Consultor Jurídico

Seqüência de erros

Prefeitura de São Paulo reconhece que errou mas não se corrige

Por 

O erro é meu, mas não tenho nada a ver com isso. Com essa justificativa a Prefeitura de São Paulo foi à Justiça para garantir o direito de não corrigir irregularidade no cadastro fiscal de um imóvel, no Jabaquara (zona sul da capital). O processo é um exemplo da irracionalidade que uma cultura litigiosa — sustentada no confronto e no desrespeito ao direito alheio — traz aos envolvidos e à sociedade, que custeia com o sacrifício da máquina judiciária tão mal usada pelo contribuinte e pelo poder público.

Liu Hsu Tung é dono do imóvel nº 58, da rua Ramiro Barcelos. O terreno, registrado no 8º Cartório de Registro de Imóveis e no cadastro de contribuintes da prefeitura paulistana, foi cedido à empresa Tricury Construções e Participações Ltda que, por sua vez o cedeu para a Master Incosa Engenharia S/A, para ser usado como canteiro de obras do terreno vizinho, onde foi erguido o Condomínio Edifício Piazza D’Spagnia.

A obra foi erguida e quando da expedição do certificado de conclusão o fiscal da prefeitura cometeu o erro: incluiu o terreno de Liu Hsu Tung no cadastro fiscal de contribuinte em nome do condomínio. O cartório averbou a conclusão e o cadastro municipal errado. O que era um simples erro de inclusão, que poderia ser resolvido na esfera administrativa, terminou indo parar na Justiça, onde tramita por mais de sete anos.

Tung não denunciou o erro à prefeitura preferindo partir para o litígio. A empresa Master Incosa, que sabia do erro, não se preocupou em ajudar o dono do imóvel na solução. O Condomínio Edifício Piazza D’Spagnia foi além da seqüência de erros e ainda sugeriu que era dono do terreno. A prefeitura, que desencadeou toda confusão, no lugar de conserta o equívoco, optou por transferir para o dono do imóvel o ônus de requerer ou provar o erro.

“A isso se dedica o Judiciário, cuidando do que não precisaria cuidar e não conseguindo cuidar de modo satisfatório dos casos em que é necessária a intervenção judicial”, desabafou o relator do recurso da prefeitura, desembargador Torres de Carvalho, da 10ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo. Para ele, em vez de consertar o erro, a prefeitura preferiu contestar a ação e ao final recorrer da decisão que apenas determinou o que ela sabia que tinha de fazer, onerando os cofres públicos com os custos de uma demanda que poderia ter sido evitada.

O relator classificou como “inércia” e “insensibilidade administrativa” a postura da prefeitura. “Não se entende os anos de litígio por uma questão que pessoas razoáveis teriam resolvido à volta de uma mesa, cada uma fazendo o que lhe competia fazer”, afirmou o desembargador. “A sentença está correta, cabe a prefeitura, que errou sozinha consertar o erro sozinha”, completou Torres de Carvalho.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 15 de outubro de 2007, 1h26

Comentários de leitores

6 comentários

" é isso aí Coelho, tô contigo e não abro! " v...

futuka (Consultor)

" é isso aí Coelho, tô contigo e não abro! " vamos cuidar para que o maior não veja esse nosso comentário..senão, ai, ai

Como a Justiça faliu, nada a fazer. A ordem que...

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Como a Justiça faliu, nada a fazer. A ordem que os procuradores recebem da cúpula da PMSP é procrastinar ao máximo todos os processos em que a mesma for devedora. Recorram! Recorram! Como a Justiça não funciona, pela sua incapacidade, repito, nada a fazer.

VAGABUNDO!!! VAGABUNDO!!! Ao ler essa repo...

E. Coelho (Jornalista)

VAGABUNDO!!! VAGABUNDO!!! Ao ler essa reportagem eu lembrei imediatamente do prefeito aquele, que chamou o cidadão de VAGABUNDO!!! Vagabundo é quem não tem o que fazer, ou não faz o precisa fazer, que age sem seriedade ou desonestidade, canalha, biltre. No caso em tela quem se enquadra nessa definição de vagabundo: o contribuinte ou a municipalidade? Enquanto isso, o Judiciário fica atolado de serviço gerado pelo maior e pior cliente: O PODER PÚBLICO! O contribuinte, bem, esse paga a conta.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 23/10/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.