Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação Santa Tereza

Operação da PF investiga tráfico de mulheres e fraude no BNDES

A Polícia Federal de São Paulo prendeu na manhã desta quinta-feira (24/4) nove pessoas acusadas de praticar crimes de tráfico local e internacional de mulheres, de explorar prostituição e de participar de fraudes na ocncessão de empréstimos do BNDES. Foram emitidos 11 mandados de prisão e 18 ordens de busca e apreensão na chamada Operação Santa Tereza.

Segundo a PF, as investigações começaram em dezembro de 2007 para apurar denúncias sobre uma suposta quadrilha que explorava o tráfico de mulheres e a prostituição em São Paulo. A polícia diz que investigados mantêm uma casa de prostituição de alto luxo em São Paulo e que a mantinham em funcionamento à custa de suborno pago aos fiscais da administração pública.

No decorrer da apuração, descobriu-se o suposto esquema de desvio de verbas de financiamentos do BNDES. De acordo com a PF, dois financiamentos do BNDES neste ano foram fraudados. Em um deles foi emprestado R$ 130 milhões a uma prefeitura paulista. No outro, uma grande empresa do ramo varejista recebeu R$ 220 milhões. Cerca de 4% dos valores foram desviados dos empréstimos, diz a polícia.

Os empréstimos são pagos de forma parcelada. O desfalque de dinheiro é justificado ao BNDES com a apresentação de notas fiscais falsas de serviços de consultoria empresarial, segundo a PF. Pelo menos, outras duas prefeituras de São Paulo estão envolvidas no esquema, diz a polícia. O grupo de pessoas envolvidas no esquema de fraudes no banco estatal de investimentos, segundo a PF, seria composto por empresários, advogados e servidores públicos.


Revista Consultor Jurídico, 24 de abril de 2008, 13h06

Comentários de leitores

14 comentários

Obrigo-me a plagiar: "Avante PF". Sem implicar...

Silvio Curitiba (Advogado Associado a Escritório)

Obrigo-me a plagiar: "Avante PF". Sem implicar em juízo de valor, pré-juízo, prejulgamento: É bom ver caindo na rede peixes graúdos, não só bagrinhos.

Prerrogativa não é regalia. A proteção não é do...

Renério (Advogado Sócio de Escritório)

Prerrogativa não é regalia. A proteção não é do Advogado, e sim dos documentos e processos que lhe é confiado sob a proteção da lei. Não gosta da Lei, vá ao Congresso. Mandado Genérico não autoriza invadir escritório de Advogacia.

Pq ingressar em escritório de advocacia se trad...

João (Outros)

Pq ingressar em escritório de advocacia se traduz em 'mexer em vespeiro'? Existindo mandado de busca e apreensão, não há mal algum. Em caso de flagrante delito, também. Eu sou bacharel em direito e prezo muito a classe, mas não entendo porque alguns advogados teimam em gozar de regalias que a população, em geral, não goza. Afora uns picaretas privilegiados, não há porque criar privilégios como a OAB tenciona por meio de projetos de lei que tramitam no Congresso. Isso representa regalia que só se vê nesse país de bacharéis. Advogado honesto não aceita, não liga, é contra essas baboseiras. A maioria preza o nome e a profissão que tanto ama. Uns poucos, que vivem entre as capitais, às custas do órgão de classe, a OAB, é que se interessam por essas filigranas e picaretagens, até porque almejam, via quinto, gozar dessas regalias. Logo, ingresso em escritório de advogado, juiz, promotor, deputado, senador nada significa, acaso seja necessário.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/05/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.