Consultor Jurídico

Privilégio ou prerrogativa

Procurador-geral e advogado divergem sobre extensão de foro

Retornar ao texto

Comentários de leitores

6 comentários

Imagine-se um juiz de 1º grau julgar determinad...

Orlando Maluf (Advogado Sócio de Escritório)

Imagine-se um juiz de 1º grau julgar determinadas figuras públicas de notório poder, como quer o douto representante do M.P.; além das enormes dificuldades acarretadas pelo processo em si, a possibilidade de recursos a várias instâncias ou graus é que naturalmente levariam a maiores possibilidades de impunidade. O melhor seria (e não somente parta o caso em debate) equipar em material humano e tecnologia as cortes superiores para que seu desempenho possa apresentar resultados satisfatórios à cidadania.

Concordo plenamente com o Dr. Artur. Infeliz...

Manente (Advogado Autônomo)

Concordo plenamente com o Dr. Artur. Infelizmente, no Brasil, existe um BANDO DE APROVEITADORES QUE UTILIZAM DE ALGUMAS REGALIAS, PARA TIRAR PROVEITOS DOS COFRES PÚBLICOS. AINDA BEM, ESPERO QUE O STF NÃO DECEPCIONE E QUE NUM FUTURO BREVE CONDENE OS 40 ESPERTINHOS (EMBORA SAIBA QUE DIFICILMENTE IRÃO PARA CADEIA). TEMOS QUE DAR UMA BASTA NA IMPUNIDADE QUE ESTA IMPERANDO NESTE PAÍS MARAVILHOSO E QUE LAMENTAVELMENTE, ESTA SENDO DIRIGIDO POR ALGUNS PÉSSIMOS GOVERNANTES.

O foro deve exitir somente em relação ao presid...

M.P. (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

O foro deve exitir somente em relação ao presidente e governadores. No mais, é sinônimo de impunidade. Basta ver os fatos e a mora dos julgamentos.

Esqueci. Quero cumprimentar o Mariz pela sua br...

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Esqueci. Quero cumprimentar o Mariz pela sua brilhante defesa ( notável que é ) e dizer que o debate foi muito importante para a sociedade.

A questão da prerrogativa de função não é jurid...

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A questão da prerrogativa de função não é juridica. É antes, politica. Devemos, em nome da democracia ouvir o povo para que ele decida ( talvez num plebiscito ou ocnsulta popular) o que deseja neste caso e em muitos outros. Como cidadão e advogado e se fosse consultado eu opinaria no sentido de restringir ao máximo possivel a concessão de foro privlegiado. Do jeito que está colocado tornou-se um privilégio a toda e qualquer autoridade que nada mais são que servidores do povo.

(...)Não posso entender que um presidente de tr...

Ramiro. (Advogado Autônomo - Criminal)

(...)Não posso entender que um presidente de tribunal possa ser julgado por um juiz de primeira instância, recém-ingresso na magistratura, inexperiente.(...) O nobre advogado pode por uma afirmação como esse ser rotulado por um "fessô" qualquer de plantão como paranóico e estar falando sandices... Continuo tendo minha opinião pessoal que há indícios de um rancor entre as primeiras instâncias e os Tribunais, sejam Estaduais, Regionais Federais, STJ e STF. Esse discurso da "pureza moral da magistratura de primeira instância" lembra o mesmo discurso da "pureza moral e ideológica do operário e campesino" do Khmer Rouge, este adepto e efetivador de uma "justiça rápida e desburocratizada".

Comentar

Comentários encerrados em 9/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.