Consultor Jurídico

Notícias da Justiça

Veja o noticiário jurídico dos jornais deste sábado

O ministro Ricardo Lewandowski do Supremo Tribunal Federal, relator do inquérito aberto contra Renan Calheiros (PMDB-AL), já recebeu da Receita Federal informações sobre a renda e a sua movimentação bancária desde 2000. De acordo com a Folha de S. Paulo, o ministro só espera da Polícia Federal o resultado da perícia feita nos documentos apresentados por Renan ao Conselho de Ética do Senado para encaminhar toda a documentação ao procurador-geral da República.

A quebra do sigilo fiscal e da movimentação financeira do senador foi autorizada por Lewandowski, a pedido do procurador-geral, há um mês. Esse tipo de quebra de sigilo bancário não permite acesso a dados sobre depósitos e transferências.

Voto aberto

Depois da votação secreta que garantiu a permanência de Renan Calheiros na presidência do Senado, o senador Marco Maciel (DEM-PE) decidiu colocar a questão do voto na pauta da Comissão de Constituição e Justiça. Escolheu Tasso Jereissati (PSDB-CE) para relatar as propostas de emenda à Constituição que acabam todas as votações secretas no Congresso, nas Assembléias e nas Câmaras.

À Folha, Jereissati admitiu que pretende manter o sigilo em alguns casos. “Existem ponderações sobre algumas questões, como em casos de guerra, de segurança nacional, e inclusive de eleição de ministro do STF, que precisam ser mais bem avaliadas”, declarou.

Renan e a CPMF

O presidente Lula se encontra com Renan Calheiros (PMDB-AL), na terça-feira (18/9). A conversa deve girar em torno de estratégias para aprovação da CPMF e da eventual licença do presidente do Senado. Segundo a Folha de S. Paulo, a idéia é insistir na hipótese de licença temporária, 30 dias, para facilitar as conversas com a oposição para prorrogar o imposto até o fim de 2011.

O Estado de S. Paulo diz que a pedido do Palácio do Planalto, o presidente da Câmara dos Deputados Arlindo Chinaglia (PT-SP), marcou oito sessões de votação para a semana que vem. Esta seria uma megaoperação para tentar aprovar a CPMF até 2011. Todos os deputados foram informados de que quem faltar sofrerá desconto salarial.

Corte no orçamento

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), decidiu cortar em R$ 17 milhões o orçamento do Judiciário estadual para 2008. O Tribunal de Justiça decidiu que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal contra o corte. “O governo está agindo de modo inconstitucional”, declarou à Folha, o presidente do tribunal, desembargador Marco Antônio Barbosa Leal. Para a governadora, a diferença de R$ 17 milhões é muito pequena para gerar impasse.

Anistia post-mortem

Os clubes Militar, Naval e da Aeronáutica recorrer à Justiça Federal para anular a portaria do Ministério da Justiça que promoveu ao posto de coronel o ex-capitão do Exército Carlos Lamarca, guerrilheiro morte em 1971, no regime militar. O ato assinado pelo ministro Tarso Genro concede anistia política a Lamarca e determina o pagamento, como reparação econômica, de R$ 902,7 mil a sua mulher. Além de pensão mensal no valor de R$ 11.444,40.

Segundo O Estado de S. Paulo, o ministro Tarso Genro acredita que a Justiça vai confirmar a anistia post-mortem. “Vai provocar uma decisão definitiva sobre o assunto e acho que vai consolidar a posição assumida pela Comissão de Anistia”, declarou.

Ao vivo

A Assembléia Legislativa de São Paulo vai transmitir pela TV o trabalho dos deputados. Seis câmeras foram instaladas no plenário da Casa, de acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo. As imagens ao vivo também poderão ser acessadas pela Internet.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de setembro de 2007, 11h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 23/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.