Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direito Penal Simbólico

A crescente criminalidade não se resolverá com leis mais duras

Por 

Muito se fala em fragmentariedade, princípio da intervenção mínima ou princípio da proporcionalidade no Direito Penal, pois, o Direito Penal deve ser usado em último caso, ultima ratio, ou seja, quando todos os outros ramos do Direito fracassarem entrará em cena o Direito Penal.

Metaforicamente falando, o Direito Penal é o ramo do Direito mais “bravio”, digamos que seja o “pittbul”, que baba, rosna e morde, por essa razão, deve ser usado nas ocasiões mais importantes.

Infelizmente, por muitas vezes nos deparamos com um Direito Penal Emergencial onde cria normas, elaboradas única e exclusivamente como resposta a algum acontecimento que choca a sociedade, podemos exemplificar com a Lei dos Crimes Hediondos, (atriz assassinada), Lei Maria da Penha, dentre outras.

Por tais razões vemos nos afastar dos importantíssimos princípios, (fragmentariedade, princípio da intervenção mínima e ou princípio da proporcionalidade), e por vezes chegam às raias do abuso, pois criam-se normas mais duras ou alteram-se normas já existentes aumentando penas e criando qualificadoras, tendo como critério um fato que causou repercussão na sociedade, e que, porém tais propostas são inócuas ou não servirão de freios à prática destes delitos.

O escopo do Direito Penal na sociedade é tutelar bens jurídicos relevantes e com isso manter a paz social.

Neste raciocínio e analisando atualmente o Direito Penal, vemos que ele está perdendo suas características, posto que, para a sociedade juridicamente leiga que clama por leis mais pesadas e por vezes levantam a bandeira inclinando-se à pena de morte, incentivada e instigada pela mídia por esse equivocado pensamento, entendem que com isso, resolverão o problema da criminalidade.

O problema da crescente criminalidade não irá se resolver com leis mais gravosas, haja vista, se assim fosse, com a entrada em vigor da Lei dos Crimes Hediondos (Lei 8.072/90) tais delitos deveriam diminuir, como também o tráfico ilícito de entorpecente com a Lei 11.343/06, porém isso não ocorreu.

As medidas adotadas pelo legislador em criar normas mais gravosas para mostrar à sociedade que ela está segura, visto que há normas penais duras sobre certos temas, certas vezes, retrata um discurso demagógico e traz uma falsa idéia de segurança e com isso surge o Direito Penal Simbólico, que por ser rigoroso demais com normas demasiadamente gravosas e excessivas e que na prática, caem por terra diante de sua inaplicabilidade efetiva.

O Direito Penal deve manter-se na sociedade para seu devido fim e não para servir como instrumento de palanque ou objeto de orgulho para oportunistas, uma política criminal mais eficaz por vezes resolveria melhor um problema social sem ter que recorrer a uma criminalização mais gravosas de condutas de forma atabalhoada e desproporcional.

Bibliografia

1. BITENCOURT, Cezar Roberto. Manual de Direito Penal, 6.a ed., São Paulo, Saraiva, 2000.

2. FERRAJOLI, Luigi. Derecho y razón - teoria do garantismo penal. 2.a ed., trad. de Andrés Ibáñez, Alfonso Ruiz Miguel, Juan Carlos Bayón Mohino, Juan Terradillos Basoco e Rocío Cantanero Bandrés, Madrid, Editorial Trotta, S.A., 1997.

 é advogado.

Revista Consultor Jurídico, 19 de junho de 2008, 0h00

Comentários de leitores

11 comentários

Despiciendo dizer que somente uma revisão dos p...

José Inácio de Freitas Filho. Advogado. OAB-CE 13.376. (Advogado Autônomo)

Despiciendo dizer que somente uma revisão dos paradigmas do Estado e uma efetiva garantia e materialização dos direitos fundamentais da pessoa [e dos seus direitos sociais] implicarão na definitiva redução dos índices de criminalidade/desajuste social... __________________ José Inácio de Freitas Filho {Advogado - OAB/CE n.º 13.376}

Duas considerações tenho a dizer neste contexto...

PEREIRA (Contabilista)

Duas considerações tenho a dizer neste contexto, apesar da extrema complexidade do assunto. Se, ao tratarmos as causas da criminalidade banalisada em nosso país, temos a dizer, em princípio, trata-se, como causa maior, as drogas em todos os níveis de consumo. Se não existisse compradores/consumidores, não havevria de se ter o exército em favela e uma guerra civil instalada nas grandes favelas do Rio de Janeiro e em grandes metrópoles em nosso país. Um bom exemplo: Se 90% dos brasileiros consumidores de coca-cola, deixasse de consumi-la, garanto que empresa iria a falência, ou não? Se existe esse exarcebado consumo de drogas é porque temos uma sociedade doentia! Os valores morais da sociedade está em extinção por completo. Por que a saúde pública no Rio de Janeiro está um caos? Sabem as verdadeiras causas? Porque grande parte dos recursos destinados ao SUS são desviados pelo ímpeto da corrupção na administração pública, não só do Rio, mas em todo país. Devemos tratar a criminalidade não apenas para ladrão de galinha ou de margarina em supermercados, mas em toda sua extensão. É claro que a certeza da impunidade é e será um estímulo a prática delitusa em geral. No dia que o criminoso de colarinho branco for para cadeia e devolver o roubou, garanto e tenho certeza que os outros vão pensar muitas vezes antes de agir! Essa é a minha opinião como leitor dessa matéria. E vamos deixar de hipocrisia em esconder as verdades que merecem ser ditas doa a quem doer!

Para aqueles que pensam que a solução da crimin...

Jhepherson Bié da Silva (Advogado Autônomo)

Para aqueles que pensam que a solução da criminalidade está no agravamento da pena, digo-lhes: o aumento da pena ou a alteração da maioridade penal não atinge a causa da violência, mas tão-somente a sua consequência. Ora, dificilmente alguém vai analisar qual é a pena cominada para um homicídio antes de praticá-lo. Outrossim, pensar em resolver o problema da criminalidade sob o aspecto posterior à prática do delito (aplicação da pena) é cair num circulo vicioso, isto é, sempre existirá o anseio em punir, um, dois e quantos autores dos delitos forem, mas não os impedirão de praticar infrações penais. Por fim, ressalto-lhes que a solução para qualquer problema deve ter como objetivo atingir a verdadeira causa e não tentar inibir o seu resultado. Uma das causas da violência é a falta de educação, portanto, porque não fazer umn melhor investimento?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.