Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Máfia dos Fiscais

Ex-vereador condenado por extorsão pode recorrer em liberdade

O ex-vereador paulistano José Izar e seu irmão Willians José Izar, condenados a oito anos de prisão por envolvimento na chamada Máfia dos Fiscais, podem aguardar em liberdade o julgamento da apelação ajuizada contra a sentença que os condenou. A decisão foi tomada pelo ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal.

De acordo com o Ministério Público, os irmãos extorquiam vendedores ambulantes da região da Lapa, na capital paulista, em troca da emissão da permissão para trabalharem no local. O escândalo da Máfia dos Fiscais ocorreu na gestão de Celso Pitta, na prefeitura da São Paulo, de 1996 a 2000.

A sentença da 4ª Vara Criminal de São Paulo, que condenou os irmãos, determinou o imediato cumprimento da pena. Para o ministro Marco Aurélio, o princípio da não-culpabilidade exclui a possibilidade da execução provisória da pena, a menos que o pedido de prisão se fundamente, necessariamente, nos artigos 311 e 312 do Código de Processo Penal.

Os dispositivos permitem a prisão preventiva para “garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria”.

A decisão do ministro, de mandar recolher os mandados de prisão — com a conseqüente expedição do alvará de soltura dos irmãos Izar — só vale se eles não estiverem presos por outros motivos que não os fatos presentes neste processo.

HC 94.699

Revista Consultor Jurídico, 6 de junho de 2008, 0h01

Comentários de leitores

1 comentário

Parabéns ao advogado Francisco Lobo da Costa Ru...

José R (Advogado Autônomo)

Parabéns ao advogado Francisco Lobo da Costa Ruiz por haver conseguido fazer prevalecer no STF o princípio constitucional da não-culpabilidade Cumprimentos pela merecida vitória do talento, da competência, e, sobretudo, pelo restabelecimento da ordem constitucional violada. Homenagens ao Min. Marco Aurélio e à Suprema Corte que jamais desmentem seu compromisso coma Charta Magna.

Comentários encerrados em 14/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.