Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Desafio arbitral

É mais fácil fazer Justiça através da arbitragem, afirma Rezek

Por 

É mais fácil fazer Justiça através da arbitragem do que pelo Judiciário. A opinião é do advogado Francisco Rezek. Depois de citar exemplos da arbitragem internacional e de alguns desafios que o modelo terá de enfrentar, Rezek expôs as vantagens em se solucionar os conflitos através dela.

Durante sua palestra no congresso O Direito no Século XXI – Novos desafios, Rezek, que tem experiência na Corte Internacional de Arbitragem, acredita que é importante estimular a prática em todos os países. Como uma das vantagens do sistema arbitral no Brasil, o advogado citou a desvantagem da carga de processos que o Judiciário tem de julgar. “Não tem jeito, é humanamente impossível dar conta”, afirmou.

Outro ponto positivo apontado por Rezek é que, em seu entendimento, na arbitragem há mais “elasticidade” para inovar e encontrar caminhos. “Se não houvesse nenhuma outra razão, essa seria suficiente para nos entusiasmarmos com o futuro da arbitragem”, concluiu.

Visão internacional

Rezek contou a disputa entre a Eletronorte e uma empresa americana. Esta entrou com uma ação no Judiciário, porque a Eletronorte não queria se submeter à arbitragem, apesar de ter aceito a cláusula arbitral quando assinou o contrato. A empresa brasileira alegou que era estatal e que houve um vício de consentimento. “Consenti, mas não poderia ter consentido, sou uma estatal”, exemplificou Rezek.

O advogado explicou que ninguém pode ser imune ao foro arbitral depois que aceitou a cláusula. Isso porque a submissão à arbitragem é uma escolha consensual entre as partes envolvidas. O Judiciário acabou rejeitando a tese da Eletronorte.

Outra situação narrada pelo advogado foi a de duas decisões arbitrais opostas versando sobre casos idênticos. Dois entre vários investidores que aplicaram em um canal de TV, em Praga, sentiram-se lesados e buscaram a solução na arbitragem, um em Londres e outro em Estolcomo. O tribunal arbitral de Londres entendeu que não houve lesão, mas uma tentativa de enriquecimento fácil. Já em Estolcomo, a decisão foi contrária, pois estabeleceu que a República Tcheca pagasse ao investidor US$ 170 milhões. “Isso foi um escândalo”, constatou. Segundo o advogado, não há mecanismo para que haja jurisprudência e esse é um dos aspectos inquietantes do sistema arbitral.

Uma questão problemática e, segundo Rezek, comum não só no Brasil como no exterior, é o sistema de adiantamento de custas. Ele explica que muitas vezes a parte ré não honra o pagamento e não há meios para forçá-la a pagar metade do adiantamento de custas.

Coordenador da palestra, o advogado Cassio Namur, do escritório Souza, Cescon Avedissian, Barrieu e Flesch, também acredita que para questões complexas o sistema arbitral é melhor para resolver conflitos. Segundo ele, o juiz é preparado para resolver assuntos inerentes ao Judiciário, como direitos fundamentais, de personalidade e obrigações menos complexas.

“O juiz não está preparado para casos de maior complexidade. Não é uma crítica, mas o sistema funciona assim. Normalmente, não desejam julgar isso, porque estão preparados para analisar outra coisa, além de ter um acúmulo de trabalho enorme”, afirma.

 é correspondente da Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 3 de abril de 2008, 0h01

Comentários de leitores

7 comentários

Dr. Murassawa. Novamente volto a insistir com V...

ADEVANIR TURA - ÁRBITRO - MEDIADOR - CONCILIADOR (Outros - Civil)

Dr. Murassawa. Novamente volto a insistir com Vossa Senhoria: Procure se inteirar da Lei Federal 9.307/96 e depois comente-a. O sr. diz que o brasileiro não está adaptado para a Arbitragem, e como então se explica as opiniôes de grandes juristas inclusive as dos ilustres membros de nossos Tribunais superiores, incentivando o uso da Arbitragem? Eles estão equivocados?

Obervando o comentário feito pela(o) DINARTE, v...

ADEVANIR TURA - ÁRBITRO - MEDIADOR - CONCILIADOR (Outros - Civil)

Obervando o comentário feito pela(o) DINARTE, venho a esclarecer, que a Arbitragem jamais poderá postergar uma a resolução de qualquer procedimento ou processo arbitral, tendo em vista, que a Lei 9.307/96, determina em seu artigo 23,que a sentença arbitral deverá ser proferida pelo prazo de 06 meses. Portanto, não há postergação em hipótese alguma. Caso queira, pode usar a Arbitragem sem medo, além disso, a sentença proferida pelo Árbitro, de acordo com o artigo 18 da referida lei,não fica sujeita a homologação pelo Poder Judiciário, e caso não venha a ser cumprida poderá ser executada. Se precisar mais informações a respeito do Instituto da Arbitragem, terei prazer em atendê-lo. envie e-mail: turaadevanir@ig.com.br; que responderei. (Autor do livro: Curso Prático de Arbitragem Nacional e Internacional)- Ed. JH mizuno.

Importante ressaltar a mediação e a conciliação...

Nanda (Estudante de Direito - Ambiental)

Importante ressaltar a mediação e a conciliação também, não só para desafogar o judiciário, mas a resolução pacífica de conflitos. Muitas vezes, casos em que se poderiam resolver com uma conversa, acabam chegando ao Judiciário. Na faculdade, a gente ainda aprende mais o caminho da peregrinação judicial do que abrir as portas para uma conciliação. Claro que temos que aprender sobre as vias judiciais, mas uma humanização seria muito bom.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 11/04/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.