Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Juízes suspeitos

TJ do Espírito Santo é alvo de operação da Polícia Federal

A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira (9/12), o presidente do Tribunal de Justiça do Espirito Santo, Frederico Guilherme Pimentel. A PF faz uma operação no tribunal capixaba para cumprir 7 mandados de prisão e 24 de busca e apreensão.

Além do presidente do TJ, outros dois desembargadores estão entre os presos. São eles Elpídio José Duque e Josenider Varejão Tavares. Também foram detidos o juiz Frederico Pimentel Filho; a diretora do TJ, Bárbara Sarcineli; o advogado Paulo José Duque — filho de Elpídio José Duque — e um procurador de pré-nome Eliezer.

A operação investiga um suposta prática de crimes contra a adminsitração pública e a administração da Justiça. Procurada pelo reportagem da revista Consultor Jurídico, a assessoria de imprensa do TJ não confirma as prisões.

A PF fez busca e apreensão na casa do desembargador Elpídio José Duque, no bairro de Santa Cecília, em Vitória. A quantidade de dinheiro encontrada na residência foi tamanha que os policiais federais precisaram requisitar ao Banco do Brasil uma máquina para a contagem das cédulas.

O operação da PF, batizada de Naufrágio, é continuação da operação batizada como Titanic, ocorrida no dia 7 de abril deste ano, também em Vitória, que teve como alvo Ivo Júnior Cassol, filho do governador de Rondônia Ivo Cassol, e o ex-senador e atual suplente no Senado Mário Calixto Filho. Cassol chegou a ser preso, foi solto por liminar do presidente do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, mas teve novamente a prisão decretada quando os demais ministros do STF cassaram o Habeas Corpus. Hoje, ele é considerado foragido.

Na Operação Titanic, foi desbaratado um esquema de importação ilegal de veículos promovido pela TAG, de propriedade de Pedro e Adriano Scopell, empresários capixabas que abriram a empresa em Rondônia para se beneficiar de isenções fiscais. Na operação, também estavam envolvidos auditores da Receita Federal lotados no Espírito Santo.

A batizada como Naufrágio é resultado de um inquérito que tramita desde o mês de abril no Superior Tribunal de Justiça, em segredo de justiça, sob a relatoria da ministra Laurita Vaz. A suspeita é de envolvimento de desembargadores, juiz, advogados e servidora pública em crimes contra a administração pública e a administração da Justiça. Os suspeitos intermediavam interesses de particulares no Tribunal de Justiça. Os investigados presos receberam cópia da decisão e estão sendo transportados para Brasília, à disposição do Superior Tribunal de Justiça.

No curso da investigação surgiram, ainda, evidências de nepotismo. Isso teria servido como elemento facilitador das ações dos investigados que, assim, poderiam contar com a colaboração de parentes que ocupavam cargos estratégicos.

Inquérito 589/ES

Notícia alterada às 15h20 desta terça-feira para acréscimo de informações.

Revista Consultor Jurídico, 9 de dezembro de 2008, 10h33

Comentários de leitores

63 comentários

CADE A INDIGNAÇÃO DA OAB? QUE SILENCIO É ESSE? ...

não (Advogado Autônomo)

CADE A INDIGNAÇÃO DA OAB? QUE SILENCIO É ESSE? SABEM QUANTOS ADVOGADOS SÃO ENGANADOS, FURTADOS COM A VENDA DE LIMINARES POR JUIZES CORRUPTOS E FAJUTOS? SERÁ SE CABE IDENIZAÇÃO PARA AS PARTES E ADVOGADOS QUE VIRAM SEUS TRABALHOS JOGADOS NA LATA DO LIXO? QUEM VAI PAGAR? O TRIBUNAL COM O DINHEIRO DO POVO? OU O JUIZ RESPONSAVEL PELA PEROLA DO SEU TRABALHO?

ONDE SE LÊ "TRE-ES", LEIA-SE "TRT-ES".

ZeZe (Servidor)

ONDE SE LÊ "TRE-ES", LEIA-SE "TRT-ES".

Prezado ZeZe, permita-me oferecer a minha solid...

Almir Sobral (Funcionário público)

Prezado ZeZe, permita-me oferecer a minha solidariedade. O que parece, o TJ-ES, ao menos no momento, está voltado mais para outros interesses em lugar de distribuir justiça

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 17/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.