Consultor Jurídico

Advocacia em 2008

Confira as áreas que renderão trabalho aos advogados em 2008

Por  e 

“Nenhum floco de neve numa avalanche se sente responsável pela mesma.”

Stanislaw Lec

Crise na advocacia? Que crise? Nunca subestime, por exemplo, o governo brasileiro. Já não é de hoje que alguns tributaristas andam tristonhos, a lembrar da década de ouro dos anos noventa, lá daquele século que passou. Agora, com a CPMF derrubada, a fome do governo irá aumentar na mesma proporção do recurso perdido. São novas e grandes oportunidades que irão aparecer para chacoalhar o mercado jurídico. Paciência e posicionamento estratégico são, portanto, fundamentais para o futuro das bancas genuinamente preocupadas com a sustentabilidade de suas operações. A questão previdenciária é outra área, juntamente com a ambiental, que modificará o teatro de ferro do mundo jurídico para sempre. E você, como está se posicionando frente a um cenário tão dinâmico?

O advogado que emerge de um país em real construção deve assumir o papel de agente transformador. Como assim agente transformador? O novo advogado deve ser um conselheiro nas empresas onde atua, influindo, por exemplo, na cadeia produtiva de uma organização com um manual de perguntas e respostas sobre um tema como exportação e ajustando seus produtos às leis. É o advogado proativo, de atuação preventiva, e não simplesmente reativo e orientado a litígios.

É o futuro. O cliente deseja isso, espera por isso e irá ao mercado buscar, caso não tenha esse tipo de resposta de seu advogado atual. É o princípio da concorrência. Se você não tiver um diferencial extremo, terá que competir pelo preço e sabemos muito bem que essa está longe de ser uma boa estratégia de continuidade para o seu negócio. Enfim, o advogado deve influir na política dos sindicatos, aconselhar seus clientes, estar presente nas grandes questões e, dentre inúmeras outras possibilidades, sempre procurar tangibilizar seu ponto de vista perante seus clientes.

O advogado, mais do que nunca, tornou-se um consultor estratégico. As empresas e sindicatos, e mais especificamente seus advogados internos, esperam que seus advogados externos atuem como executivos, sempre dispostos a auxiliá-los na árdua tarefa de terem uma atuação melhor e mais segura no mercado. Treinamentos, pareceres mais curtos, trabalho por projetos, dentre outros, serão temas constantes nessa grande virada da profissão.

Sete áreas de grande importância para 2008

— Tributária: Opiniões divergentes são excelentes matrizes para o serviço jurídico. A área, que antes era predominantemente contenciosa, torna-se consultiva, e, agora, irá retornar com força total para lidar com litígios junto ao fisco.

— Ambiental: As empresas e governos estão progressivamente mais preocupados com a questão ambiental. Todos, e já há algum tempo, estão procurando desenvolver uma atuação proativa perante essa importante questão. Isso significa que quem atua na advocacia empresarial deverá expandir seus serviços para a área ambiental, sob pena de perder clientes. Logo, procure sempre manter-se à frente do seu tempo. Afinal, as empresas já estão a operar com gestão ambiental e se o seu escritório não estiver preparado, outros certamente estarão. É, sem dúvida, uma excelente oportunidade para boutiques especializadas.

— Relações de consumo: Há um crescente endurecimento na relação entre empresas e consumidores. Esse fator já aconteceu em outros países, mas finalmente terá uma intensidade progressivamente maior em nosso país. É uma nova forma de pensar do consumidor, que provocará mudanças inevitáveis na administração do contencioso das empresas e criará grandes oportunidades para consultorias preventivas. Gera negócios e demandas tanto para a advocacia empresarial como a de pessoa física.

— Gestão de crédito: A oferta de crédito ao consumidor nunca foi tão alta e diversificada, vide a grande concorrência entre bancos e financeiras. O resultado é que o brasileiro médio está se endividando a longo prazo, e, as empresas, por sua vez, estão acompanhando o ritmo. Acredite, escritórios que atuam na recuperação de crédito ou do lado do consumidor terão muito trabalho pela frente.

— Previdenciária: Em países europeus, o problema previdenciário é crucial e afeta a vida de milhões de pessoas. Nosso jovem país encontra-se em um momento de grande virada na pirâmide etária, o que irá impulsionar os mais variados negócios na área da previdência complementar e privada. Os fundos de pensão já ultrapassam mais de 500 fundos e ninguém sabe onde surgirão os litígios de amanhã. E você, faz alguma idéia?

— Infra-estrutura e recursos naturais: O Brasil, nos próximos anos será um grande canteiro de obras, provocando negócios em licitações, meio ambiente, construção e assim por diante. A construção das Usinas do Rio Madeira, em Rondônia, é um belo exemplo de como tudo pode mudar em questão de anos ou até mesmo meses. São esperados investimentos milionários na região, que afetarão não só empresas e pessoas, mas a própria maneira de se exercer a advocacia. E os escritórios de Porto Velho, estão preparados (ou se preparando) para essa nova realidade? Ou eles se reinventam ou serão atropelados pela concorrência que, certamente, já está se posicionando.

— Direito internacional: Empresas brasileiras como a Gerdau, Petrobrás, Vale e Friboi são empresas de classe mundial, o que afeta todas as demais organizações que compõem a cadeia produtiva de cada um desses conglomerados. O direito coorporativo internacional está em plena ascensão e, por uma questão de lógica, os advogados externos, devem, obrigatoriamente, acompanhar a evolução globalizada de seus clientes.

A era do conhecimento já é uma realidade, há muito. Prova disso é a incrível pressão dos clientes, que tem levado as bancas a especializarem-se ainda mais. O cliente está com o bastão do poder na mão, está muito bem informado e fazendo um uso cada vez mais estratégico da tecnologia da informação na condução de seu negócio, principalmente dos aspectos jurídicos. E isso é ótimo! Os escritórios mais ativos, atentos às mudanças do mercado, que sabem estabelecer as conexões entre curto, médio e longo prazo, irão vencer a grande escalada em busca da diferenciação dos serviços jurídicos.

Enfim, ignore a “crise”, ajuste o foco e preste atenção nas inúmeras oportunidades que o mercado nos oferece dia e noite. A concorrência certamente está com o foco ajustado. E você?




Topo da página

 é sócio da Selem, Bertozzi & Consultores Associados, MBA em marketing e administrador especializado em escritórios de advocacia. Autor dos livros Marketing Jurídico Essencial, A Reinvenção da Advocacia, entre outros.

 é sócio da Gonçalves & Gonçalves Marketing Jurídico e especialista em marketing para advogados e escritórios de advocacia. Pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, é autor do blog marketingLEGAL e do pioneiro estudo “O Estado do Marketing Jurídico na América Latina”.

Revista Consultor Jurídico, 6 de janeiro de 2008, 0h01

Comentários de leitores

1 comentário

Parabéns pela perfeita análise. Acredito que o ...

Roberto (Advogado Autônomo - Empresarial)

Parabéns pela perfeita análise. Acredito que o profundo conhecimento sobre a Lei de Arbitragem deva ser observado ainda, eis que se trata de uma importante área de atuação para os advogados que, em sua grande maioria, desconhecem seu funcionamento.

Comentários encerrados em 14/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.