Consultor Jurídico

Comentários de leitores

14 comentários

Jamais pisei em solo de um Estado, que não perg...

Luís da Velosa (Bacharel)

Jamais pisei em solo de um Estado, que não perguntasse como está a Corte Suprema. Se não for respeitada, acreditada, tiro os pés de fininho dessa borda vulcânica, e arredo-me para outras plagas...

Oportuna entrevista e bem claros os enunciados....

Alfredo Attié (Outros)

Oportuna entrevista e bem claros os enunciados. Ouso recomendar a crítica em "As vozes privadas de muitos libertaram-se pelo lapso de um", no Conjur de 10/09.

Queria ver essa falada transparência em toda a ...

morja (Advogado Autônomo)

Queria ver essa falada transparência em toda a esfera pública, no legislativo com leis de qualidade, na esfera federal menor ganância em tributar bem como a aplicação dos tributos com mais eqüidade, nos estados e municípios os mesmos procedimentos aplicados, na questão dos falados precatórios tem velhinho morrendo e como indigente recebendo o caixão seu salário só dava para comprar remédios. Em ambas as administrações públicas têm muito dinheiro para pagar os DAS de políticos isso é lastimável, num país de muitos pobres.

Apenas de passagem eu gostaria que os eminentes...

Marmo (Advogado Sócio de Escritório - Administrativa)

Apenas de passagem eu gostaria que os eminentes juristas, ao elaborarem suas críticas e avaliações sobre a conduta do Supremo Tribunal Federal, não se esqueçam de abordar a questão dos calotes dos precatórios alimentares nos Estados e Municípios. Acontece que o Supremo deu carta branca aos Estados e Municípios (especialmente o Estado de São Paulo) para calotear os precatórios alimentares e estamos completando o décimo ano de atraso, incrível, no cumprimento das decisões judiciais transitadas em julgado. O Brasil é o único pais do mundo que adota essa aberração chamada precatório e talvez, também o único, onde o Estado se utiliza pesadamente da instituição do Poder Judiciário para cobrar do cidadão todos os seus interesses com celeridade, rigor e até prisão, mas, nas ações que lhe foram contrárias, em decisões da mesma Justiça, cumpre se quiser, paga se quiser e que se dane o mundo! É preciso, sinceramente, que essa questão seja abordada com responsabilidade. Os credores dos precatórios alimentares, na maioria servidores públicos, estão morrendo e já está faltando lã para as tricoteiras do Rio Grande do Sul que protestam silenciosamente há anos para receber o que por justiça lhes é devido. E ainda existe a emenda Renan Calheiros que pretende legalizar o calote.

Transparencia não quer dizer justo, imparcial;...

mario (Consultor)

Transparencia não quer dizer justo, imparcial; tanto assim que existem muitos julgados pelo tribunal internacional de Haya, exatamente para consertar "injustiças" do nosso supremo. Pena que não são divulgadas todas as decisões do tribunal internacional, talvez serviriam para melhor colocar o povo e julgadores, iguais perante a lei, garantidas as hierarquias. mario

Muito bem se houve o procurador da Fazenda Naci...

Luís da Velosa (Bacharel)

Muito bem se houve o procurador da Fazenda Nacional, constitucionalista José Levi Mello do Amaral Júnior, quando enalteceu a figura colossal do ex-ministro do STF, Aliomar Baleeiro. Hoje, seus irmãos da Bahia, cultivam com conspicuidade a sua memória. Aliomar era banhado de sindérese, faculdade de poucos juízes. "O Supremo Tribunal Federal, queiram ou não queiram, está sempre certo." Min. Aliomar Baleeiro. Amém. Luís da Velosa

Sorry Dr. ex-Procurador. Sua grei não recomenda...

allmirante (Advogado Autônomo)

Sorry Dr. ex-Procurador. Sua grei não recomenda. Como soltar porque não tem para onde correr? Esta dialética é também importada da Sorbonne? Sorry, de novo, senhor procurador. O supremo é supremo diante dos outros tribunais. Supremo da Nação mora no Alvorada. Pelo menos está convencido disso, pela própria constituição cidadã, na verdade vilã. Sorry, por último, senhor ex-procurador. Não há que se comparar os 20 de ditadura militar com os 20 das diretas já. Brucutú não machucava. Diretas colocaram o povo na lona.

O STF necessita brilhar em outras ações, quando...

Roberto Fernandes Rocha Barra Dias Moreira (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

O STF necessita brilhar em outras ações, quando julga aquelas barbaridades do Governo, dos impostos confiscados dos inocentes empresários e quando julgar as ações contra os banqueiros que empobressem o povo brasileiro a cada dia, com juros e taxas nas alturas.Esperamos que tenham todos a mesma garra como teve o destemido e corajoso Ministro Joaquim Barbosa.Vai fazer escola?

Esperamos agora que o STF continue brihando com...

Roberto Fernandes Rocha Barra Dias Moreira (Advogado Associado a Escritório - Criminal)

Esperamos agora que o STF continue brihando com as suas luzes,a imparcialidade,impessoalidade e a imunidade a pressões dos milhares de "santinhos" soltos por ai e condene exemplarmente a todos com as penas máximas.Aqueles do mensalão devem ser expurgados como se fazem com os ratos e as baratas,para sempre.

Diante das barbaridades jurídicas praticadas pe...

olhovivo (Outros)

Diante das barbaridades jurídicas praticadas pela PF e chanceladas por juízes e tribunais inferiores, ainda bem que existe um Supremo para consertá-las. Prisões cautelares com fundamentos abstratos, denúncias ineptas, julgamentos impregnados de covardias e outros ingredientes extra-legais... Tudo isso rola leve e solto por este Brasil afora, como se Constituição não existisse. Se não fosse o STF isso iria virar, mais do que já é, uma terra sem direitos e garantias fundamentais. Cães ladram mas a caravana passa. É isso.

Resgatar a era da cultura, independencia e sobr...

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Resgatar a era da cultura, independencia e sobretudo da decencia. É o que se precisa.

digo, fossem

Armando do Prado (Professor)

digo, fossem

Mas, tem a história na mão, como o ministro Ero...

Armando do Prado (Professor)

Mas, tem a história na mão, como o ministro Eros que disse que se não fosse os ministros, a corda diariamente tecida pela oligarquia e pela mídia seria usada em alvos pescoços. Torço para que a corda seja usada...

Sim, apenas que substituiu o MP: não pode abrir...

Armando do Prado (Professor)

Sim, apenas que substituiu o MP: não pode abrir geladeira, que começa a dar entrevista. E outra coisa: começou a aceitar manchete como indício.

Comentar

Comentários encerrados em 17/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.