Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Grampo no telefone

Ao juiz cabe obedecer a lei, e não ir além dela

Por 

É necessário que todas as categorias que atuam no mundo jurídico tomem lanças para combater a conduta judicante de atuar como legislador. Esta função não cabe de modo algum ao Judiciário, mas tão somente dizer do Direito.

Vale observar um excelente artigo publicado na revista Redação Jurídica – A Palavra do Advogado, número 6/03, sob os auspícios da OAB-RJ, cujo título informa que “O juiz não é um legislador”. A matéria chama bem atenção de que há juízes que vão além do que expressa o conteúdo formal e semiótico do texto de uma lei. Há juízes que “criam” Direito, conduzindo sua interpretação para além do que conota e denota o conteúdo textual de uma norma.

Já o consagrado jurista italiano Mauro Capelletti, que lecionou na Itália e nos Estados Unidos, em seu livro Juízes legisladores?, nos faz duas oportunas e atuais colocações ao afirmar que “o verdadeiro problema não é o da clara oposição na realidade inexistente entre conceitos de interpretação e criação do Direito. O verdadeiro problema é outro, ou seja, o do grau de criatividade e dos modos, limites e aceitabilidade da criação do Direito por obra dos tribunais judiciários.”

E no outro ponto desta sua mesma obra Capelletti, constatando excesso e até abuso de magistrados que vão além da lei, diz que “embora a interpretação judiciária seja e tenha sido sempre e inevitavelmente em alguma medida criativa do Direito, é um dado de fato que a maior intensificação da criatividade da função jurisdicional constitui fenômeno do nosso século.”

Nos dias de hoje, o que se vê e se acompanha são magistrados conduzindo-se em deferir além do que estabelece a lei de interceptação telefônica (Lei 9296, de 24/7/96). Esta lei em seu artigo 5º determina que a concessão para escuta telefônica “não poderá exceder o prazo de 15 dias, renovável por igual tempo uma vez comprovada a indispensabilidade do meio de prova”.

O que se tem visto é que as escutas telefônicas transcendem esse prazo e sua renovação de forma excessivamente multiplicada. Houve períodos de gravações que se repetiram por mais de 18 vezes, fato que não está na lei, que não é permitido porquanto esta lei fala no prazo de 15 dias e mais uma renovatória de igual período. Além disso, sabe-se que a autoridade investigadora não apresentava progresso no seu trabalho apuratório e tecia simplesmente pedido de renovação sem conteúdo qualitativo e o juiz apenas deferia.

Ora isto não seria percebido se não houvesse agora a divulgação na revista Época de que há no Brasil 300 mil pessoas sendo escutadas pela Polícia Federal. E na revista Consultor Jurídico, de 27/10/07, há uma análise bem detalhada sob o título “Invasão de privacidade — Trezentos mil brasileiros estão com telefone grampeado”. E ali é observado que “cerca de 300 mil brasileiros estão com o telefone grampeado. A estimativa é de Neri Kluwe, presidente da Associação de Servidores da Agência Brasileira de Inteligência (Asbin). Segundo ele, apenas 15 mil escutas funcionam dentro dos limites da lei. O resto é clandestino”.

Assim, embora a clandestinidade (leia-se sem autorização judicial) grasse sobremodo, parte de autorizações são fruto do fato de que alguns juízes vão sempre além do que consta na norma expressa. É oportuno observar que ao juiz de fato cabe interpretar o que existe e o que não existe, mas jamais lhe sendo permitido estabelecer enfoque pessoal, singular, pois a lei precisa ser interpretada no peso significativo de suas palavras. Nada além disso.

Em algumas dessas muitas operações policiais, houve excesso de períodos de gravação, mas excesso esse abonado por juízes que não se atentaram ao limite estabelecido na Lei 9.296/96.

Como é assustador o número de cidadãos grampeados, até de forma clandestina, é preciso que o Judiciário se atente para o cumprimento da lei evitando contribuir em legitimar prolongamentos que ferem o senso e a norma da lei.

 é advogado.

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2007, 0h00

Comentários de leitores

21 comentários

A escuta tem uma regulamentação claríssima, dá ...

Ramiro. (Advogado Autônomo)

A escuta tem uma regulamentação claríssima, dá para perceber que é um instrumento assessório para persecução criminal, um recurso para concluir a comprovação de indícios. Infelizmente o que se vê são falácias de usar a tese para provar a própria tese, erro crasso em lógica dedutiva. No mais. Estas falácias têm em comum o facto de falharem a prova de que a conclusão é verdadeira. http://www.criticanarede.com/point.htm Petição de Princípio (petitio principii) A verdade da conclusão é pressuposta pelas premissas. Muitas vezes, a conclusão é apenas reafirmada nas premissas de uma forma ligeiramente diferente. Nos casos mais subtis, a premissa é uma consequência da conclusão. Exemplos: Dado que não estou a mentir, segue-se que estou a dizer a verdade. Sabemos que Deus existe, porque a Bíblia o diz. E o que a Bíblia diz deve ser verdadeiro, dado que foi escrita por Deus e Deus não mente. (Neste caso teríamos de concordar primeiro que Deus existe para aceitarmos que ele escreveu a Bíblia.) Prova: Mostre que para acreditarmos nas premissas já teríamos de aceitar a conclusão. "As escutas telefônicas sem limites e sem cerceamentos por parte dos rábulas são essenciais e imprenscindíveis para desbaratar o crime. Logo não se pode opor ações restritivas de nenhuma ordem à prática de escutas telefônicas". Sem mais comentários... Daqui a pouco dirão que direito não é uma ciência exata. De fato é uma ciência social. No entanto pensar num direito totalmente desconectado da lógica formal dedutiva, valha-nos Deus. "Tu é safado que eu sei. Por que o acusado é safado? Por que eu sei que ele é safado e estou dizendo! E quem falar que faltam verdadeiras evidências é tão safado quanto ele".

Eu infelizmente vejo muita confusão no aspecto ...

Ramiro. (Advogado Autônomo)

Eu infelizmente vejo muita confusão no aspecto de lógica formal entre tese e hipótese. A polícia trabalha com teses, com ilações. Idem MPF, e parece que trabalham mal. http://www.criticanarede.com/motive.htm Apelo ao povo (argumentum ad populum) -Toda a gente sabe que a Terra é plana. Então por que razão insistes nas tuas excêntricas teorias? Algo do gênero. "-Todos sabem que as escutas telefônicas são o único meio, logo imprenscindível, para investigação dos crimes complexos. Por que a advocacia, bando de rábulas, insiste em desqualificar tal instrumento?" E a análise contábil de especialistas? Para que há sujeitos que se submetem às rígidas bancas de doutorado em análise contábil, em econometria, para saberem indicar quando as contas não fecham, onde não fecham, e por que não fecham? Para quê? Para os doutos exclusivamente em direito, na visão da "independência e impunidade do agente estatal", decidir que são dispensáveis, pois as escutas telefônicas são o único meio confiável para resolver a questão? http://www.criticanarede.com/induct.htm Generalização Precipitada Fred, o australiano, roubou a minha carteira. Portanto, os Australianos são ladrões. (Claro que não devemos julgar os Australianos na base de um exemplo.) "As escutas telefônicas desbarataram poderosas quadrilhas, logo são eficientes e imprescindíveis". E o número de erros? O número de absolvições que ainda poderão acontecer? As escutas apontaram onde estavam as fraudes contábeis? Ou a acusão sustenta seus argumentos na base do "ele é safado que eu sei, e ele admite na interceptação telefônica". Cadê o raio das provas materiais, dos balanços contábeis, dos números que não fecham e não sustentam as movimentações financeiras que são acusadas de ilegais?

A policia trabalha sempre com hipóteses, mesmo ...

paecar (Bacharel)

A policia trabalha sempre com hipóteses, mesmo quando o criminoso se apresenta e confessa o crime. Se ela não puder vasculhar os contatos telefônicos, postais, contas bancárias e outros sigilos mais, deve fazer o quê?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 03/12/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.