Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Definição de sexo

MPF-SP debate o documentário Uma Questão de Gênero

O Ministério Público Federal de São Paulo exibe, na quinta-feira (3/4), às 15h30, o documentário Transexualidade: Uma Questão de Gênero". Após a exibição do filme, que discute as implicações jurídicas, sociais e psicológicas da mudança de sexo, farão palestras o diretor do filme Rodrigo Najar e dois dos sete transexuais cujas vidas são contadas no documentário.

Após exibição do documentário e dos depoimentos, o público poderá debater a questão da transexualidade e suas implicações legais e sociais com o juiz de direito Guilherme Madeira, da 2ª Vara de Registros Públicos de São Paulo e o advogado Gustavo Menezes, da Associação da Parada do Orgulho Gay de São Paulo.

A equipe do documentário Uma Questão de Gênero acompanhou durante um ano a vida de sete pessoas que, em comum, têm o fato de terem mudado de sexo. Homens que nasceram mulheres e mulheres que nasceram homens contam como se descobriram transexuais e como buscam viver em sua verdadeira identidade de gênero.

A luta para serem aceitos pela família e pela sociedade, o tratamento hormonal, a cirurgia de redesignação sexual e a batalha judicial pela troca do nome e do sexo no registro civil são alguns dos obstáculos que os transexuais têm que superar e que o documentário se empenha em mostrar.

O documentário, de 90 minutos, tem direção, roteiro e produção de Rodrigo Najar, fotografia de Elton Luz e produção e edição de Têmis Nicolaidis. O filme será exibido no auditório da Procuradoria da República no Estado de São Paulo. Não é necessário inscrever-se previamente. Como o auditório tem lugares limitados, o MPF sugere que os interessados cheguem com pelo menos meia hora de antecedência.

Serviço

Evento: Transexualidade: Uma Questão de Gênero

Data: 3 de abril

Horário: 15h30

Local: Auditório da Procuradoria da República no Estado de São Paulo. Rua Peixoto Gomide, 768, térreo, São Paulo-SP

Lotação: 70 lugares

Entrada Gratuita

Outras informações e inscrições: pelo telefone (11) 3269-5368 ou no e-mail ascom@prsp.mpf.gov.br

Revista Consultor Jurídico, 2 de abril de 2008, 0h02

Comentários de leitores

1 comentário

A questão da opção sexual de cada um deve ser e...

Luiz Guilherme Marques (Juiz Estadual de 1ª. Instância)

A questão da opção sexual de cada um deve ser encarada pelas leis e pela Justiça com o maior respeito, uma vez que trata-se de um assunto que diz respeito somente à própria pessoa. Contanto que não se corrompa outras pessoas, cada qual tem o direito de escolher a opção que lhe parece melhor. A conformação morfológica nem sempre coincide com o íntimo de cada pessoa. Em caso de pretender mudar de sexo, a Justiça deve analisar se tal representa uma opção realmente séria ou se é uma decisão de que a pessoa possa se arrepender. Não se deve nunca obrigar alguém a uma opção sexual que não lhe seja espontânea. O ser humano é sempre digno do maior respeito, acima de adotar a sexualidade convencional ou não.

Comentários encerrados em 10/04/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.