Consultor Jurídico

Candidatos processados

Gilmar Mendes defende rapidez para julgar candidatos processados

Por 

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, defendeu neste sábado (16/8) a celeridade dos julgamentos de candidatos processados. E mais: ele disse que a decisão sobre a fidelidade partidária deu coesão à democracia e se fez Justiça. “O eleitor votava no candidato da oposição e, no outro dia, ele estava na situação. Quem perde eleição tem que continuar na oposição e não ir para a situação”, avaliou.

Ele esteve em Cuiabá, neste sábado (16/8), para discutir Fidelidade Partidária no seminário Legalidade do Processo Político Eleitoral, promovido pelo Instituto Brasiliense do Direito Público (IDP) em parceria com o curso Aprovando. O ministro Carlos Ayres Britto, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, e o ex-ministro do TSE José Eduardo Alckmin também participaram do evento.

Na programação, a palestra de Britto trataria sobre a Rejeição de registro de candidaturas com base no princípio da probidade e moralidade pública. Mas o ministro disse que a questão é “página virada” diante da decisão do STF de que apenas políticos com condenações definitivas podem ser proibidos de se candidatar. Então, resolveu fazer sua palestra sobre o Princípio da Legalidade.

Britto disse que a Constituição é o centro do ordenamento jurídico. Para ele, “é preciso ter coragem para sair do lugar comum, deixar de bater carimbo e buscar um novo olhar da norma jurídica”. Segundo o ministro, quando um juiz se propõe a entrar na seara do ineditismo, pode se preparar para a reação da sociedade.

Dentro do princípio de legalidade, disse ele, estão as eleições, “que não devem ser vistas como castigo ou estorvo e sim como o ponto mais alto e luminoso dentro da democracia”. E na hora de votar, de acordo com ele, é preciso que os eleitores tenham acesso a vida pregressa dos candidatos, mas em um sentido mais amplo. “Vida pregressa não é acervo processual. Às vezes, o candidato responde ações por perseguição de adversários políticos ou do Ministério Público. A vida pregressa é a biografia do candidato com todo o seu histórico de vida”, explicou.

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso, desembargador Leônidas Duarte Monteiro, comentou no evento que apóia a decisão do Supremo sobre a liberação de candidaturas de políticos processados. Segundo ele, cabe ao eleitor o papel de escolha. O desembargador disse que quem não escolhe corretamente seus representantes, paga por isso.




Topo da página

 é editora da revista Consultor Jurídico e colunista da revista Exame PME.

Revista Consultor Jurídico, 16 de agosto de 2008, 14h34

Comentários de leitores

6 comentários

Entendo, que deve haver a cerelidade em todos o...

Zito (Consultor)

Entendo, que deve haver a cerelidade em todos os processos, e não só os dos políticos. Senhor Ministro Gilmar Mendes, como é que fica o resto da sociedade em processos não concluso, e principalmente aqueles processos para serem sentençiados a quase um ano. Por onde anda o Conselho Nacional de Justiça. Eu sou vitima.

Cautela. Muitos são processados injustamente po...

fr.bezerra (Bacharel)

Cautela. Muitos são processados injustamente por pura perseguição e abuso de autoridade. E até o pato provar...ai!!! Discordo do Ministro no que concerne a pressa continua acreditando que ela é inimiga da perfeição. O que se poderia fazer é punir até o bolso de magistrados que não querem respeitar princípios constitucionais. É comum a gente que trabalha aqui nos fóruns escutar: "não gostou da minha decisão? Recorra para TJ, STJ, STF" Esta é uma das causas que afogam os tribunais superiores. Uma multinha para cada sentença que furou princípios constitucinais básicos e fundamentais, acredito que acabaria com esta folga.

Também achei que estava defendendo agilidade de...

LUÍS  (Advogado Sócio de Escritório)

Também achei que estava defendendo agilidade de julgamento de processos contra políticos...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.