Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prouni em foco

Derrota do Prouni é retrocesso na luta contra discriminação social

Por 

Considero totalmente elitista e inoportuna essa ação impetrada no STF pelo DEM e pela Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenem), que reúne as faculdades particulares, contra o Prouni, contestando a reserva de vagas com base na renda e no critério racial.

O Prouni colabora com a redução da desigualdade social, pois oferece a pessoas que antes não poderiam sequer pensar em freqüentar uma faculdade a possibilidade do ensino superior. A prova que essa ação é elitista está nas próprias declarações do advogado da Confenem, Ives Gandra Martins, que disse à imprensa: “O sistema de cotas do Prouni é injusto. Na prática, nós passamos a ter uma discriminação contra brancos ou contra pessoas com recursos”.

Ives Gandra esqueceu de mencionar que milhares de pobres e afro-descendentes jamais teriam a oportunidade de estudar se não fosse o Prouni, enquanto as pessoas com recursos, as quais ele se refere, têm inúmeras possibilidades de estudo e se utilizam, muito mais que os pobres e afro-descendentes, das universidades públicas.

Outra reclamação que não procede é quanto aos custos do programa para as universidades, pois sabemos que o governo Lula isenta as faculdades do pagamento de impostos para ressarcir o custo das bolsas de estudo.

Espero que os demais membros do STF sigam o voto do relator, ministro Carlos Ayres Brito, que na sua decisão declarou que “não há outro modo de concretizar o valor constitucional da igualdade, senão pelo decidido combate aos fatores reais de desigualdade”. A derrota do Prouni é um retrocesso histórico na luta contra a discriminação social existente no Brasil.

 é funcionário público federal.

Revista Consultor Jurídico, 10 de abril de 2008, 0h01

Comentários de leitores

7 comentários

Não é a toa que o Brasil é visto pelas nações d...

lopes (Estudante de Direito)

Não é a toa que o Brasil é visto pelas nações de primeiro mundo como um país cuja população,principalmente nas camadas de alta renda,não atingiu um desenvolvimento sociológico satisfatório, de acordo com critérios ocidentais de racionalidade.Trata-se de uma nação medíocre sem nenhuma capacidade de solidariedade,a qual repele mesmo aquelas mínimas ações de desenvolvimento social,requeridas por qualquer organização formada por homens.Infelizmente,o nível de solidariedade dos ricos brasileiros é inferior a encontrada em macacos rhesus.Pelo menos,os ricos brasileiros são úteis para comprovar a teoria de Darwin.Obrigado democratas!

Tudo culpa dazelite, como diria o nobre incauto...

Nicoboco (Advogado Autônomo)

Tudo culpa dazelite, como diria o nobre incauto...

Parece-me, também, que no tópico específico rel...

José Inácio de Freitas Filho. Advogado. OAB-CE 13.376. (Advogado Autônomo)

Parece-me, também, que no tópico específico relativo à questão da raça, o programa é falho, sobretudo porque não há critério científico perfeito para a delimitação do que seja "raça", sob o ponto de vista profundo e não apenas aquele decorrente da cor da pele. Sob o ângulo genético, um indivíduo de pele branca pode ter muito mais genes da matriz africana do que um outro, de pele morena. Ademais, a matéria não está sendo tratada com a imparcialidade necessária, do que têm advindo conflitos [velados ou não] em todas as áreas [no ambiente acaêmico e fora dele]. Por isto, pondero que o critério sócio-econômico é o único que deve merecer acolhida plena. José Inácio de Freitas Filho {Advogado - OAB/CE n. 13.376}

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 18/04/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.