Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Toma lá, dá cá

Plano que recusa cobertura médica deve indenizar paciente

Paciente tem direito de receber indenização por danos morais quando plano de saúde recusa cobertura médica. O entendimento é da 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça. A Turma condenou a Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (Cassi) a indenizar uma paciente em R$ 20 mil.

Em 2003, uma segurada teve problemas cardíacos e os médicos recomendaram uma cirurgia de urgência para implante de duas próteses chamadas de Stent Cypher, apontadas como as mais adequadas para o tratamento. A Cassi não autorizou a realização do procedimento médico. Alegou que tais próteses não teriam, ainda, efetividade comprovada. Foi aprovado o implante do modelo mais antigo, conhecido como Stent convencional.

A paciente argumentou que a restrição imposta pelo plano de saúde não se justifica porque a própria Anvisa já tinha concedido o registro e autorizado a utilização do implante. A Cassi manteve a recusa. A segurada teve de arcar com os custos da operação, que à época foi de R$ 23.846,40. O dinheiro foi sacado de uma aplicação financeira.

Um ano depois da cirurgia, a mulher foi submetida a nova intervenção para implantação de mais uma prótese Stent Cypher e, desta vez, o plano autorizou a cobertura do procedimento sem apresentar restrições.

A segurada entrou com ação judicial para reaver o gasto com a primeira cirurgia. A primeira instância negou o pedido por entender que o contrato de seguro não previa a cobertura para o tratamento recomendado pelos médicos. O Tribunal de Justiça do Distrito Federal reformou parte da sentença para reconhecer a necessidade de reparação dos danos materiais quanto à devolução do custo da operação e afastou o pedido de ressarcimento dos alegados lucros cessantes por causa da retirada do dinheiro de aplicação financeira.

A paciente recorreu ao STJ. Argumentou que tinha direito a indenização por danos morais e que a Cassi deveria ser condenada a reparar, também, os lucros cessantes e a arcar com o valor dos honorários devidos.

A relatora, ministra Nancy Andrighi, afirmou que o plano de saúde é obrigado a suportar os custos dos tratamentos que decorrem da patologia que se encarregou de cobrir. Para a ministra, o dano moral ocorre exatamente da indevida recusa em fornecer o serviço de seguro esperado pelo consumidor em momento de extrema angústia e aflição psicológica. A relatora concluiu que ficou demonstrada a injusta recusa da Cassi, ressaltando que não há necessidade de se demonstrar a existência do dano moral, porque ele decorre dos próprios fatos que deram origem à ação.

A Turma conheceu parte do Recurso Especial da segurada e condenou a Cassi ao pagamento do valor de R$ 20 mil a título de compensação pelos danos morais sofridos, com incidência de correção monetária a partir da data do julgamento e juros de mora desde a data da recusa do plano de saúde em cobrir o tratamento médico.

REsp 993.876

Leia a decisão:

RECURSO ESPECIAL Nº 993.876 - DF (2007⁄0234308-6)

RECORRENTE: PEDRO PAULO DE SOUZA RAEDER

ADVOGADO: RODOLFO FREITAS RODRIGUES ALVES E OUTRO(S)

RECORRIDO: CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL - CASSI

ADVOGADO: ISRAEL PINHEIRO TORRES E OUTRO(S)

RELATÓRIO

A EXMA. SRA. MINISTRA NANCY ANDRIGHI (Relator):

Recurso especial interposto por PEDRO PAULO DE SOUZA RAEDER, com fundamento nas alíneas 'a' e 'c' do permissivo constitucional.

Ação: de indenização por danos materiais e compensação por danos morais, proposta pelo ora recorrente em desfavor de CAIXA DE ASSISTÊNCIA DOS FUNCIONÁRIOS DO BANCO DO BRASIL – CASSI.

Segundo consta da inicial, o autor e sua esposa são associados do plano de saúde oferecido pela ré. Em 2.003, sua esposa teve problemas cardíacos e os médicos recomendaram uma operação de urgência para implante de duas próteses chamadas 'Stent Cypher', apontadas pelos especialistas como as mais adequadas para aquele quadro clínico.

O autor, porém, foi surpreendido pela negativa de autorização da CASSI para o procedimento, sob alegação de que tais próteses não teriam, ainda, sua relação 'custo-efetividade' devidamente comprovada, sendo autorizado, porém, o implante do modelo mais antigo, conhecido como 'Stent' convencional.

Ainda nos termos da inicial, tal restrição não se justificaria, porque a própria ANVISA já concedeu registro e autorizou a utilização do implante vedado pelo plano.

O autor, então, não teve outra opção a não ser pagar, por conta própria, os custos da operação, que atingiram, à época, o total de R$ 23.846,40. Esse dinheiro foi retirado de uma aplicação financeira, o que acarretou, também, a perda dos rendimentos esperados.

Houve, por fim, inegável dano moral, especialmente porque a conduta da ré acabou por alimentar no autor dúvidas até então inexistentes quanto à real competência da equipe médica que cuidava de sua esposa, em face do estranhamento que causou o conflito de informações sobre a eficácia do procedimento entre os especialistas e a seguradora.

Revista Consultor Jurídico, 4 de janeiro de 2008, 12h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 12/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.