE NÃO EXISTIR PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO PRÉVIO PARA AQUILATAR E DETERMINAR A INCURSÃO DELITUOSA, PORÉM, O MP E A PF, COM OS AUSPÍCIOS DA IMPRENSA, SIMPLESMENTE ANIQUILARAM A VIDA DO DITO PROFISSIONAL. MAS VEMOS QUE PODEMOS CONTINUAR A RESPIRARMOS OS PRINCÍPIOS DEMOCRÁTICOS, COM FÉ QUE ESTE RESPUIRAR TRANSFORME-SE EM VIDA ETERNA DA DEMOCRACIA, COM A LEAL E JUSTA APLICABILIDADE DO DIREITO. PARABÉNS A DOUTA MAGISTRADA PELA EXCELENTE ENTREVISTA OFERTADA E AO CONNUR PELO BRILHANTE TEMA E MAGNÍFICA ESCOLHA DO EXPOSITOR.

BRILHANTE ENTREVISTA, EM ESPECIAL PELA RAZÃO DE...

Marcellus Glaucus Gerassi Parente (Advogado Sócio de Escritório)

BRILHANTE ENTREVISTA, EM ESPECIAL PELA RAZÃO DE SÊ-LA E PELO BRILHANTISMO DAS RESPOSTAS OFERTADAS PELA DÍGNA MAGISTRADA. NOSSA FÉ É DE QUE A ENTREVISTA TRANSPONHA O CAMPO DA TEORIA PARA SUA INTEIRA APLICABILIDADE PRÁTICA. DENTRE OS CASOS MUITO BEM LEMBRADOS E CITADOS PELA NOBRE MAGISTRADA, NÃO PODMEOS OLVIDAR O DE UM CONCEITUADO OPERADOR DO DIREITO, QUE FORA "VÍTIMA" DE UMA ESPETACULOSA OPERAÇÃO DA PF, FICOU SETE MESES SEGREGADO POR SUPOSIÇÕES, OFERTOU-SE UMA DENÚNCIA QUE ENTRE OS DELITOS IMPUTADOS HAVIA SONEGAÇÃO FISCAL, QUE ACABOU SENDO TRANCADA A DENÚNCIA PELO PRETÓRIO EXECELSONESTA IMPUTAÇÃO EM RAZÃO DE NÃO EXISTIR PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO PRÉVIO PARA AQUILATAR E DETERMINAR A INCURSÃO DELITUOSA, PORÉM, O MP E A PF, COM OS AUSPÍCIOS DA IMPRENSA, SIMPLESMENTE ANIQUILARAM A VIDA DO DITO PROFISSIONAL. MAS VEMOS QUE PODEMOS CONTINUAR A RESPIRARMOS OS PRINCÍPIOS DEMOCRÁTICOS, COM FÉ QUE ESTE RESPUIRAR TRANSFORME-SE EM VIDA ETERNA DA DEMOCRACIA, COM A LEAL E JUSTA APLICABILIDADE DO DIREITO. PARABÉNS A DOUTA MAGISTRADA PELA EXCELENTE ENTREVISTA OFERTADA E AO CONNUR PELO BRILHANTE TEMA E MAGNÍFICA ESCOLHA DO EXPOSITOR.

Concordo com as principais ponderações da juíza...

Leitor1 (Outros)

Concordo com as principais ponderações da juíza. Contdo, apenas pontuo que VIROU MODA afirmar que tal ou qual direito não é absoluto. Isso não quer dizer NADA. Afinal, nada no mundo é absoluto, não é mesmo? Nem mesmo os conceitos matemáticos são absolutamente exatos (vide conceito de 'limite' em matemática)... Dizer que algo não é absoluto não soluciona a questão. O problema é: QUAL O EFETIVO CONTEÚDO DAQUELE DIREITO? A magistrada não responde totalmente a essa questão, s.m.j.

Quando um magistrado se pronuncia contrariando ...

A.G. Moreira (Consultor)

Quando um magistrado se pronuncia contrariando a imprensa e a suprema corte, ( que diz que a absoluta liberdade de imprensa é "irmã siamesa" da democracia e portanto, intocável ) ..... , ou não tem chance de chegar até lá, ou não se importa de perder todas as chances ! ! ! Parabéns, não pela lucidez, mas pela coragem de manifestá-la ! ! !

Censurar é muito diferente de se buscar um equi...

Fragoso (Advogado Autônomo)

Censurar é muito diferente de se buscar um equilíbrio entre o direito de informar e a presunção de inocência. Liberdade de expressão é muito diferente de dar publicidade a provas ilícitas. Nínguém duvida de que o direito a um julgamento justo pode ser comprometido por execrações públicas. Jornalistas responsáveis sabem bem disto. A tese é, portanto, extremamente oportuna nesses nossos tempos de trial by media. Rodrigo Fragoso, adv. no Rio de Janeiro.

26/06/2008 - 00:15 - Atualizado em 26/06/2008 -...

Rubão o semeador de Justiça (Advogado Autônomo)

26/06/2008 - 00:15 - Atualizado em 26/06/2008 - 13:54 A resposta de Ustra Coronel acusado de comandar a tortura no DOI paulista diz que Romeu Tuma sabia de tudo e pede testemunho dos atuais comandantes militares matheus leitão Coronel Ustra: "Tuma viveu a situação de violência da época e o trabalho do DOI"Alvo de uma ação do Ministério Público que tenta obrigá-lo a arcar até com as despesas da União com indenização de presos políticos, o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra já montou sua defesa num possível processo. Entre 1970 e 1974, Ustra foi comandante do DOI-CODI paulista. Pelo menos 60 militantes de esquerda perderam a vida em confrontos com o órgão. Centenas foram submetidos a tortura. Para defender-se, Ustra faz um apelo genérico e uma convocação específica. Ele quer que o atual senador Romeu Tuma seja ouvido como testemunha de sua defesa. Num texto de 31 páginas, ao qual ÉPOCA teve acesso com exclusividade, Ustra diz que Tuma “acompanhou e viveu a situação de violência da época e o trabalho do DOI, já que, como delegado da Polícia Civil, era o elemento de ligação entre o Comando do II Exército e o Departamento de Ordem Política e Social, órgão no qual estava lotado.” Ustra constituiu um advogado para orientá-lo no processo, Paulo Esteves. Além do senador Romeu Tuma, Ustra convoca quatro oficiais da ativa do Exército para servirem com suas testemunhas. Ele não está falando de baixas patentes, mas do próprio comandante do Exército, Enzo Martins Peri; do comandante militar do Sudeste, onde funcionava o DOI paulista; do Chefe do Estado Maior do Sudeste e do chefe do Centro Inteligência do Exército, CIEx. Referindo-se a oficiais de gerações posteriores, que fizeram carreira após a democratização, Ustra escreve que “tais milit

Dá orgulho em ser cidadão num país que tem a Dr...

toron (Advogado Sócio de Escritório)

Dá orgulho em ser cidadão num país que tem a Dra. Simone Schreiber como juíza. Parabéns pela entrevista. Lúcida e muito equilibrada. Alberto Zacharias Toron, advogado, Secretário-Geral Adjunto do Conselho Federal da OAB e Professor licenciado de Direito Penal da PUC-SP

Nesta atitude do Judiciário ratificou-se a tese...

OLHO VIVO (Outros)

Nesta atitude do Judiciário ratificou-se a tese do Jurista e Jornalista Rui Barbosa, que unia as duas ciências aqui emboladas: "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto". Rui Barbosa. As palavras de ontem, retratando os fatos de hoje.

Não como negar que a imprensa tem realmente que...

OLHO VIVO (Outros)

Não como negar que a imprensa tem realmente que ter responsabilidade em suas reportagens porém, para ser responsabilizado de algo deve-se antes ter algo a ser responsabilizado e não cercear o direito da população a informação. A reportagem iria abordar um relatório do TCU, órgão técnico, máximo no que se pode chamar de auditoria no Brasil. Mesmo assim, vindo estas informações de fonte idônea, a reportagem foi censurada. Caro judiciário a sociedade tem a dizer o eterno jargão das contestações: Razão não lhe assiste.

O caso "clássico" não é o dos Nardoni. É dos as...

Ana d´Angelo (Jornalista)

O caso "clássico" não é o dos Nardoni. É dos assassinos do menino João Hélio, sentenciados a 167 anos!!! Imagine, se todo risco de assassinato que eu corresse fosse com esse tipo de assassino. Mas eles são pobres, feios e negros...Numa das manchetes do Jornal Nacional William Bonner chamou- os de "monstros". Mas para que se desgastar enfrentando a questão envolvendo pobre? Pobre não é gente... Aliás, tem algum caso de julgamento de pobre na tese???

Parabéns a Dra. Simone Schreiber pela lucidez c...

Mauro (Professor)

Parabéns a Dra. Simone Schreiber pela lucidez com que refletiu sobre este tema que é tão polêmico. Concordo integralmente com o texto e a entrevista e vou adquirir o livro "A publicidade opressora de julgamentos criminais" assim que estiver disponível. Este texto é a medida certa para alguns blogueiros aqui do Conjur, tais como o dogmático, porém muito bem articulado nas idéias, Richard Smith, e o atabalhoado e superficial Nicoboco. Ambos idolatram Diogo Mainardi e sua trupe (cada um à sua maneira, é claro, pois são independentes) ajoelhando-se de três em três horas em direção a sede da revista Veja. É um tipo de um pós-islamismo midiático tupiniquim no qual o jornalista faz as vezes de Alá e a sede da Veja é a nova Meca.

Em meio ao mar de demagogia que impera, enfim u...

olhovivo (Outros)

Em meio ao mar de demagogia que impera, enfim uma opinião lúcida. Imprensa não pode querer tudo, por se arvorar em mãe da democracia. Muitos jornalistas e jornais sobrevivem à custa de achincalhes, sem nenhuma preocupação com direitos e garantias fundamentais.

"os dois não tiveram nenhum comportamento que p...

Luismar (Bacharel)

"os dois não tiveram nenhum comportamento que poderia justificar, neste momento, a privação da liberdade." Conhece o processo? Leu os autos? E alô, redação: o certo é "daqui a alguns anos" e não "daqui há alguns anos".

BRASIL, terra de direitos sem os corresponden...

Richard Smith (Consultor)

BRASIL, terra de direitos sem os correspondentes deveres, dos crimes sem culpados e das pessoas sem culpa nenhuma!

O jornalista, aquele tal de Datena é que precis...

Polly (Estudante de Direito)

O jornalista, aquele tal de Datena é que precisava ler este trabalho com muita atenção, porque situações que envolvem o ser humano não são comentários futebolísticos... Jornal dessa estirpe deveria ser banido da televisão brasileira, como bem fez o Silvio Santos em retirar do ar o tal de ratinho... Parabéns pela tese doutora. O povo brasileiro merece imprensa com responsabilidade, porque ser a imprensa diz ter direito também tem deveres frente ao cidadão.

Comentar

Comentários encerrados em 7/07/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.