Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação Satiagraha

OAB desagrava os advogados Nélio Machado e Luiz Madeira

A OAB desagravou, em nota, os advogados Nelio Roberto Seidl Machado (RJ) e Luiz Carlos Lopes Madeira (RS). Segundo a entidade, os dois, que são conselheiros federais da OAB, tiveram sua honra atingida no exercício da profissão durante a Operação Satiagraha. Eles são advogados do banqueiro Daniel Dantas. O pedido de desagravo foi feito pelo conselheiro Paulo Roberto Medina.

Na nota, a OAB repudia as insinuações de que foram alvos os dois advogados e a forma "irresponsável" como foram atingidos na sua honra profissional. “A tentativa de atribuir a expedientes ilícitos o êxito da defesa em processos numerosos contribui para disseminar na opinião pública a idéia de que a defesa não é uma garantia constitucional, mas um obstáculo à realização da Justiça. Essa idéia distorcida e malsã há de merecer sempre a nossa veemente repulsa.”

Segundo a OAB, os advogados são profissionais de conduta ilibada e mantêm comportamento ético inabalável. O desagravo a Nelio Machado foi motivado por reportagem da revista IstoÉ. O texto afirma que Machado reuniu-se com dois assessores do ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal, em um restaurante de Brasília. Nas cenas gravadas da reunião, a revista afirma que se usou a expressão "um milhão de dólares". A OAB classificou o teor da reportagem como uma grosseira insinuação.

Já o desagravo a Luis Carlos Madeira foi motivado pela interceptação de e-mails dele com colegas que atuam na defesa de Daniel Dantas. Eles teriam combinado de esperar as férias de meio de ano do STF para pedir Habeas Corpus em favor do banqueiro.

“Ainda que comprovada a autenticidade dos supostos e-mails, cabe observar que a escolha da oportunidade para ingressar com determinada medida em juízo não configura manobra ilícita do advogado nem comporta presunção de que determinado juiz pudesse estar predisposto a deferi-la", afirma a OAB.

Leia a nota

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, no exercício da competência estabelecida no art. 19, caput, do seu Regulamento Geral, vem a público desagravar os advogados e Conselheiros Federais Nelio Roberto Seidl Machado e Luiz Carlos Lopes Madeira que, foram atingidos na sua honra em função do exercício profissional, por fatos notórios, de repercussão nacional, que se prenderiam à denominada Operação Satiagraha

Segundo divulgou a revista IstoÉ, em sua edição de 23/07/2008, o delegado Protógenes Queiroz "fez chegar ao procurador-geral da República, Antonio Fernando da Souza, uma fita de vídeo em estão registradas cenas de um jantar, num restaurante em Brasília", onde "à mesa estão dois assessores diretos da presidente do Supremo Tribunal Federal, o advogado Nélio Machado, um dos contratados para defender Daniel Dantas, e uma mulher alta, de cabelos loiros, bem vestida e ainda não-identificada". "Na conversa é usada a expressão "um milhão de dólares".

A grosseira insinuação não tem a menor verossimilhança. Até porque o propalado encontro não existiu e o advogado Nelio Machado jamais jantou com assessores do presidente do Supremo Tribunal Federal - como, aliás, esclareceu em representação encaminhada à referida revista.

Quanto ao advogado Luiz Carlos Madeira, informou a "Folha de S. Paulo", na edição de 17/07/2008 e também na versão on-line do jornal, que e-mails por ele remetidos e interceptados pela Operação Satiagraha sugeririam aos colegas que atuavam na defesa do banqueiro Daniel Dantas aguardar as férias do Supremo Tribunal Federal para, então, ingressar com habeas corpus em favor do cliente, evitando, assim, que o despacho do pedido de liminar fosse dado pelo relator, Ministro Eros Grau. Tratava-se, segundo o jornal, de manobra dos advogados do referido banqueiro "para que caísse no plantão do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Gilmar Mendes, o pedido de liminar".

Ainda que comprovada a autenticidade dos supostos e-mails, cabe observar que a escolha da oportunidade para ingressar com determinada medida em juízo não configura manobra ilícita do advogado nem comporta presunção de que determinado juiz pudesse estar predisposto a deferi-la. De resto, nada indica que o advogado Luiz Carlos Madeira haja exercido qualquer influência escusa no episódio. A interceptação de e-mails, sim, é que caracterizaria ato injustificável de abuso de autoridade.

Ambos os advogados ora desagravados são profissionais de conduta ilibada, mantendo, invariavelmente, no exercício da advocacia, ao longo de muitos anos, comportamento ético inabalável e destacando-se pelo denodo com que atuam na defesa das causas entregues ao seu patrocínio.

Por isso, a Ordem dos Advogados do Brasil repudia as insinuações levianas de que foram alvos e a forma irresponsável como se procurou atingi-los em sua honra profissional. A tentativa de atribuir a expedientes ilícitos o êxito da defesa em processos numerosos contribui para disseminar na opinião pública a idéia de que a defesa não é uma garantia constitucional, mas um obstáculo à realização da Justiça. Essa idéia distorcida e malsã há de merecer sempre a nossa veemente repulsa.

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2008, 0h00

Comentários de leitores

28 comentários

Fico imaginando estar a uma mesa jantando com a...

futuka (Consultor)

Fico imaginando estar a uma mesa jantando com alguém 'suspeito'e contar a piada do 'papagaio na boléia' de um caminhão.."ô dá ô desce"! - O que será que vão imaginar 'os interlocutores expectadores'. -"Pelo amor dos meus preciosos neurônios o que que tem cutuvelo com as calças". Eu ainda acredito na justiça do homem e muito, portanto sei que o tempo é o nosso maior aliado da verdade e a quem verdadeiramente importa a justiça.

Como bacharel em Direito, tendo exercido a advo...

Vinícius Campos Prado (Professor Universitário)

Como bacharel em Direito, tendo exercido a advocacia por cinco anos e ocupado diversos cargos no Poder Judiciário, lembro à OAB que advogados também têm que ficar adstritos à legalidade e à ética, tanto por entendimento jurisprudencial, quanto por suas próprias regras. Se há, portanto, denúncias contra condutas dos advogados, o que se deve fazer é averiguar as denúncias. É ridículo e estranho a OAB fazer atos de desagravo tão cedo, sem perquirir os motivos da denúncia. Mas depois que a atual Presidência da Ordem assumiu o poder, a ordem é " todo poder à Avenida Paulista". Por que não vão fazer um desagravo a Jorgina de Freitas e ao Juiz Nicolau_ que afinal era advogado de Carreira, somente alçado à condição de Juiz pelo açougueiro travestido de Presidente Emílio Médici? Ficaria bem em consonância com as posturas que atualmente adotam.

Pobre Mortal, grato pela indicação do artigo do...

Fftr (Funcionário público)

Pobre Mortal, grato pela indicação do artigo do observatório da imprensa. Muito bom!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.