Consultor Jurídico

Notícias

Tele nacional

Telemar compra Brasil Telecom. Falta mudar a lei

A Telemar/Oi comprou a Brasil Telecom por R$ 4,8 bilhões, na segunda-feira (7/1). As negociações para a criação da nova operadora duraram dois meses. A Andrade Gutierrez, do empresário Sérgio Andrade, e a La Fonte, de Carlos Jereissati, serão os seus controladores. O BNDES vai financiar parte do negócio. O colunista da Veja, Lauro Jardim, conta que a GP Investimentos, uma das atuais controladoras da Telemar, sai da empresa. E o Citibank deixa a Brasil Telecom.

A atual norma que regulamenta as telecomunicações não permite a compra. Por isso, está marcada para este mês uma alteração na legislação para que o negócio seja concluído. Segundo o colunista, a ordem para a alteração na lei já foi transmitida pelo Palácio do Planalto que, no último trimestre de 2007, deu o sinal verde para que o negócio fosse tocado.

A idéia é que seja criada uma grande empresa de telefonia de capital nacional para competir com os espanhóis (Telefonica e Vivo) e mexicanos (Claro e Embratel).

Segundo a informação publicada na Veja Online, há duas semanas, os fundos de pensão e o Citibank (controladores da BrT) pediam R$ 16 bilhões pela operadora, o que significa R$ 5,2 bilhões pela participação deles. A oferta da Telemar era de R$ 15 bilhões, ou R$ 4,5 bilhões pela parte dos fundos/Citi. O acordo final acabou saindo por R$ 4,8 bilhões, metade do caminho entre as duas propostas.

Revista Consultor Jurídico, 9 de janeiro de 2008, 20h39

Comentários de leitores

18 comentários

A Telemar tentou, no ano passado, aplicar um go...

Fernando Bornéo (Advogado Autônomo)

A Telemar tentou, no ano passado, aplicar um golpe no mercado mobiliário, denunciado pela Associação Nacional dos Usuários do Sistema Telefônico Fixo Comutado e Móvel Celular - ANUSTEL, por meu intermédio, junto à CVM e ao MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL no Rio de Janeiro. Agora que José Dirceu não está atrapalhando (o Deputado Federal José Dirceu não permitia a consumação dessa maracutaia), a Telemar, que já detém o MONOPÓLIO PRIVADO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO EM 16 ESTADOS DA FEDERAÇÃO, não demorará muito, e com a condescendência de membros dos Poderes da República, conseguirá desdizer todo o fundamento da proposta de privatização do Sistema Telebrás, ou seja, fará retornar o monopólio das telecomunicações, que antes era estatal e agora será privado. Como ninguém aguenda mais a Telemar, que se orgulha de manter-se no primeiro lugar, durante nove anos, em reclamações nos Juizados Especiais, Juízos Cíveis e Procon's dos Estados onde reina soberana, alguma coisa precisa ser feita não somente para evitar a consumação da concentração de poder da mesma no ramo das telecomunicações, mas acabar com o monopólio que detém em 16 Estados. Em 2006 ingressei com ação civil pública contra o órgão PREPOSTO das concessionárias, a ANATEL, e contra o CADE, distribuída para o Juízo Federal da 10ª Vara do Rio de Janeiro (Proc. n° 2006.51.01000124-4), paralisada "na marra" pelo Juiz Federal Alberto Nogueira Junior, objetivando acabar com o monopólio privado da Telemar nos 16 Estados do país. Fernando Luiz Bornéo Ribeiro OB/RJ. 31.235

À luz do que está sendo divulgado nessa matéria...

PEREIRA (Contabilista)

À luz do que está sendo divulgado nessa matéria, veja como se monta uma operação tendo como origem o palácio do planalto para beneficiar grandes epresários. O palácio do planalto é quem dá o sinal verde para esse tipo de operação. Se não for do interesse do governo não sai. Ora, alterar uma lei requer todo um processo legislativo e demanda muito tempo. Nesse caso não. A ordem é do palácio do planalto, desconfigurando até a Lei Geral de Telecomunicações que rege as regras concorrencial do mercado de telecumunicações. Mas o que tem a ver o palácio do planalto com essa operação relâmpago? Entendendo bem a natureza dessa operação é de se notar que tem boi na linha, só não entende quem na quer.

No doce paraiso da politicagem brasileira ,tudo...

Agenor (Vendedor)

No doce paraiso da politicagem brasileira ,tudo é possível.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.