Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tempos militares

Ação contra Ustra sobre tortura será decidida na próxima semana

Está nas mãos do juiz Elliot Akel o futuro da ação movida pela família do jornalista Luiz Eduardo da Rocha Merlino, morto durante o regime militar (1964-1985), contra o coronel reformado do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra. Conforme o site Folha on line, Akel deve confirmar seu voto na próxima terça-feira.

Nesta terça-feira (12/8), o desembargador De Santi Ribeiro, da Primeira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, empatou em 2 a 2 a votação sobre a ação que pede que a Justiça responsabilidade o militar pela morte do jornalista nas dependências do DOI-CODI (Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna), em São Paulo, em 1971. Na época, Ustra comandava o órgão de inteligência do regime militar.

Na semana passada, o desembargador Luiz Antonio de Godoy acolheu o recurso iniciado por Ustra e votou pelo arquivamento da ação.

Ustra é o primeiro oficial do Exército acusado pelo crime de tortura do regime militar a sentar no banco dos réus. Ele já responde à outra ação pelo crime de tortura movida em 2005.

O coronel comandou o DOI-CODI entre 1970 e 1974, período no qual foi responsável por aproximadamente dois mil presos.

Agravo de Instrumento 568.587.4-5

Revista Consultor Jurídico, 13 de agosto de 2008, 17h21

Comentários de leitores

4 comentários

Pretender responsabilizar os militares por tort...

acs (Advogado Assalariado)

Pretender responsabilizar os militares por tortura só pode decorrer de má fé ou ignorância;O crime de tortura só foi tipificado no Brasil em 1997 e é elementar que a lei não retrocede para prejudicar.Além disso, qualquer crime ocorrido no período em questão teria sido prescrito em vinte anos,salvo terrorismo e recismo e desde 1985,portanto a 23 anos encerrou-se o regime militar.A lei de anistia está em pleno rigor e por tudo isto, a unica conclusão plausivel é que esta discussão é uma cortina de fumaça, um factoide criado pelos petralhas para confundir e desviar a atenção dos seus crimes.

Todos sabemos que o regime militar foi um momen...

Eduardo Pereira da Silva Jr. (Advogado Associado a Escritório)

Todos sabemos que o regime militar foi um momento que deixou máculas na história brasileira, fazendo com que se torne natural a vontade de realizar justiça por todos os prejuízos causados naquela época. Na situação, estão querendo a condenação de apenas um militar por todos os atos praticados em um período de responsabilidade de um governo inteiro. Restou-se clara todos atos ogerizantes causados pelos militares na época, entretanto, o que estão fazendo para tentar punirem todos aqueles que participaram da chamada "guerrilha armada". O que fazer com os responsáveis que causaram balburdias na sociedade, assaltos a bancos, sequestros de autoridades, mortes de militares (Ex. Ten. Mendes) e trabalhadores de agências bancárias ou que estivessem ligados ao governo???? Penso, se há a punição de uma das partes por atos ilícitos realizados, porque não há da outra parte?...pq a validade da Lei de Anistia só é analisada em pról de um dos lados??? Creio e defendo que, se tiver que haver algum tipo de punição, que não seja para apenas uma pessoa e muito menos ainda só para um dos lados da situação.

E aos vagabundos canalhas que seqüestraram,...

Richard Smith (Consultor)

E aos vagabundos canalhas que seqüestraram, mataram, "justiçaram" (inclusive a um pobre marinheiro inglês de 19 anos, pelo simples fato de ser militar de um país "imperialista"!), assaltaram, explodiram bombas, etc., nada? E a família do covarde celerado lamarca, perito castrador e esmagador de crânios "em silêncio", deverá ser acionada pela família do bravo e decente tenente PM Mendes? É o "raciossímio" PeTralha, estulto e mistificador, em ação novamente. Podres nojentos!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.