Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Custo-benefício

Protógenes diz que pedirá indenização à Polícia Federal

O delegado da Polícia Federal Protógenes Queiroz, que comandou a chamada Operação Satiagraha, que investiga supostos crimes financeiros do banqueiro Daniel Dantas, afirmou nesta terça-feira (16/12), no Recife, que vai entrar na Justiça com um pedido de indenização contra a Polícia Federal, que o afastou da investigação e do setor de inteligência da corporação. "Não por mim, mas pela minha família", justificou, em entrevista coletiva. As informações são de O Estado de S. Paulo.

"A sociedade recebeu com indignação os procedimentos contra mim, minha família e meus colegas. Minha intenção é buscar reparação", afirmou. O delegado destacou, porém, que não tem pressa — o prazo para entrar com a ação, segundo ele, é de 20 anos.

Protógenes informou que não vai à Justiça contra nenhum veículo da imprensa, apesar de acusá-la de ter colaborado com o "banqueiro bandido" na criação de provas contra ele. "A imprensa deve ter liberdade e assumir as responsabilidades futuras."

Ele disse que "a maior indenização" que recebe da grande mídia é quando as pessoas o procuram dizendo que pararam de ler determinadas publicações que "fabricaram mentiras". "A reparação está sendo feita pela sociedade brasileira."

O delegado repetiu que não tem intenção de entrar na política. "Contribuo mais com a sociedade como delegado da PF", declarou, antes de participar de debate sobre corrupção e Estado de Direito, na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Pernambuco. O debate foi promovido pelo PSol, partido que tem apoiado ostensivamente as ações e manifestações políticas do delegado.

Protógenes voltou a dizer que a PF deveria se tornar um órgão independente, nos aspectos funcional, administrativo e financeiro. "Vou lutar Brasil afora para que isso se torne debate público e a população venha a engrossar fileiras conosco para fazer da PF um órgão independente que vai defender os interesses da sociedade."

Lembrado do caso do jornalista que atirou os sapatos contra o presidente dos EUA,George W. Bush, Protógenes foi indagado sobre quem deveria ser alvo de algo semelhante no Brasil. Sem citar o nome do banqueiro Daniel Dantas, respondeu que seria alguém que ele deveria ter prendido. O presidente local do PSOL, Edílson Silva, responsável por sua ida ao Recife, disse que o alvo seria o chefe do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. Protógenes desconversou.

Revista Consultor Jurídico, 17 de dezembro de 2008, 17h51

Comentários de leitores

12 comentários

PROTÓGENES PRESIDENTE 2010!

allmirante (Advogado Autônomo)

PROTÓGENES PRESIDENTE 2010!

Além do que é comum haver divergencias dentro d...

futuka (Consultor)

Além do que é comum haver divergencias dentro da Pf,no entanto me parece que ele está a procura de lideranças de fora da Pf(?!) para estabelecer parametros na hierarquia do departamento. Quando diz repetidamente: - "Protógenes voltou a dizer que a PF deveria se tornar um órgão independente, nos aspectos funcional, administrativo e financeiro." ... Falando assim sem independencia,, hmmm ..é imaginem se houvesse a tal independencia que afirma querer! Capaz que ele venha mudar a formatação disciplinar da corporação, que segundo ele estaria alíenada a outros propósitos e êle diante de tanto sol esteja tão 'iluminado' que crie uma nova e forte polícia protogenistica para o Brasil! Estaremos aguardando.

Papai disse que esse senhor sabe muito pouco de...

Ricardo T. (Outros)

Papai disse que esse senhor sabe muito pouco de direito e investigação, é populista e vai ser candidato, ganhando a eleição. Papai disse que, na verdade, esse senhor vai ingressar com ação contra a União e não contra a polícia federal, pois esta não detém personalidade jurídica. É a união que vai ser responsabilizada, se for o caso e o povo que vai pagar e não os policiais.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.