Consultor Jurídico

Fiscalização sob suspeita

Marco Aurélio diz que substituto de CPMF é inconstitucional

O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, classificou como inconstitucional a medida da Receita Federal criada para fiscalizar as operações financeiras depois do fim da CMPF. “O Supremo, se convocado a se pronunciar, restabelecerá a supremacia da Constituição. Não tenho a menor dúvida”, afirmou o ministro. “Conheço o Supremo como ninguém”, ressaltou em entrevista a O Estado de S.Paulo na segunda-feira (31/12).

Com o fim da CPMF, a Receita baixou uma instrução normativa para compensar a perda desse instrumento de fiscalização. Publicada na quinta-feira (27/12) no Diário Oficial da União, a norma obriga instituições financeiras a repassarem semestralmente ao órgão informações sobre as operações de pessoas físicas que ultrapassem, no período de seis meses, R$ 5 mil e, no caso de pessoas jurídicas, R$ 10 mil. O argumento é que com a medida o governo terá um instrumento para identificar indícios de sonegação e evasão fiscal.

As declarações do ministro do Supremo foram acompanhadas de críticas ao governo. Segundo ele, os responsáveis da Receita deveriam fazer consultas aos assessores jurídicos antes de tomarem medidas como essa, para evitar desgastes entre o Executivo e o Judiciário.

Marco Aurélio disse que há decisões anteriores do STF que formam jurisprudência, reforçando a garantia do sigilo bancário. “Vejo (a decisão do governo) como menosprezo aos pronunciamentos do Supremo e isso não é bom para o aprimoramento democrático.” A Constituição, ressaltou ele, só permite a quebra de sigilo bancário autorizado pela Justiça, para efeito de investigação criminal, depois de apresentados fundamentos para isso. “Esse automatismo transforma a exceção em regra. É jogar todos na vala comum, como se todos fossem sonegadores”, criticou. “No afã de arrecadar, não podemos agir a ferro e fogo.”

A norma da Receita entra em vigor neste primeiro de janeiro e atinge cada modalidade de operação financeira e não apenas as que eram alcançadas pela CPMF, ou seja, lançamento de débitos, como saques e pagamentos. As instituições financeiras terão de informar também sobre operações de aquisição e venda de títulos e ações em bolsas de valores, no mercado futuro, no mercado de opções, compra de moeda estrangeira e ouro e remessa de moeda estrangeira ao exterior.

Caso o limite seja ultrapassado por uma única operação, o banco está obrigado a remeter as informações à Receita Federal sobre as demais transações, mesmo que os valores estejam abaixo do limite. A partir das informações, em caso de indício de irregularidades, a Receita fica autorizada a requisitar as informações de que precisar para apuração de suspeita de sonegação.

Quando a CPMF estava em vigor, as instituições eram obrigadas a encaminhar informes trimestrais à Receita. Neles, informavam a movimentação financeira dos clientes, com base nos valores registrados com a cobrança do imposto.

DEM indeciso

O DEM, partido de oposição que primeiro levantou a bandeira contra a CPMF no Congresso, afastou inicialmente a idéia de tomar a iniciativa de entrar com ação no STF contra a norma do governo.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 1 de janeiro de 2008, 13h38

Comentários de leitores

6 comentários

Inicialmente a Constituição Brasileira deveria ...

gilberto prado (Consultor)

Inicialmente a Constituição Brasileira deveria ser distribuida nos banheiros de estrada vicinal, certamente teria melhor utilidade.A maior corrupção esta dentro da esfera do governo e de seus orgãos, a podridão começa no poder legislativo, passa pelo executivo e atinge o judiciário. Portanto, que saudade que tenho do período da Ditadura,era feliz e não sabia!!

E daí, seu Marco Aurélio? O molusco tá se lixan...

Zerlottini (Outros)

E daí, seu Marco Aurélio? O molusco tá se lixando pro senhor... Ele perdeu 0,38% da CPMF e já aumentou 0,38% no IOF, entre outros impostos. Aliás, só não sabia disso quem não vive o dia-a-dia do país! Essa corja de sacripantas que governa este país está se lixando para o povo, para a Constituição e outros. Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG.

Se a questão é fiscalização 0,000001 é o sufici...

ERocha (Publicitário)

Se a questão é fiscalização 0,000001 é o suficiente não acha?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/01/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.