Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Valor da aula

Estados discutem salários de professores com Gilmar Mendes

O governador do Mato Grosso do Sul, André Puccinelli, e representantes dos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul e Ceará se reuniram na manhã desta terça-feira (9/12) com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes. Os cinco estados são autores da Ação Direta de Inconstitucionalidade 4.167, que questiona dispositivos da Lei 11.738/08, que instituiu o piso salarial único para os professores de todo o Brasil.

De acordo com Puccinelli, eles não são contra o piso nacional de R$ 950 para o magistério. No entanto, discordam da alteração no número de horas para planejamento de aula. Atualmente, um professor que dá 40 horas aula semanais tem 10 horas reservadas para planejar. A lei altera esse tempo para 13,33 horas de planejamento e somente 26,67 horas de sala de aula. “É neste ponto que discordamos”, afirma o governador.

Segundo a ADI, do jeito que foi aprovada, a norma contraria a Lei de Diretrizes e Bases da Educação que prevê que os sistemas educacionais são próprios e feitos pelos estados.

Na reunião desta terça-feira, os representantes dos estados trouxeram ofícios da Frente Nacional dos Prefeitos que é contra a ampliação da hora atividade, além de ofícios da Confederação Nacional de Municípios que representa quase três mil municípios brasileiros também contrários a medida.

Segundo o governador do Mato Grosso do Sul, houve um entendimento errôneo por parte de alguns parlamentares que fizeram emendas e o texto aprovado não é o inicial. “O texto aprovado é inexeqüível. Não há estado nem município que, aplicando isso hoje, possa em 2008 cumprir a lei de responsabilidade fiscal porque não houve previsão orçamentária no ano. A lei não retroage para prejudicar e neste caso a lei está retroagindo para prejudicar”, afirmou.

ADI 4.167

Revista Consultor Jurídico, 9 de dezembro de 2008, 17h27

Comentários de leitores

3 comentários

Ou, conheça de educação empresarial, no estilo ...

Armando do Prado (Professor)

Ou, conheça de educação empresarial, no estilo Di Gênio.

E o que o bom tucano e mal magistrado sabe de e...

Armando do Prado (Professor)

E o que o bom tucano e mal magistrado sabe de educação? Pode conhecer de empresa da educação. Talvez, conhece bem de amizades. Nunca de educação na acepção da palavra.

Ministro: determine que os políticos gastem me...

Neli (Procurador do Município)

Ministro: determine que os políticos gastem menos em propagandas estapafúrdias e em autopromoção que sobrará uma fortuna para pagar os professores . Em São Paulo por exemplo é um enxame de propagandas públicas,até a companhia de água,que tem monopólio,gasta o dinheiro público em propagandas. Mais: diminuam os cargos em comissão que sobrarão muito dinheiro. Em são paulo os servidores aposentados estão há 12 anos sem aumento. Chega de propagandas ao arrepio da Constituição Nacional.

Comentários encerrados em 17/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.