Consultor Jurídico

Notícias

Novas famílias

Justiça gaúcha reconhece união de 25 anos entre duas mulheres

Por 

O casamento civil deve ser considerado direito humano, não privilégio heterossexual. O entendimento é do juiz Roberto Arriada Lorea, da 2ª Vara de Família e Sucessões de Porto Alegre (RS), que reconheceu como união estável a convivência de 25 anos entre duas mulheres. Com a decisão, uma das mulheres, hoje com 63 anos, terá direito sobre o patrimônio da companheira que já morreu. Cabe recurso da decisão.

O juiz destacou que o ordenamento jurídico brasileiro veda qualquer forma de discriminação e o casamento é um direito de todos, independentemente de orientação sexual. Roberto Arriada Lorea citou diversos julgados, inclusive da Suprema Corte dos Estados Unidos, que em 2003 entendeu que a possibilidade de ter filhos não é condição para o casamento. E traçou um paralelo do caso com o Direito no Brasil: “A concepção de família condicionada à geração de prole não está respaldada pelo ordenamento jurídico brasileiro”.

A ação foi ajuizada visando o reconhecimento da união estável desde 1980 até a morte da companheira, em 2005. Elas se conheceram no prédio em que moravam. De acordo com o processo, os vizinhos sabiam do relacionamento, bem como os familiares e colegas de trabalho de ambas.

O juiz Roberto Arriada Lorea, ao analisar o pedido, ressaltou que a segregação de homossexuais, restringindo-lhes direitos em razão de sua orientação sexual, é incompatível com o princípio da dignidade humana, expresso no artigo 1º da Constituição Federal. “Conviver com essa desigualdade é aceitar o apartheid sexual”, destacou.

Vanguarda gaúcha

O juiz ressaltou que a definição legal da família brasileira contempla os casais formados por pessoas do mesmo sexo. E destacou, ainda, a edição da Instrução Normativa 25/2000, do INSS, que assegura benefícios previdenciários ao companheiro, independentemente da orientação sexual do casal.

De acordo com o juiz, ficou comprovada a existência da relação pública entre as duas mulheres, de forma duradoura e contínua. “Além das testemunhas, há farta prova documental sobre o relacionamento estável.” A união foi formalizada por meio de documento, em 1981, assinado por testemunhas. As duas anexaram aos autos, inclusive, álbum de família.

Ainda de acordo com o juiz, embora a “certidão de casamento” não tenha sido registrada, “nem por isso deixa de traduzir inequívoca manifestação de vontade das partes”. O próprio Ministério Público o qualificou como “prova irrefutável de que houve o efetivo consórcio entre a autora e a falecida”.

União estável

Pedidos de reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo não param de chegar à Justiça. Caso recente aconteceu em Minas Gerais. Em outubro passado, o juiz Luiz Artur Rocha Hilário, da 27ª Vara Cível de Belo Horizonte, reconheceu união entre duas mulheres com base no princípio da igualdade.

“Como o princípio da igualdade significa conceder tratamento isonômico aos cidadãos, é plausível o reconhecimento de união estável entre duas mulheres” entendeu o juiz. De acordo com o processo, as duas mulheres viveram juntas por 15 anos, desde 1988, até a morte de uma delas, em maio de 2003.

Outra decisão recente foi do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, que determinou a inclusão de um companheiro homossexual como dependente em plano de saúde. A 6ª Turma do TRF-1 decidiu, por unanimidade, que a Fundação de Seguridade Social (Geap) deve incluir o companheiro do titular no plano de saúde.

A discussão já chegou às portas do Supremo Tribunal Federal. Ao julgar uma Ação Direta de Inconstitucionalidade há dois anos, o ministro Celso de Mello afirmou que a união homossexual deve ser reconhecida como uma entidade familiar e não apenas como “sociedade de fato”. A manifestação foi pioneira no âmbito do Supremo e indicou que a discussão sobre o tema deve ser deslocada do campo do Direito das Obrigações para o campo do Direito de Família.

A opinião do ministro foi explicitada no exame de uma ação proposta pela Associação Parada do Orgulho Gay, que contestou a definição legal de união estável: “entre o homem e a mulher, configurada na convivência pública, contínua e duradoura e estabelecida com o objetivo de constituição de família” (artigo 1.723 do Código Civil).

Celso de Mello extinguiu o processo por razões de ordem técnica, mas teceu considerações sobre o que afirmou ser uma “relevantíssima questão constitucional”. O ministro entendeu que o STF deve discutir e julgar, em novo processo, o reconhecimento da legitimidade constitucional das uniões homossexuais e de sua qualificação como “entidade familiar”. Ele chegou até mesmo a indicar o instrumento correto para que a questão volte ao Supremo: a ADPF, Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 8 de janeiro de 2008, 14h13

Comentários de leitores

11 comentários

Já não era sem tempo. Finalmente a Justiça come...

Thiago Pellegrini  (Professor Universitário)

Já não era sem tempo. Finalmente a Justiça começa a procurar enxergar o mundo real, não só o dever-ser.

corrijo:se apegue no lado SANTIFICADO da Bíbli...

Neli (Procurador do Município)

corrijo:se apegue no lado SANTIFICADO da Bíblia e não a esses ...

Lucas:boa noite! Savigny disse: não existe dir...

Neli (Procurador do Município)

Lucas:boa noite! Savigny disse: não existe direito natural! E,não existe pq se a lei não for positivada o Estado(a sociedade organizada),se transformará numa barbárie. Anjos descerem do Céu? Será que não seriam um OVNI? Disco voador ? OU um ET? Não creio que Deus/Anjos estejam encastelado no Céu ou outro local qualquer:Eles estão juntos de nós,aqui na Terra,fazendo o bem,ajudando os Seres Humanos a se amarem mais e serem amados. Eles,Anjos,Santos(Não o Santos Futebol Clube:esse é divinamente Santástico),estão na Terra fazendo Milagres diuturnamente...dá para sentir! O que Eles (e nem Deus) ainda conseguiram é acabar com a maldade Humana...será difícil,mas,Deus faz milagres e conseguirá ainda neste milênio. Ame seu semelhante e não se apegue na parte ultrapassada da Bíblia para atirar pedradas em que não conhece. A Bíblia tem partes ótimas,mas não se esqueça que lá há o incentivo à pena de morte,ao incesto,ao pai(para provar o seu amor a um deus rancoroso) matar um filho,ao preconceito(contra os leprosos) etc...se apegue ao Lado Santificado da Bília e não a esses...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 16/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.