Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Análise dos fatos

PF pode pedir cópia de gravação ilegal divulgada na Veja

O diretor-geral da Polícia Federal, Luiz Fernando Corrêa informou ao jornal Estado de S. Paulo, através de sua assessoria, que a PF vai fazer “uma análise mais profunda e concreta dos fatos” narrados pela revista Veja. A reportagem traz diálogo do presidente do STF, ministro Gilmar Mendes, com o senador Demóstenes Torres (DEM-GO). Segundo a revista, a transcrição foi repassada por um funcionário da própria Abin, que informou a existência de monitoramento de autoridades pelo órgão.

Uma das primeiras providências pode ser pedir à revista cópia da gravação captada ilegalmente. Só depois da análise é que decidirá se abre inquérito com o objetivo de investigar a realização de grampos ilegais por agentes da Abin. “Se houve um monitoramento contra um poder da União, é competência e obrigação da PF investigar”, afirmou o diretor.

A direção da PF negou que tenha realizado o grampo divulgado pela revista e afirmou que o diálogo não existe no inquérito que apura condutas do banqueiro Daniel Dantas, durante a Operação Satiagraha, da Polícia Federal, ou em qualquer outro inquérito conduzido pelo órgão. A revista afirmou que a Polícia Federal e a Abin intensificaram “ações ilegais” depois que o ministro Gilmar Mendes mandou soltar o banqueiro Daniel Dantas.

Também negou qualquer “cooperação institucional” com a Abin na investigação sobre Dantas. “A PF atua no campo da espionagem, mas dentro da legalidade, para a produção de provas. Todas as escutas têm autorização judicial e estão vinculadas a um inquérito. O sistema de monitoramento telefônico (realizado por intermédio de um software chamado ‘Guardião’) é auditável”, afirmou a PF.

“Se houve algum tipo de cooperação entre Abin e PF no inquérito, foi no campo da informalidade, entre agentes e o delegado”, afirma. Provocada por denúncias anteriores, a PF abriu há um mês inquérito para investigar a suposta cooperação informal que, segundo o orgão, é irregular.

Revista Consultor Jurídico, 30 de agosto de 2008, 19h00

Comentários de leitores

12 comentários

A PF não pode investigar o fato, quem tem que i...

Senhora (Serventuário)

A PF não pode investigar o fato, quem tem que investigar é o próprio ministro do STF, afinal, ele já julga, já legisla e já manda no Presidente Lula, também deve chamar para sim o poder de investigação. O Todo Poderoso Ministro do STF daqui a pouco vai exigir que a PF não investigue o caso e pior de tudo é que vão acatar as ordens do Ministro supremo da presidência república

As vezes eu me pergunto o que o dinheiro não fa...

futuka (Consultor)

As vezes eu me pergunto o que o dinheiro não faz ..alguém aí sabe! O que é um réporter investigativo(?) não é nenhum agente público de serviço secreto(!). O que há por traz é uma 'boa verba em dinheiro vivo'(para CORROMPER)serve para os pagamentos pela 'boa prestação de serviços de informação' (na maioria dos casos são os funcionários públicos em geral que cedem),, sim isso há (só não sei como arranjam e como pagam o imposto devido - e isso é um crime grave), após vir a público para amenizar o 'crime' dizem alguns para amortecer a queda foi um 'vazamento', mais eu digo: -'vazamento o escambau'(como dizia o estanislau)!

Revista Veja?! Só batendo na madeira: toc, toc...

Cananéles (Bacharel)

Revista Veja?! Só batendo na madeira: toc, toc, toc...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/09/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.