Consultor Jurídico

Comentários de leitores

11 comentários

Alguém leu o ato normativo em questão (OS 07/20...

RMSS (Outros)

Alguém leu o ato normativo em questão (OS 07/2004 da Inspetoria)? Alguém leu o processo judicial? Alguém viu o que ocorre no Órgão? Até a triagem pelo uso de senha, procedimento o qual submete inclusive os nobres "doutores", foi questionado, pois almejava-se um tratamento compatível com a dignidade do cargo. E aí, o que foi decidido? Todos iguais ou uns mais iguais que outros?

Realmente é uma vergonha a SRF, em suas diversa...

Eduardo (Advogado Autônomo - Civil)

Realmente é uma vergonha a SRF, em suas diversas ramificações! O órgão sabe muito bem como cobrar, mas nunca como servir. A legislação é aplicada às avessas! Raramente um Juiz tem um entendimento favorável a nossa classe, cujo exercício é imprescindível para a sociedade, inclusive para eles, servidores da fazenda.

A Lei de Mandado de Segurança. 1.533, prevê suc...

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

A Lei de Mandado de Segurança. 1.533, prevê sucumbência e punição para as autoridaes reincidentes? Entao esqueça. Nada vai mudar...

Dr. João Augusto de Lima Lustosa - parabéns pel...

Luiz Fernando (Estudante de Direito)

Dr. João Augusto de Lima Lustosa - parabéns pelo seu comentário, que resume bem a situação. Não sei como os brasileiros suportam resignadamente essa arrogância estatal. Um dia terá fim, sem dúvida, por bem ou por mal, mas até temos que digerir esse sapo chamado burocracia fazendária brasileira.

A SRF não tem limites. A raiz do problema pela ...

João Augusto de Lima Lustosa (Advogado Sócio de Escritório)

A SRF não tem limites. A raiz do problema pela qual neste país não se consegue fechar uma empresa e depois diz-se que ela foi dissolvida "irregularmente" é essa praga da Delegacia da Receita Federal que agora tem processos administrativos virtuais. Simplesmente não existem. As empresas virtualmente processadas acumulam dívidas com o leão incríveis. No entanto uma boa parte tem CND, distribuidores de ações, protestos, negativas trabalhistas e tudo mais que não tenha a ver com essa praga que é a fazenda nacional absolutamente negativas. Zeradas. Vai ver, tá lá, executivo fiscal em riste e juizes pouco afeitos ao dia a dia, mandando penhorar o saco do anjo da guarda que toma conta da empresa que, defunta, está insepulta. E, parece que a insanidade ainda vai piorar.

VIOLAR PRERROGATIVA DOS ADVOGADOS É NA GRANDE A...

não (Advogado Autônomo)

VIOLAR PRERROGATIVA DOS ADVOGADOS É NA GRANDE AUTARQUIA -- INSS -- ESSA SIM PARECE UMA ILHA COM PODERES PROPRIOS. ADVOGADO NO INSS NÃO TEM DIREITO A NADA, E SE INSISTIR O CLIENTE/CIDADÃO MORRE, E NÃO VER SEU DIREITO RECONHECIDO.

A violação de prerrogativas é constante em orgã...

Pedro Andrade Trigo (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

A violação de prerrogativas é constante em orgãos públicos. As seccionais da OAB deviam seguir o exemplo da AASP, combatendo judicialmente a violação de prerrogativas em orgãos como SRF, PGFN e SPU.

Questiona-se se o pedido tivesse sido formulado...

ruialex (Advogado Autônomo - Administrativa)

Questiona-se se o pedido tivesse sido formulado por um desconhecido advogado, ao invés da AASP, será que a decisão seria a mesma?

Muito bem se houve Sua Excelencia. Esse agendam...

Luís da Velosa (Advogado Autônomo)

Muito bem se houve Sua Excelencia. Esse agendamento ou restrição de acesso, era uma arbitrariedade inominável, inclusive porque as justificativas para o desvario eram uma absurdez.

Muito se houve Sua Excelencia. Esse agendamento...

Luís da Velosa (Advogado Autônomo)

Muito se houve Sua Excelencia. Esse agendamento ou restrição de acesso, era uma arbitrariedade inominável, inclusive porque as justificativas para o desvario uma absurdez.

A administração do advogado Márcio Kayatt na AA...

Mário de Oliveira Filho (Advogado Sócio de Escritório)

A administração do advogado Márcio Kayatt na AASP, tem a marca da seriedade de propósitos. Parabéns!!!!! Mário de Oliveira Filho, Conselheiro Seccional OAB/SP

Comentar

Comentários encerrados em 14/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.