Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prisão e arte

Mulher que pichou paredes da Bienal é colocada em liberdade

A Justiça paulista concedeu liberdade provisória a Caroline Pivetta da Mota, de 24 anos. A decisão foi tomada nesta quinta-feira (18/12) pela 14ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça. Ela foi presa em outubro passado após ter pichado as paredes de um salão da 28ª Bienal de Artes de São Paulo. A turma julgadora, por maioria de votos, reconsiderou a liminar em pedido de Habeas Corpus.

A mulher está presa na Penitenciária Feminina, na Zona Norte da Capital paulista. O recurso para libertá-la havia sido negado na quarta-feira (17/12) pelo relator Fernando Matallo. A reconsideração foi apoiada pelos desembargadores Fernando Torres Garcia e Hermann Herschander. A prisão dividiu opiniões. A garota participou com outras 40 pessoas da pichação em um andar vazio do prédio da Bienal que fazia parte da mostra.

Em novembro, a juíza Márcia Tessitore, da 4ª Vara Criminal da Capital, recebeu a denúncia apresentada pelo Ministério Público contra Caroline e Rafael Vieira Camargo Martins por danos a bem publico. A magistrada entendeu que havia indícios de materialidade e autoria e indeferiu os pedidos de relaxamento da prisão em flagrante e de liberdade provisória apresentada pela defesa da garota.

“O flagrante encontra-se formalmente em ordem, não havendo fundamento para seu relaxamento. No que tange à liberdade provisória, prematura, por ora sua concessão. A ré não comprovou estar vinculada ao distrito da culpa de modo que não se tem certeza de que, solta, não impedirá a aplicação da lei penal. Ademais, não vieram para os autos sua folha de antecedentes, e a instrução sequer se iniciou, de modo que, por cautela e para assegurar a instrução processual, o pedido fica indeferido”, afirmou a magistrada.

Em novo pedido apresentado pela defesa, a juíza manteve a decisão anterior. Disse que não existia prova de antecedentes criminais e que os documentos apresentados pelos advogados não serviam para comprovar residência fixa e que o nome da acusada aparecia em boletins de ocorrência pela prática do mesmo delito no período de junho a agosto.

A defesa entrou com Habeas Corpus com pedido de liminar no Tribunal de Justiça. O relator do caso, Fernando Matallo negou com o argumento de que a medida liminar só é cabível quando o constrangimento ilegal é manifesto e detectado de imediato através do exame da denúncia e dos documentos de instrução.

Para o relator, o relaxamento da prisão cautelar exigiria análise criteriosa do caso e deixou por conta da turma julgadora a solução do pedido. Os dois outros desembargadores votaram pela concessão da liberdade provisória.

Revista Consultor Jurídico, 18 de dezembro de 2008, 22h13

Comentários de leitores

14 comentários

Muito bem observado Sr. Ronaldo dos Santos Cost...

Firmino (Advogado Autônomo - Consumidor)

Muito bem observado Sr. Ronaldo dos Santos Costa. Não tive acesso à fundamentação legal do MP, mas se foi o art. 62 ao invés do art. 65 da Lei nº 9.605/1998, dita fundamentação é absolutamente descabida. Pertinente a observação de V. Sa. É por isso que o direito à defesa é sagrado, visto que tanto o MP pode equivocar-se, como no caso presente, quanto o Magistrado pode (tentar) perpetuar o equívoco. O advogado, indispensável à administração da Justiça (conforme ratificou a Constituição, art. 133), vem e põe as coisas no devido lugar. Abraço.

De vandalismo isso não tem nada, para o meu ent...

futuka (Consultor)

De vandalismo isso não tem nada, para o meu entendimento ela ocasionou muito mais danos que aquela jovem mãe que roubou o 'pote de margarina' e presa esculaçada e criminalizada se viu por grande parte da população, ENTÃO vejam os senhores a grande diferença, portanto bem fez a justiça e seguirá fazendo se CONDENÁ-LA (medida pedagógica), SENÃO a cidade vai virar um verdadeiro canteiro de 'obras' dos pichadores. Se brincar vão pedir algum político de meia-tigela a regulamentação dos pichadores do Brasil(bem varonil:- azul, verde e amarelo.. mais cadê o branco(?!). ... MAIS EDUCAÇÃO PRO POVÃO JÁ !!! pqp ..Onde isso vai parar ó justiça!?

ronaldo dos santos costa (Advogado Sócio de E...

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

ronaldo dos santos costa (Advogado Sócio de Escritório - - ) Já disse em outras ocasiões aqui, INCLUSIVE CONTANDO OS CASOS DE SENTENÇAS ABSURDAS PROFERIDAS POR ALGUNS JUÍZES. Se eu estiver errado que me corrigam. NÃO MAGISTRADO MAS OPERADORES DO DIREITO OU ALGUÉM DA POPULAÇÃO. A situação, onde vemos decisões sem pé nem cabeça está se tornando rotina. Será que o TJSP está preocupado em mudar a avaliação dos candidadtos ao cargo de juiz? Não, não é apenas dizer RECORRA. NÃO. O caso é mais sério do que dizer apenas esta usual frase. Falar isto é querer tapar o sol om a peneira. Se fossem casos ISOLADOS, mas não. O que será que anda acontecendo com muitos dos magistrados. É claro que não se esperava outra posição do presidente da Apamagis. Disse ele, apoiando a equivocada magistrada que, a lei previa o ato como crime. Não sou nem um pouco a favor de pixadores, MUITO PELO CONTRÁRIO. Mas querer, a magistrada 15 minutos de fama e deixar 50 DIAS quem pixou pequeno espaço da parede da Bienal...francamente.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.