Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Bate e volta

Nova Zelândia tem de responder por que barrou turista brasileiro

O Superior Tribunal de Justiça quer saber se, ao impedir o ingresso de um turista brasileiro com visto de entrada, passagens aéreas de ida e volta e dinheiro suficiente para sua estada no país, a Nova Zelândia praticou um ato de gestão ou um ato de império. Por unanimidade, a 3ª Turma do STJ determinou a citação da Nova Zelândia em recurso ordinário ajuizado por Rodrigo Becker. A citação é enviada ao Poder Executivo.

A doutrina jurídica classifica os atos de império como aqueles que envolvem matéria de soberania sendo, portanto, imunes à jurisdição brasileira. Os atos de gestão são classificados como o abuso de prerrogativas comuns a todos os cidadãos e suscetíveis de apreciação de tribunais estrangeiros. Portanto, qualquer discussão sobre eventual responsabilidade civil de Estado estrangeiro por ato ilícito deve passar, previamente, pela análise da natureza do ato praticado.

Segundo os autos, ao desembarcar no aeroporto da Nova Zelândia, Rodrigo Becker foi confinado em uma sala de interrogatório, teve seu visto revogado e foi obrigado a retornar ao Brasil com os documentos retidos pelo comandante do avião. No recurso encaminhado ao STJ, Becker sustentou que o fundamento do pedido não é a negativa de entrada pura e simples no país, mas o tratamento abusivo e vexatório a que foi submetido.

A Justiça Federal brasileira classificou a decisão como um ato de império e rejeitou o pedido de indenização por danos morais e materiais. A sentença também considerou lícita a recusa do Estado em receber o viajante, já que não existe qualquer norma internacional que obrigue os países a aceitar, em seu território, todos os estrangeiros que ali pretendem entrar.

O STJ afastou o entendimento adotado pela Justiça Federal. Seguindo o voto da relatora, ministra Nancy Andrighi, a Turma entendeu que cabe ao país responder se tal recusa está ou não enquadrada como ato de império. Assim, determinou a citação da Nova Zelândia de forma a permitir a eventual renúncia à imunidade jurisdicional.

RO 70

Revista Consultor Jurídico, 5 de junho de 2008, 11h35

Comentários de leitores

4 comentários

Estranho que no site da Policia Federal, inform...

cicero (Técnico de Informática)

Estranho que no site da Policia Federal, informa que não é necessário visto para turismo ou negócios na Nova Zelandia.

A emissão do visto, "in casu", é fator primaz p...

José Inácio de Freitas Filho. Advogado. OAB-CE 13.376. (Advogado Autônomo)

A emissão do visto, "in casu", é fator primaz para o deslinde da contenda jurídica. Isto porque, concedendo o visto, o país de destino gera - no mínimo - expectativa de Direito para o turista e fica, destarte, obrigada a motivar - e com fatos novos - a recusa de entrada, vez que o ingresso já foi avaliado e consideraro adequado, bem quisto. É como penso. ________________ José Inácio de Freitas Filho [Advogado - OAB/CE n. 13.376] [Ex-Presidente da Comissão de Direito Internacional & Relações Exteriores da OAB/CE]

Parece-me que o próximo turista neo zelândes qu...

Marcio (Estudante de Direito)

Parece-me que o próximo turista neo zelândes que pisar em terras tupiniquins também receberá o mesmo tratamento.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/06/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.