Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nota à Presidência

Entidades repudiam restrição de buscas em escritórios em nota

Entidades contrárias ao Projeto de Lei 36/2006, que restringe o cumprimento de mandados de busca e apreensão em escritórios de advocacia, encaminharam na manhã desta terça-feira (5/8) uma nota técnica ao presidente da República em exercício, José Alencar.

No documento, os presidentes da Associação Nacional dos Membros do Ministério Público, José Carlos Cosenzo, da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Fernando Cesar de Mattos, e da Associação Nacional dos Procuradores da República, Antonio Carlos Bigonha, alertam para a inconstitucionalidade do texto e para os prejuízos da inviolabilidade total dos escritórios de advocacia.

“Corre-se o risco de que criminosos desejosos de ocultar sua atividade delituosa busquem transformar advogados em depositários de provas de toda a espécie, incluindo o corpo de delito e instrumentos do crime. Expõe-se, aliás, a profissão a risco, pois criminosos podem valer-se de meios coercitivos para conseguir que advogados disponibilizem seus escritórios, às vezes mesmo contra sua vontade, para ocultar atividades criminais", diz a nota técnica.

As hipóteses

A nota faz menção ao fato de que, na hipótese de um policial encontrar documentos e instrumentos que comprovam um delito, a apreensão fica comprometida. “A Polícia não poderá apreender os objetos e documentos?”, pergunta a nota. “Como fica a determinação de que o inquérito policial, no caso de ação penal pública, deverá ser iniciado pela Autoridade Policial ‘de ofício’ (artigo 5º, I, do CPP) e de que esta autoridade, ao ter conhecimento de um crime, tem o dever de ‘colher todas as provas que servirem para o esclarecimento do fato’ (artigo 6º, inciso III do CPP)? Deverá o agente policial ou Delegado ‘fingir que não viu’ a prova do crime?”, contesta.

Para as entidades, o projeto inviabiliza totalmente a execução dos mandados de busca e apreensão em escritórios. “A quebra de inviolabilidade somente poderá se referir ao local e aos instrumentos privativos de trabalho do advogado averiguado. A persecução penal do advogado criminoso será impossível”.

Cópias do documento já foram encaminhadas ao ministro da Justiça, Tarso Genro, e ao advogado-geral da União, Antonio Dias Toffoli. No total, nove entidades assinam a nota técnica: Conamp, Ajufe, ANPR, Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), Associação Nacional do Ministério Público Militar (ANMPM), Associação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (AMPDFT), Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) e Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho (ANPT).

Clique aqui para ler a nota.


Revista Consultor Jurídico, 5 de agosto de 2008, 17h00

Comentários de leitores

17 comentários

Prezados Justiceiros do MP e do Judiciário, ...

Júnior Brasil (Advogado Autônomo - Consumidor)

Prezados Justiceiros do MP e do Judiciário, sejam bem-vindos à LEI Nº 11.767, DE 7 DE AGOSTO DE 2008. Agora só falta reconhecer como crime a violação das nossas prerrogativas, o que é apenas uma questão de tempo, diga-se, pouco tempo. Sds., Júnior

O que mais me chateia é o comportamento de home...

acdinamarco (Advogado Autônomo - Criminal)

O que mais me chateia é o comportamento de homens,(sic), como o Prof. Armando do Prado. Dr. Alochio, muitíssimo obrigado. acdinamarco@aasp.org.br

Outro dia pedi a um amigo (que é juiz) que me ...

Dr. Marcelo Alves (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Outro dia pedi a um amigo (que é juiz) que me devolvesse um livro que o havia emprestado. À época do referido empréstimo esse amigo (que é juiz) era titular de determinada vara, todavia ele foi promovido e transferido para outra comarca bem próxima. Então, quando lhe pedi o livro de volta (num final de semana) ele me disse: "___Xi, ficou lá na ... vara, mais ainda hoje vou lá (final de semana) e mais tarde lhe devolvo o livro." E assim foi feito. Grande amigo esse; grande magistrado também. Tenho por ele profunda admiração como pessoa e como profissional dedicado e ético no agir. Agora fica a pergunta: e se no lugar desse "inofensivo livrinho" fosse uma das "provas satânicas" que bem poderiam existir nos escritórios de advocacia? E se eu (um criminoso contumaz) pretendesse "desentranhar" tão valiosa prova, e se eu ainda ameaçasse esse meu amigo (que é juiz) e toda a família dele para que ocultasse ou me devolvesse tal “prova"? Não teria feito de tal vara uma extensão dos meus “negócios escusos”? Acaso, alguém duvida que existam juízes corruptos ou mesmo criminosos? Ou, seria possível (na prática) uma busca e apreensão num gabinete pretoriano? Ora, com esse argumento dos "ses", se minha tia tivesse barba, meu tio estaria casado com um homem... Marcelo Alves Stefenoni Bacharel, aprovado no último exame da OAB, futuro Advogado.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/08/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.