Consultor Jurídico

Notícias

Lista da advocacia

Ministros rejeitam nomes que a OAB indicou para o STJ

Por 

Os ministros do Superior Tribunal de Justiça não quiseram escolher nenhum dos nomes indicados pela Ordem dos Advogados do Brasil para integrar a Corte. Estava marcada para esta desta terça-feira a votação da lista sêxtupla, de onde sairiam os três candidatos que seriam levados ao Planalto para a escolha do novo ministro. Nas três votações o candidato mais votado, Flávio Cheim Jorge, do Espírito Santo, recebeu apenas nove indicações no segundo escrutínio. Para ser indicado o candidato precisa ter pelo menos 17 votos.

Na última tentativa de votação, 19 ministros votaram em branco e nenhum dos candidatos alcançou o número mínimo de votos. Na primeira votação, 13 ministros votaram em branco. No segundo escrutínio, foram 15. É a primeira vez em sua história que o STJ rejeita uma lista apresentada pela OAB.

Fazem parte da lista: Flávio Cheim Jorge, do Espírito Santo (sete votos no último escrutínio); Cezar Roberto Bitencourt, do Rio Grande do Sul (cinco votos); Marcelo Lavocat Galvão, do Distrito Federal (quatro votos); Bruno Espiñeira Lemos, da Bahia (quatro votos); Roberto Gonçalves de Freitas Filho, do Piauí(três votos); e Orlando Maluf Haddad, de São Paulo, que teve só dois votos.

Os ministros tinham duas formas para não escolher nenhum dos nomes. A primeira seria devolver a lista de pronto, o que foi cogitado logo que a lista chegou ao tribunal. Mas considerou-se que a opção seria traumática demais. A segunda maneira seria não votar nos candidatos, para que nenhum chegasse aos 17 votos necessários. Esta foi a alternativa escolhida. Um ministro afirmou que os votos em branco não indicam inidoneidade dos candidatos, mas apenas que os ministros acreditam que eles não têm o perfil para ocupar uma vaga no STJ. A OAB poderá recorrer ao próprio STJ e, denegado o pedido, ao Supremo Tribunal Federal.

Na opinião do ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal, Carlos Velloso, "um ou dois nomes da lista são bons, mas o STJ é soberano" e fez-se a vontade da maioria. “Espera-se agora que a OAB sensatamente elabore outra lista para que a vaga seja preenchida”. Velloso também foi ministro no STJ. Ao menos dois nomes da lista são conhecidos no meio jurídico. O advogado Marcelo Lavocat Galvão, mestre pela Universidade de São Paulo e filho do ministro aposentado do STF Ilmar Galvão; e Cezar Roberto Bitencourt, reconhecido autor na área criminal (autor do Tratado de Direito Penal publicado pela Saraiva, já na 11ª edição) e doutor em Direito Penal pela Universidade de Sevilha.

A votação

Cada ministro vota em três nomes diferentes. Para figurar na lista, o candidato deve somar 17 votos (a maioria absoluta das 33 cadeiras de ministro do Tribunal). Os nomes que chegarem a essa soma serão colocados em ordem decrescente na lista tríplice que é encaminhada ao presidente da República que dela tira o nome do futuro ministro. Antes de ser nomeado, o escolhido passa ainda pela aprovação do Senado, logo após Sabatina feita pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania.

O Pleno se reuniu para escolher o substituto de Pádua Ribeiro. A vaga destina-se a advogado indicado pela Ordem dos Advogados do Brasil. A entidade encaminhou, em dezembro passado, ao presidente do STJ, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, a lista com os seis nomes dos concorrentes, aprovados pelo Conselho Federal da OAB.

A posse do novo ministro ocorre no prazo de 30 dias a partir da publicação da nomeação, mas a data pode ser prorrogada pela Corte Especial do STJ.

O STJ é formado por um terço de magistrados oriundos dos tribunais regionais federais, um terço de desembargadores oriundos dos tribunais de Justiça e um terço, em partes iguais, alternadamente, de advogados e de membros do Ministério Público Federal, estadual e do Distrito Federal.

 é correspondente da Revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 12 de fevereiro de 2008, 20h04

Comentários de leitores

56 comentários

Isso é que é acreditar em TEORIAS CONSPIRATÓRIA...

Fantasma (Outros)

Isso é que é acreditar em TEORIAS CONSPIRATÓRIAS. Sou juiz federal e nunca soube de nada disso. OREIA SECA Um amigo meu acabou de identificar o que está acontecendo. A mentalidade que impera no STJ é a da AJUFE, a qual, como todos sabem, atua muito mais como partido político do que como uma Associação de pessoas para a consecução de fins econômicos que superam a capacidade individual de seus associados. O projeto da AJUFE é tomar o controle do Poder Judiciário. Por isso já estão fazendo forte pressão para poderem indicar ao Presidente da República os candidatos a vaga no STF. Tudo faz parte de uma estratégia para controlar o Judiciário e subordinar as Justiças estaduais pela via da jurisdição. Se isso se revelar verdadeiro, estamos diante de uma tentativa de golpe de estado branco.

Responder

Ministro SUNDA, Fantástico, você é simplesment...

ruialex (Advogado Autônomo - Administrativa)

Ministro SUNDA, Fantástico, você é simplesmente fantástico. Deveria mesmo estar no STJ para mudar esse "espírito de coisas" daquela coisa que se auto-intitula "tribunal da cidadania"...Acredite que quiser. Vejam as 12 razões para votar no Ministro SUNDA, pois esse é o cara. Forte abraço, Ministro SUNDA,

Responder

Um amigo meu acabou de identificar o que está a...

João Bosco Ferrara (Outros)

Um amigo meu acabou de identificar o que está acontecendo. A mentalidade que impera no STJ é a da AJUFE, a qual, como todos sabem, atua muito mais como partido político do que como uma Associação de pessoas para a consecução de fins econômicos que superam a capacidade individual de seus associados. O projeto da AJUFE é tomar o controle do Poder Judiciário. Por isso já estão fazendo forte pressão para poderem indicar ao Presidente da República os candidatos a vaga no STF. Tudo faz parte de uma estratégia para controlar o Judiciário e subordinar as Justiças estaduais pela via da jurisdição. Se isso se revelar verdadeiro, estamos diante de uma tentativa de golpe de estado branco.

Responder

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/02/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.