Consultor Jurídico

Comentários de leitores

5 comentários

Como todo cidadão, não posso dizer que sou tota...

Sargento Brasil (Policial Militar)

Como todo cidadão, não posso dizer que sou totalmente apolítico, porém, da maneira como está, falta muito pouco para que eu seja completamente. Na minha concepção, não me permito dar meu voto ao ''menos ruim'' ou a um candidato que tenha uma vasta ''ficha'' respondendo processos por diversas infrações às leis, seja no âmbito público ou pessoal, mesmo que ainda não tenha sido transitado em julgado, pois, assim agindo, estaria colaborando pela decadência moral em meu país. Não concordo que numa democracia plena em que vivemos, exista a imposição do voto obrigatório. Da mesma forma não concordo que um representante popular, eleito pelo povo, seja preso por crime de lesa-pátria e após é solto sendo-lhe permitido nova candidatura por não ter sido julgado. Não concordo também, com as votações à portas fechadas e o voto anônimo dos políticos. (parfa depois dizerem: juro que não fui eu). Vejamos se neste ano de 2009 teremos enfim a responsabilidade de uma reforma política, propiciando a transparência suficiente para que a população tome conhecimento dos atos daqueles a quem conferiu a confiança dos destinos do seu município, seu estado e sua nação. FELIZ ANO NOVO À TODOS DO CONJUR E COMENTARISTAS.

EM PERUIBE/SP, GILSON BARGIERI TEVE SUAS CONTAS...

de (Outros)

EM PERUIBE/SP, GILSON BARGIERI TEVE SUAS CONTAS DE 4 ANOS REPROVADAS E EM 30/09 NO TSE SUA CANDIDATURA IMPUGNADA, RENUNCIOU DIA 03/10 E NOMEOU COM A CONCORDÂNCIA DOS PARTIDOS DA COLIGAÇÃO, SUA FILHA QUE DISCARADAMENTE FOI AS URNAS COM O ROSTO DO PAI, E AFIRMOU EM SIAS ENTREVISTAS QUE SEGUIRA OS PASSOS DO MESMO, O QUE REPRESENTA MAIS 4 ANOS DE CONTAS REPROVADAS, ALÉM DISSO ELE FALOU EM PALANQUE QUE DESPACHARÁ DO PRONTO SOCORRO!! DERAM A VOLTA NA DECISÃO DE NOSSOS MINISTROS DO TSE! SOU DE UM PARTIDO POLITICO QUE NÃO COMPACTUA COM MARACUTAIAS E ESTAMOS PEDINDO A CASSAÇÃO DOS VEREADORES QUE COM FINS POLITICOS E ELEITOREIROS COMETERAM ASSIM COMO DISSE O TSE UMA FRAUDE ELEITORAL APROVANDO AS CONRTAS EM UMA SEGUNDA VOTAÇÃO DAS CONTAS, E DA SRA. MILENA, PREFEITA ELEITA, POIS AS ATAS DAS REUNIÕES QUE A NOMEARAM ESTÃO SEM DATA DE PROTOCOLO DENTRO DO PRAZO PARA TANTO, A JUIZA ENVIOU O FACSIMILE AS AUTORIDADES NO PRAZO, MAS A JUNTADA DOS DOCUMENTOS ESTA SEM DATA, E A MAIS PROXIMA É DE 14/10, PORTANTO DIAS APÓS AS ELEIÇÕES E TRATA-SE DE AUTENTICAÇÃO, O QUE NÃO PROVA QUE FORA TUDO FEITO NOS PRAZOS EXIGIDOS POR LEI. CHEGA DE MARACUTAIA! OLHEM POR ESTA CIDADE QUE ESTÁ A 170 KM DA MAIOR CAPITAL, ACOMPANHEM O PROCESSO!! AS LEIS NÃO PRECISAM AUMENTAR, 1º TEMOS QUE FAZER VALER!! ANDREA CALLADO

Complementando, no caso dos prefeitos itinerant...

Glacidelson (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Complementando, no caso dos prefeitos itinerantes é necessário (nos dois sentidos, legal e moral) esperar a modificação do Código Eleitoral para evitar esta farra.

Três questões precisam ser colocadas. A primeir...

Glacidelson (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

Três questões precisam ser colocadas. A primeira é que a tese de que o segundo colocado (Sen. José Maranhão, no caso da Paraíba) não pode tomar posse por ter se passado mais de dois anos de mandato e que deve haver eleições indiretas nunca prevaleceu no TSE e, apesar dessa ser a provável tese do PSDB e do Gov. Cássio Cunha Lima, também acho que não deve prevalecer de novo. Quanto a aguardar o julgamento dos embargos de declaração, sinceramente não consigo entender. É notório que embargos de declaração não possuem, em regra, efeitos infringentes. Os Ministros do TSE, no julgamento dos embargos, pretendem modificar o mérito dos seus votos? Claro que não. Então não consigo entender o fundamento jurídico de se esperar pelo julgamento dos mesmos. A tese do prejuízo ao governante não se sustenta, pois o mesmo já foi condenado à perda do mandato, não tendo direito ao mesmo. O prejuízo é maior ao segundo colocado, que deve tomar posse no caso de abuso do poder econômico e político. Por último, a chamada questão dos chamados prefeitos itinerantes. Entendo que a posição do TSE, embora legítima, não é legal, pois cada município é uma circunscrição diferente no caso de eleição municipal. Veja-se o caso da verticalização, cada diretório ou órgão de representação de cada partido decide como quer, sujeito, é claro, às diretrizes dos diretórios estadual e nacional. Acho que esse entendimento não vai prevalecer no STF.

Precisamos revisar o Código Eleitoral, e separa...

analucia (Bacharel - Família)

Precisamos revisar o Código Eleitoral, e separar a atividade administrativa da judicial. CAso contrário continuará a ser uma ditadura judicial, a qual legisla, fiscaliza, executa e julga, sendo um processo inquisitorial.

Comentar

Comentários encerrados em 7/01/2009.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.