Consultor Jurídico

Notícias

Carro do Holocausto

Viradouro não pode levar passista vestido de Hitler para desfile

A Unidos do Viradouro, tradicional escola de samba do Rio de Janeiro, está proibida de levar para a avenida o carro alegórico que faz referência às vítimas do Holocausto. Nenhum passista poderá estar caracterizado de Adolf Hitler. A multa será de R$ 200 mil se a escola insistir em levar o carro e de R$ 50 mil se houver algum passista vestido de Hitler. A Federação Israelita do Rio de Janeiro (Fierj) conseguiu liminar para impedir o desfile do carro.

A juíza Juliana Kalichsztein, do plantão noturno do Fórum do Rio de Janeiro, aceitou o argumento de que “a monstruosidade do Holocausto, definitivamente, não combina com o espírito excessivamente festivo do carnaval, festa mundialmente conhecida pela alegria, humor, descontração e erotismo”, apresentado pelo advogado da entidade, Ricardo Brajterman.

“Um evento de tal magnitude não deve ser utilizado como ferramenta de culto ao ódio, qualquer forma de racismo, além da clara banalização dos eventos bárbaros e injustificados praticados contra as minorias e liderados por figura execrável chamada Adolf Hitler”, diz a juíza na liminar.

A polêmica entre a comunidade israelita e a Viradouro começou em novembro, quando o carnavalesco da escola, Paulo Barros, procurou a Fierj para falar da idéia do carro sobre o Holocausto. O presidente da Federação Israelita, Sérgio Niskier, considerou a idéia “inadequada” e tentou dissuadir a escola de incluir o carro no desfile.

Na noite de quarta-feira (30/1), o caso foi parar na Justiça, depois que a Fierj descobriu que, além do carro mostrando uma pilha de corpos — referência aos judeus mortos nos campos de extermínio na 2ª Guerra Mundial —, um destaque fantasiado de Hitler apareceria no topo do carro.

Revista Consultor Jurídico, 31 de janeiro de 2008, 16h55

Comentários de leitores

99 comentários

Mr. Smith, não é "milage", mas sim milagre... s...

Thiago Pellegrini  (Professor Universitário)

Mr. Smith, não é "milage", mas sim milagre... seu teclado deve estar muito bom...

SUNDA HUFUFU: Não minto (eu nunca minto!) se...

Richard Smith (Consultor)

SUNDA HUFUFU: Não minto (eu nunca minto!) se o desfile da Viradouro era na segunda-feira, quinta-feira É quatro dias antes (ou será que você perdeu essa aulinha na Vila Sésamo?). Depois, "amor que tonifica a obra"? Marx, Engels, Lênin e Stálin também tinham muito amor pelo "homem futuro redimido", pena que tinham de matar o "homem velho" antes! Achei estranho apenas que um judeu como você saísse por aí elogiando um anti-semita feroz e fanático. Claro que o seu viés anti-católico o explica (a velha historinha: "o inimigo do meu inimigo..."). Depois, "infantis adoradores de milagre", bem, bem, se você achar algum (mas milage MESMO, hein? Estou falando de ressurreição de mortos, membros amputados restituídos e coisas do gênero) fora da Igreja Católica me avise, viu? para que eu possa ir lá "adorá-lo", tá? E, mané, como para com o amigo Thiago, falei do seu erro ortográfico, apenas para sacanear a sua soberba e arrogância. Bye, bye.

O problema não é o HITLER, mas, sim as pessoas ...

Murassawa (Advogado Autônomo)

O problema não é o HITLER, mas, sim as pessoas que insiste em utilizar a figura desse criminoso, assim como, o simbolo do nazismo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 08/02/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.