Consultor Jurídico

Direito de defesa

Inviolabilidade dos escritórios é uma prerrogativa da sociedade

Por  e 

Em defesa dos artistas mais jovens, costuma-se dizer na Inglaterra que ninguém precisa ter sido crucificado para representar Jesus Cristo no teatro ou no cinema. A frase é boa, com efeito. Mas nem por isso desclassifica a experiência para compreender situações mais complexas da vida em sociedade.

Quem nunca viu de perto nem sentiu a brutalidade que pode representar uma ação penal na vida da pessoa, por exemplo, terá grande dificuldade de escrever sobre o assunto. Jornalistas, juízes e procuradores que já passaram por isso mudaram bastante seu ponto de vista a respeito. Para melhor.

Se todos os integrantes da Policia Federal, do Ministério Público, da Magistratura e da imprensa compreendessem melhor o significado do direito de defesa, o país poderia dar um passo importante no processo civilizatório. A inviolabilidade dos escritórios de advocacia, por exemplo, é uma prerrogativa da sociedade com a qual todos devem se preocupar.

A liberdade dos advogados implica a garantia dos direitos e interesses do cidadão. A ampla defesa, garantida constitucionalmente, é extensiva a todos. É claro que o exercício da advocacia contempla igualmente o cidadão modelo e o criminoso, sendo que no segundo caso essa relação não implica acumpliciamento do advogado com o cliente ou em tirar qualquer tipo de proveito delituoso, como inferem os detratores da advocacia.

Na justificativa de se combater o crime, ataca-se, critica-se e trabalha-se para restringir a cada dia as prerrogativas profissionais dos advogados, o que não terá efeitos práticos sobre a criminalidade, mas terá nefastas conseqüências para o Estado Democrático de Direito.

O projeto que está nas mãos do presidente da República não torna inviolável, obviamente, o escritório do advogado que está sendo investigado pela prática de um delito, o que por si só deveria afastar as manifestações contrárias à lei. O que o projeto consagra, é o sagrado direito de defesa. Para entender melhor, basta comparar com o confessionário, o consultório de psiquiatria ou a redação do jornal. O sigilo profissional que protege a confidencialidade nesses casos não se destina, em primeiro lugar, a resguardar o profissional e sim as fontes do jornalista, o paciente do médico e o fiel. Quando o constituinte de 1988 declarou a inviolabilidade dos escritórios de advocacia, era disso que se tratava. O projeto de lei aprovado não cria a regra, ele a regulamenta.

A violação das prerrogativas dos advogados atinge a toda sociedade, porque sempre que o advogado tiver a sua prerrogativa violada, na verdade estar-se-á violando o direito do cidadão de ser defendido dentro do ordenamento jurídico vigente. Essa violação representa um atentado ao Estado Democrático de Direito. Como disse José Saramago, “O leitor atento já compreendeu aonde eu quero chegar com esta prosa: é que por baixo ou trás do que se vê, há sempre mais coisas que convém não ignorar, e que dão, se conhecidas, o único saber verdadeiro”.




Topo da página

 é advogado criminalista, membro do Instituto dos Advogados de São Paulo e da Comissão Teotônio Vilela de direitos Humanos.

Rui Celso Reali Fragoso advogado, ex-presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo, ex-Conselheiro da OAB-SP, ex-Diretor da Faculdade de Direito da FMU-SP .

Revista Consultor Jurídico, 7 de agosto de 2008, 15h43

Comentários de leitores

7 comentários

Prezados Justiceiros do MP e do Judiciário, ...

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Prezados Justiceiros do MP e do Judiciário, sejam bem-vindos à LEI Nº 11.767, DE 7 DE AGOSTO DE 2008. Agora só falta reconhecer como crime a violação das nossas prerrogativas, o que é apenas uma questão de tempo, diga-se, pouco tempo. Sds., Júnior

Kelsen, agora voltou a se indentificar como ...

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Kelsen, agora voltou a se indentificar como estudante? Antes se identificava como Trabalhista... MAS NA VERDADE ÉS MAGISTRADO,DIGA-SE, UM DESSES JUIZINHOS DE COMARCAS DO INTERIOR QUE SENTEM INVEJA DA LIBERDADE DOS ADVOGADOS. QUE TODOS SAIBAM DISSO. Att., Júnior

Justa medida dos tempos que vivemos, os interes...

Landel (Outro)

Justa medida dos tempos que vivemos, os interesses mais obscuros conseguiram a aprovação dessa lei, fornecendo aos advogados que fazem do crime seu negócio mais lucrativo, um meio precioso para venderem a peso de ouro a criminosos um verdadeiro cofre de aluguel para ocultarem provas que os incriminariam em definitivo. Como se descartar delas depois, é coisa não muito difícil. Sem contar o fato de que nessa situação, muitos advogados envolvidos com o crime poderão chantagear seus antigos clientes, ameaçando-os com uma prova que se um dia permaneceu oculta, pode de repente aparecer nas mãos de um delegado interessado, porquê não? Já é longa a lista de advogados presos recentemente e que serviam de bom grado e por bom pagamento como pombos-correio para criminosos como os do PCC. Advogados que estão por vontade própria enfiados com o crime e com essa medida agora, com as mais variadas desculpas e discursos de defesa do estado de direito, o estado do crime passa a ter agora salvo-conduto e territórios completamente livres do acesso policial. Um prédio ocupado por escritórios de advogados envolvidos com o crime passará a ser refúgio seguro até mesmo para ocultar o produto do roubo de uma agência bancária a poucos metros dele. O mais irônico é que até mesmo um advogado que decida matar um outro "colega" de profissão por alguma desavença, poderá calmamente guardar a arma do crime em seu escritório, agora inviolável e rir na cara dos policiais. E da OAB também. De forma clara vemos um estado do crime se levantando, disfarçado com grandiloqüentes nomes como estado de direito. Landel http://vellker.blog.terra.com.br

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.