Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Regra companheira

Aprovada na CCJ proibição de demissão de marido de grávida

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou nesta quinta-feira (4/12), em caráter conclusivo, a proibição da dispensa arbitrária ou sem justa causa do trabalhador cuja mulher ou companheira esteja grávida, durante o período de 12 meses. Esse período será contado a partir da concepção presumida, comprovada por laudo de médico vinculado ao SUS. O Projeto de Lei 3829/97, do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), segue para o Senado. As informações são da Agência Câmara.

De acordo com a proposta, o empregador que desrespeitar a norma está sujeito a multa equivalente a 18 meses de remuneração do empregado. A norma não se aplica ao trabalhador contratado por tempo determinado, que poderá ser dispensado se o prazo de seu contrato terminar antes que se complete o período de 12 meses.

O projeto foi aprovado pela CCJ na forma do parecer do relator, Bernardo Ariston (PMDB-RJ). Este, por sua vez, acolheu o texto aprovado em 1999 pela Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público, que alterou a proposta.

Originalmente, o projeto concedia "estabilidade de emprego" ao trabalhador cuja mulher estivesse grávida. Esse termo foi retirado do texto, que passou a proibir a dispensa arbitrária ou sem justa causa.

A CCJ analisou o projeto apenas quanto aos seus aspectos de admissibilidade, ou seja, se estava de acordo com a Constituição e com as normas gerais do Direito. O mérito foi analisado pela Comissão de Trabalho.

Chinaglia afirma que o projeto, ao estabelecer um instrumento que permite um aumento da confiança na relação trabalhista, tem um alcance maior, pois "reintroduz um pouco de solidariedade nas relações econômicas".

Para o relator do projeto na Comissão de Trabalho, ex-deputado Fleury (SP), vai haver uma tendência de se diminuir a discriminação ainda existente contra a mulher no mercado de trabalho. "No momento da contratação, se os candidatos apresentarem as mesmas qualificações, mas pertencerem a gêneros diferentes, a preferência será pela contratação do homem. Tal prática discriminatória decorre, muitas vezes, em virtude da garantia no emprego que a mulher possui em caso de gravidez", disse.

PL-3829/1997

Revista Consultor Jurídico, 4 de dezembro de 2008, 17h12

Comentários de leitores

10 comentários

Ô Gilmar, E ainda tem: - Cota para negro...

Regina Caldeira (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Ô Gilmar, E ainda tem: - Cota para negros - Cota para índios - Cota para idosos - Cota para deficientes - Cota para estudantes do ensino público, - Cota para quem mora na periferia - Cota para quem nunca trabalhou. - Cota pra quem passou dos 40... Enfim, desculpem a ironia, mas projetos assim só sacrificam ainda mais os empregadores (e muitas vezes os colocam reféns de alguns malandros). Esse tipo de projeto e esse excesso de proteções não resolvem os problemas e só servem mesmo para o deputado fazer média com o eleitorado. Bem, é só minha opinião... Todo patrão é malandro esperto que está de olho no lucro e fica só esperando um jeito de prejudicar o trabalhador...

Grande babaquice. Quando é preciso demitir, ...

Batchi (Advogado Associado a Escritório)

Grande babaquice. Quando é preciso demitir, o empregador demite e pronto. Se a esposa de um funcionário estiver esperando o primeiro filho, então demite-se outro no lugar deste. E se este outro tiver 3 filhos? Passados os 12 meses, isso não importa. Realmente esta Lei dará muita segurança aos chefes de família.

Thiago: essa alavanca trouxe segurança econômic...

Cristiane G. (Delegado de Polícia Federal)

Thiago: essa alavanca trouxe segurança econômica para os chefes de família, e insegurança para os empregadores - que, caso você tenha esquecido, são as pessoas que pagam os salários. A propósito: é "sobrancelha", e não "sombrancelha".

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 12/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.