Consultor Jurídico

Notícias

Propaganda federal

TSE nega pedido de investigação contra presidente Lula

O ministro Ari Pargendler, do Tribunal Superior Eleitoral, negou o pedido do DEM para que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja investigado por suposto abuso de autoridade, com o lançamento do programa do governo federal “Territórios da Cidadania”.

O DEM acusou Lula de usar o programa para fins eleitorais e diz que esse fato “é tão evidente que o investigado sobe no palanque para verdadeiros comícios eleitorais, sob o pretexto do lançamento do referido programa”.

Para o DEM, o presidente da República abusa de sua autoridade por dar extravagante e indevida publicidade ao lançamento e execução de programas sociais, quando deveria dar-lhes um tratamento mais sóbrio e institucional. De acordo com o pedido, esses “verdadeiros comícios” são utilizados para expor e enaltecer aliados — muitos deles pré-candidatos — bem como para lançar a candidatura da sucessão presidencial em 2010.

Ari Pargendler ponderou que o exame das causas que poderiam levar a uma ação de investigação, como pretendia o DEM, deve ser feito no contexto da própria petição inicial, que se reporta a dois ambientes eleitorais, o de 5 de outubro próximo (eleições municipais) e o pleito de 2010 (eleições presidenciais). De acordo com o ministro, no primeiro caso, a competência para julgar a procedência de uma ação de investigação é do juiz eleitoral. Já no segundo caso — das eleições majoritárias e proporcionais de 2010 — “parece dezarrazoado reconhecer os atos relatados na petição inicial como propaganda eleitoral antecipada”.

Ao analisar os objetivos do programa “Territórios da Cidadania”, o relator entendeu que a norma apontada pelo DEM como violada pelo presidente Lula prevê que “no ano em que se realizar eleição, a Administração Pública está proibida de distribuir gratuitamente bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública”, não foi violada, pois “nada no Programa Territórios da Cidadania, autoriza a conclusão de que ele proporcionará a distribuição bens, valores ou benefícios por parte da Administração Pública”.

O ministro lembrou que se a execução do programa se desviar das finalidades previstas, “a Corregedoria-Geral Eleitoral poderá ser acionada para tolher o que, em concreto, tenha contrariado a legislação eleitoral”.

Revista Consultor Jurídico, 15 de abril de 2008, 0h01

Comentários de leitores

3 comentários

Isso aí! Pro molusco, tudo. Afinal de contas, e...

Zerlottini (Outros)

Isso aí! Pro molusco, tudo. Afinal de contas, ele é o PRESIDENTE da nação. Ele pode tudo - e, com isso, "phode" o povo. Que votou e "revotou" nele. E vão votar outra vez, em 2014, quando ele se eleger novamente. Brasileiro gosta de sofrer... Francisco Alexandre Zerlottini. BH/MG.

Responder

DEM?? ..

futuka (Consultor)

DEM?? ..

Responder

Para Lula assumir que esta fazendo propagando s...

ERocha (Publicitário)

Para Lula assumir que esta fazendo propagando só falta dizer. Pois em atos, já o faz.

Responder

Comentários encerrados em 23/04/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.