Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Santa Tereza

BNDES suspende repasse para prefeituras investigadas pela PF

O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) suspendeu, “por prudência”, os repasses de recursos dos financiamentos investigados pela Polícia Federal na Operação Santa Tereza. A PF investiga empréstimos tomados pelas prefeituras de Praia Grande e do Guarujá, no litoral paulista, e pelas Lojas Marisa.

A medida foi adotada até que o presidente da instituição, Luciano Coutinho, receba informações conclusivas da Polícia Federal sobre o caso, o que não ocorreu até agora. A informação é da Agência Brasil.

A informação dada pelo presidente do banco ao ministro da Justiça, Tarso Genro, é que “não há indícios que revelem qualquer incidência dessas supostas atividades por parte de dirigentes ou de funcionários do banco. Não recebemos [informações], já declaramos a nossa posição e estamos aguardando”, disse o presidente do BNDES.

Coutinho afirmou que o banco não credencia intermediários para o tratamento de projetos. E acrescentou que a prática da intermediação não é incentivada pelo banco. A Polícia Federal investiga, na Operação santa Tereza, supostos desvios BNDES e a exploração da prostituição.

Revista Consultor Jurídico, 30 de abril de 2008, 17h01

Comentários de leitores

2 comentários

Se houve suspensão do envio de verbas para as p...

Sargento Brasil (Policial Militar)

Se houve suspensão do envio de verbas para as prefeituras, não seria uma medida aleatória (penso eu), deve haver no mínimo indícios e fortes, para que isso tenha ocorrido. Aliás, se foi investigado, é muito claro que exista esses indícios que justificam esse ato. Assim sendo, é justo que coibam o mau uso dessa verba suspendendo o seu envio. Usar de subterfugio para dar continuidade ao ato ilícito, procurando brechas na lei, é um grande erro.

O que parece estar faltando no BNDES é um siste...

Embira (Advogado Autônomo - Civil)

O que parece estar faltando no BNDES é um sistema de cadastro. Antigamente, a verificação dos clientes era feita em fichas de cartolina; hoje, em modernos terminais de computador. Mesmo que o encarregado tivesse de consultar fichas de cartolina, seria inadmissível que concedesse crédito às prefeituras de Guarujá e Praia Grande. A primeira esteve recentemente envolvida no episódio do “mensalinho”, em que foram investigados prefeito e vereadores; a segunda foi investigada, também em dias recentes, pelo MP, por desvio de verbas destinadas a pagamento a assessores. Será que a concessão de empréstimos no BNDES está aberta a qualquer um, sem consulta a seus antecedentes? Assim, não há banco que sobreviva.

Comentários encerrados em 08/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.