Consultor Jurídico

Comentários de leitores

60 comentários

De assassino a santo em um segundo... Legítima...

Luciana (Advogado Autônomo)

De assassino a santo em um segundo... Legítima defesa? Não sei não, quem sai na chuva é pra se molhar, pode ser que realmente o promotor tenha se sentido ameaçado pelos rapazes, afinal estavam em maior número e eram bem mais fortes do que ele, mas continuo achando que ele é totalmente despreparado para o cargo de promotor e que jamais deveria andar armado, pois demosntrou falta de equilíbrio emocional, no mínimo, no episódio. Mexeram com sua namorada, mas e daí, ficasse calado e seguisse em frente, ele só enfrentou os rapazes porque estava armado, se não fosse a arma teria engolido a "ofensa" e ido embora. Ele se escondeu atrás do cargo e da arma para tentar impor "respeito", não queria que mexessem com sua namorada. Agora me pergunto: se todos que têm suas mulheres assediadas andassem armados, deveriam sair por ai exigindo respeito, e caso não fossem atendidos, poderiam sacar a arma e atirar que seria legítima defesa? Esse rapaz deve ter amadurecido, afinal, se tem um mínimo de empatia pelo sofrimento alheio,o que fez as famílias de suas vítimas passarem deve afetá-lo, mas, na ocasião, ele se mostrou apenas um fracote e desequilibrado que, por infelicidade dos garotos atrevidos, era promotor e estava armado. Se fosse minha a prerrogativa de julgá-lo, talvez eu o absolvesse com base na tese de legítima defesa, mas jamais, se tivesse tal poder, deixaria que voltasse a ser promotor ou que portasse armas.

Parabéns aos advogados que defenderam o promoto...

E. Coelho (Jornalista)

Parabéns aos advogados que defenderam o promotor Thales, foi uma defesa brilhante, apaixonada e bem sucedida! Sei o quanto é duro lutar contra tudo e todos para fazer prevalecer a verdade e a Justiça. Afinal, um caso de legítima defesa foi transformado pela mídia em assassinato brutal, os jornalistas de um modo geral foram maliciosos, desonestos e arrogantes, tendo como único objetivo conspurcar a imagem e honra do promotor, o qual nada fez de errado, apenas se defendeu dos arruaceiros e valentões. Assisti no Jornal Nacional, Rede Globo, a locutora, aquela, dizer que o promotor matou com 12 tiros o jovem, eu sei que isso é um absurdo pois li parte dos autos e acompanhei esse processo, mas a maioria da população não leu, não acompanhou e acreditou na notícia da famigerada rede. Se não tivesse se defendido certamente estaria morto, pois, esse era o desejo da turba: linchá-lo. Tomo a liberdade de dizer que o mínimo que o promotor Thales poderia fazer seria processar todos esses veículos da mídia pelos absurdos que alardearam, afinal, restabelecer a verdade publicamente seria uma grande contribuição para o Brasil. Espero que o promotor Thales, assim que transitar em julgado o acórdão, busque a sua redenção perante a população processando esses enganadores da opinião pública.

E eu concordo PIAMENTE com a Dra. Mariana. Muit...

Saulo Henrique S Caldas (Advogado Sócio de Escritório)

E eu concordo PIAMENTE com a Dra. Mariana. Muito equilibrada a ponderação dela, e inteligente, porque parte da vivência do que é a labuta forense... e não o mero discurso "ex cathedra" de quem só assiste TV mesmo!

A probabilidade de se "morrer de graça" é de 1 ...

Saulo Henrique S Caldas (Advogado Sócio de Escritório)

A probabilidade de se "morrer de graça" é de 1 em 1 milhão. No início, fiquei revoltado com Thales. Mas entendo que a mídia nesse país faz às vezes o papel do Judiciário, e isso é algo que temos de admitir. É porque foi um Promotor, o réu, que foi absolvido? Claro que não. Tantos clientes nossos foram absolvidos quando a prova do processo é fraca ou simplesmente diz o contrário. Os que queriam beber o sangue do promotor (porque este é PROMOTOR) que experimentem viver como um PROMOTOR numa cidade que tem PCC, gangues e etc! O Thales se excedeu? Só os AUTOS podem dizer. Qualquer análise fora deles é PARCIAL e tão injusta quanto a suposta sentença dada pela mídia antes do exame das provas pelos jurados. []s

A todos, para quem possa interessar, nesse site...

Mariana Grassi (Bacharel - Criminal)

A todos, para quem possa interessar, nesse site encontrei algumas peças, inclusive depoimentos de testemunhas que ajudam a elucidar o caso: http://pt.wikipedia.org/wiki/Thales_Ferri_Schoedl Depois, cada um pense o que quiser, mas a decisão não foi dada pelo povão, que facilmente se influencia pela sede de sangue da impresa, e sim pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça composto por desembargadores experientes e que, por sua própria prerrogativa, devem ser IMPARCIAIS. Decisão corporativista? Até parece! Com a pressão da mídia, eu sinceramente duvidava de uma decisão JUSTA nesse caso, mas no sentido de que o Tribunal cederia aos apelos da mídia, e fico feliz que a decisão mais razoável e acertada foi dada ao caso. No mais, garanto a todos que aqui comentam e que não tem nenhuma experiência no direito penal, que os pobres também são absolvidos sim, seja por legítima defesa, insuficiência probatória, etc. Espero que todos esqueçam esse caso logo para o Thales poder seguir sua vida sem ser apedrejado na rua. Por fim, limito-me a dizer que, quem gostaria de dar um fim diferente à este caso e tenha horror à suposta "impunidade", curse 5 anos de Direito, pratique 3 anos de atividade jurídica e preste o dificílimo concurso da magistratura, depois tenha um trabalho excepcional a ponto de garantir uma promoção para desembargador. Revoltante é ter que ouvir besteira de quem só assiste TV ao invés de ler um livro!

Ao senhor,, "Spoudaios (Outro 03/12/2008 - 1...

futuka (Consultor)

Ao senhor,, "Spoudaios (Outro 03/12/2008 - 13:54" - Entre outros concordo com seus comentários. Parabens!

Agora que eu li as respostas do interessado, op...

Lisete (Outros)

Agora que eu li as respostas do interessado, ops!, do promotor, fiquei "convencida de sua inocência". Pena que o morto não pode depor..... Fica a pergunta: uma pessoa emocionalmente estável vai armada, com munição sobressalente, para a praia?

Paulo: penso que essa suspensão,somente concern...

Neli (Procurador do Município)

Paulo: penso que essa suspensão,somente concerne às atividades e não o "prazo" esse flui mansamente. Esse art. 60 é claro:"antes do decurso do prazo de dois anos",sim,pq se passou o prazo de dois anos, o promotor se vitalicia aí só por sentença transitada em julgado. Uma lei orgânica não poderá ampliar o prazo,de estágio probatório,outorgado pela Constituição Nacional. A meu ver,pelo que li na imprensa,o Ministério Público paulista errou ao exonerá-lo sem direito à defesa.Poderia fazer um processo simples,uma imputação correta,para que ele pudesse se defender,mas,não exonerá-lo abruptamente após o fato. Não vi a r. decisão do STF,mas,daqui,de longe,sem analisar o fato com maior profundidade,digo:o CNMP errou . Repiso-me,promotor e juiz em estágio probatório,não deveria receber o "porte de arma"...

Dr. Neli, obrigado pela sua atenção, mas a pert...

Paulo Souza (Estudante de Direito)

Dr. Neli, obrigado pela sua atenção, mas a pertinência de minha dúvida encontra respaldo no parágrafo únido do artigo 159, da Lei Orgânica do MP Paulista, LCE 734/93: "Art. 159. (...) Parágrafo único. Instaurado o processo administrativo disciplinar, o membro do Ministério Público não vitalício ficará automaticamente suspenso do exercício funcional, até definitivo julgamento, sem prejuízo dos vencimentos". E o artigo 60, da Lei Orgânica Nacional do MP, Lei Federal 8.625/93: "Art. 60. Suspende-se, até definitivo julgamento, o exercício funcional de membro do Ministério Público quando, antes do decurso do prazo de dois anos, houver impugnação de seu vitaliciamento". E ressalto que o Min. Menezes recolocou o Dr Thales no cargo, mas manteve a suspensão do exercício da função de Promotor. Agora, caso o Supremo julgue inconstitucional a decisão do CNMP, o caso se enquadra no paragráfo segundo, do art. 60, da Lei Nacional: "§ 2º - Durante a tramitação do procedimento de impugnação, o membro do Ministério Público perceberá vencimentos integrais, contando-se para todos os efeitos o tempo de suspensão do exercício funcional, no caso de vitaliciamento". E o que me deixa com mais dúvidas, é, se o CNMP, não pode rever as decisões administrativas dos MP, porque então foi criado pela emenda 45? Portanto, creio que se o STF dizer que o CNMP não tem competência para rever esse ato, a Corte estará declarando que os Conselhos não servem de nada. O cuidade deverá ser muito aplicado na análise do mérito do MS. Mais uma vez, Dr Neli, muito obrigado pela atenção. Att,

Estimado Patuléia, Eu entendo seu rancor, af...

Bruno Santos (Advogado Associado a Escritório - Consumidor)

Estimado Patuléia, Eu entendo seu rancor, afinal, deve ser deprimente só ter voz ativa em um espaço de 1780 caracteres que qualquer um pode escrever o que bem entender. Fique bem, caríssimo!

Bacharéis, engenheiros e demais que gostam de l...

Recel (Servidor)

Bacharéis, engenheiros e demais que gostam de letras maiúsculas, LEIAM OS AUTOS! A imprensa já faz um bom trabalho de julgar sem conhecimento. Bacharéis e demais portadores de diploma superior não deveriam descer até o patamar da mediocridade ocupado pelos jornalistas. O degrau está cheio.

" [...] na iminência de ser espancado e assassi...

Juliana (Advogado Associado a Escritório)

" [...] na iminência de ser espancado e assassinado por dois dos seus agressores" Por favor, o promotor assassino precisou ficar internado ou teve "lesões"? Não. Que palhaçada esse depoimento. Lamento pela vida do pobre Diego que foi morto sem qualquer justificativa. Lamento também pelos atuais aplicadores do Direito, pois pessoas como Thales Schoedl não poderiam ser representante do MP. Há alguma justificativa para que esse estúpido estivesse armado na Riviera de São Lourenço?

TENTAREI SER SINTÉTICO: ESSE ANIMAL QUALIFICAD...

carranca (Bacharel - Administrativa)

TENTAREI SER SINTÉTICO: ESSE ANIMAL QUALIFICADO DE PROMOTOR, NÃO PASSA DE UM SIMPLES ASSASSINO ENGRAVATADO... DEVERIA SIM, SER CONDENADO E AS CHAVES JOGADAS FORA MAS, NÃO SÓZINHO, TODOS QUE O ACLAMAM COMO VÍTIMA DEVERIAM IR JUNTO TALVEZ ASSIM POSSAMOS ELIMINAR ESSAS DIFERENCIAÇÕES ELITIZADAS - UNS PODEM TUDO OUTROS, IMPERATIVAMENTE, DEVEM DIZER AMÉM REPITO => ESTATUI O ARTIGO 25 DO CÓDIGO PENAL PÁTRIO: ENTENDE-SE EM LEGÍTIMA DEFESA QUEM, "USANDO MODERADAMENTE DOS MEIOS NECESSÁRIOS", REPELE INJUSTA AGRESSÃO, ATUAL OU IMINENTE, A DIREITO SEU OU DE OUTREM ESTOU POR DEMAIS ENVERGONHADO COM OS TRIBUNAIS, MAIS UM TAPA NA CARA DOS "DESCAMISADOS" ESTE PAÍS ESTÁ SE RENDENDO AOS COSTUMES INDIANOS (REGIME DE CASTAS), SOMOS EDUCADOS, DESDE O BERÇO, A FICARMOS EM NOSSO CANTO TENHO FÉ QUE "EM ALGUM LUGAR NO FUTURO" TENHAMOS DE FATO "JUSTIÇA" Ñ OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE... NEM ESSA BARBARIDADE Q/ ESTAMOS CANSADOS DE VER (C/O ESTÁ, EM REFERENCIA) RODIZIO DE PIZZA, ESTE É O NOME DESSA "DECISÃO" CARRANCA

silvagv Bom-dia! O jornalismo não manifesta ...

Neli (Procurador do Município)

silvagv Bom-dia! O jornalismo não manifesta a indignação da sociedade ...ele incentiva essa indignação. Quanto ao jornalista que matou a ex-namorada,se o senhor pegar o Estadão e a Folha da época perceberá que foram dadas umas esmoleres de linha. À época,escrevi ao ombudsman da Folha e fiz uma indagação:será que invés de ser jornalista,o acusado fosse um advogado,as linhas de notícias seriam minguadas? No estágio probatório a função não pode ser suspensa,uma vez que o seu prazo é peremptório,fatal. O prazo para se vitaliciar é outorgado pela Constituição Nacional e não vejo como uma lei possa alterá-lo. Ultrapassado o lapso constitucional,o promotor( ou juiz)se vitalicia e aí só poderá ser demitido(e não exonerado,como no estágio probatório) por sentença condenatória transitada em julgado.

SÓ ESPERO QUE OS SIMPLES MORTAIS, COMO EU, TAMB...

Neto (Engenheiro)

SÓ ESPERO QUE OS SIMPLES MORTAIS, COMO EU, TAMBÉM TENHAM O DIREITO A LEGÍTIMA DEFESA, QUE EU, JÁ FAZ MUITO TEMPO NÃO VEJO SER ACEITO PELO JUDICIÁRIO, QUANDO JULGAM OS SIMPLES MORTAIS!

Complementando o texto abaixo, é o disposto na ...

Paulo Souza (Estudante de Direito)

Complementando o texto abaixo, é o disposto na alinea "a", inc. I, Parágrafo 5, do art. 128, da CF/88, ou seja, vitaliciamente após 2 anos de exercício na função. Minha manifestação anteriou, foi extraída do acórdão do CNMP. E por fim, a Procuradora do Trabalho que teve a concessão da segurança no STF, foi salva pelo gongo, se não tivesse passado mais de 10 anos da concessão liminar, eles teriam negado a segurança, e exoneração após o vitaliciamente, mas por motivos que ocorreram durante o estágio probatório. O ministro Cezar Peluso ressaltou que o processo pende de decisão definitiva há aproximadamente 10 anos. “Em relação ao mérito, às teses discutidas, eu não teria dúvida em denegar a segurança”, afirmou Peluso. No entanto, “diante do fato de que a impetrante se encontra na carreira há mais de 10 anos, por força de liminar que esta Corte não conseguiu examinar de modo definitivo e em tempo”, Peluso votou pela concessão do pedido, considerando o caso específico. “A vida humana não suporta essas coisas”, afirmou. fonte: site STF MS 23441. Att,

Primeiro gostaria de agradecer o aprendizado qu...

Paulo Souza (Estudante de Direito)

Primeiro gostaria de agradecer o aprendizado que estou tendo com esse debate. Mas pergunto, a grande maioria fala que CNMP proferiu uma decisão insconstitucional, se a própria CF/88, diz que compete aquele Colegiado o disposto no inc. IV, art. 130-A, da CF? E a última pergunta, eu juro, no ato do MP Paulista o Dr Thales, não estava com sua função suspensa? Portanto, não tinha o requisito disciplinado na alinea "a", inc. I, art. 128, da CF? É isso que não consigo entender, por favor, me esclareçam. Att,

SILVAGV: seu comentário é a PROVA INCONTESTE do...

M.P. (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

SILVAGV: seu comentário é a PROVA INCONTESTE do povo que fala ignorando tudo; o sr. NÃO LEU a entrevista! Lamentável sua conduta.

Jó, 11:16-19 - Pois te esquecerás dos teus sofr...

Mauro Costa Filho (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

Jó, 11:16-19 - Pois te esquecerás dos teus sofrimentos e deles só terás lembrança como de águas que passaram. A tua vida será mais clara que o meio-dia; ainda que lhe haja trevas, serão como a manhã. Sentir-te-ás seguro, porque haverá esperança; olharás em derredor e dormirás tranqüilo. Deitar-te-ás, e ninguém te espantará; e muitos procurarão obter o teu favor. Força Thales! Estou na torcida para que você se mantenha no cargo. Imprensa maldita.

A turba ruidosa — e os que sabem se aproveitar ...

Nelson Rodrigues (Outros)

A turba ruidosa — e os que sabem se aproveitar disso — tira do Judiciário a serenidade que deveria cercar casos complexos. A mídia faz o jogo da arquibancada. A polícia e o promotor desconectam-se de qualquer compromisso com a verdade. O juiz, com medo da execração pública, decide contrariamente às suas convicções. Só mesmo num colegiado numeroso como o do TJ, em que a decisão coletiva não individualiza o julgador, a independência prevalece. Um exemplo? Imagina só se o Sanctis não condena o Daniel Dantas... Ou se o juiz do caso Nardoni não manda prender o casal? O ministro Marco Aurélio deu HC, corretamente, ao Cacciola e acabou condenado. As marcas foram tão fortes que quando se julgou o HC para Dantas ele foi o único que não o concedeu. Desse jeito, pesquisa do Ibope acabará sendo aceita como perícia judicial. Afere-se a vontade popular e decide-se nesse sentido. Faz sentido?

Comentar

Comentários encerrados em 11/12/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.