Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vínculo de sangue

Mãe recupera guarda de filha depois de cinco anos

Depois de morar mais de cinco anos com família adotiva, uma menor deve voltar aos cuidados da mãe. A decisão é da 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. Os desembargadores reformaram decisão de primeira instância e negaram pedido de guarda definitiva para um casal que ficou com a criança quando a mãe não tinha condições de criá-la.

No julgamento, os desembargadores analisaram todas as provas do caso concreto, inclusive pareceres técnicos que opinam em favor da mãe. A decisão foi unânime. Para eles, se a mãe tem intenção de criar a filha, não é legítimo quebrar o vínculo de sangue que as une.

O recurso, contra decisão que concedeu a guarda para o casal, foi ajuizado pela mãe, que é menor de idade, com auxílio de um núcleo de assistência judiciária. A criança é fruto de estupro. De acordo com o processo, a menina foi violentada pelo padrasto e a criança nasceu desse relacionamento.

De acordo com a defesa, a mãe da criança nunca teve vontade real de entregar a filha para adoção. Afirmou que quando entregou a criança, estava passando por um momento extremamente conturbado. “Além de ter acabado de dar à luz, vinha sofrendo agressões físicas”. Para os desembargadores, houve vício no consentimento, circunstância que invalida a declaração da mãe em entregar a criança.

Conforme o Estatuto da Criança e do Adolescente, a adoção de menores que possuem pais conhecidos depende da anuência destes. Pareceres da Vara da Infância e da Juventude foram contrários à adoção. Segundo os técnicos, não existem fatos que impeçam que a mãe exerça seu direito à maternidade. Relatório da Secretaria de Saúde também afirma que não existe motivo para legitimar a manutenção da criança em família substituta.

Apesar de ter sido vítima de estupro, a mãe demonstra “capacidade e maturidade” para proteger a criança, dizem os técnicos. Segundo os desembargadores, o tempo não pode ser interpretado em desfavor da mãe.

Processo 2003.013.001.860-0

Revista Consultor Jurídico, 3 de abril de 2008, 13h59

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 11/04/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.