Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Remuneração de servidores

Lei em vigor há 18 anos é declarada inconstitucional pelo STF

O Plenário do Supremo Tribunal Federal declarou, nesta quarta-feira (21/11), a inconstitucionalidade dos artigos 4º e 5º da Lei 227/89, do estado de Rondônia. O primeiro artigo deles concedia um reajuste salarial de 10% ao funcionalismo público estadual e estabelecia o mês de maio como data-base para reajuste dos servidores do estado. Já o segundo determinava a equiparação dos reajustes desses servidores com os da União. A decisão foi unânime.

Os dois dispositivos foram questionados na Ação Direta de Inconstitucionalidade proposta pelo governo de Rondônia no ano da promulgação da lei. A norma surgiu de uma proposta de iniciativa do próprio Poder Executivo estadual, mas foi emendada pela Assembléia Legislativa, que manteve posteriormente sua decisão, derrubando vetos do governador aos dois dispositivos hoje declarados inconstitucionais pelo Supremo.

A relatora, ministra Carmen Lúcia, acolheu os argumentos do governo de Rondônia e da Procuradoria-Geral da República, de que a mencionada lei fere o artigo 61, parágrafo 1º, inciso II, "a", da Constituição Federal, que dispõe serem de iniciativa privativa do presidente da República — e, por analogia, também dos chefes dos Executivos estaduais — as leis que disponham sobre a criação de cargos, funções ou empregos públicos na administração direta, autárquica ou aumento de sua remuneração. Também fere, segundo ela, o artigo 63, I, que veda o aumento de despesa nos projetos de iniciativa exclusiva do chefe do Executivo.

A ministra considerou, ainda, que os dispositivos ferem o artigo 37, incisos X e III, da Constituição Federal, que exige lei exclusiva para fixação da remuneração dos servidores e dos subsídios dos ministros e secretários estaduais, bem como veda a vinculação ou equiparação de qualquer espécie remuneratória para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público.

ADI 64

Revista Consultor Jurídico, 22 de novembro de 2007, 0h02

Comentários de leitores

3 comentários

justiça que tarda falha!!!

J.Henrique (Funcionário público)

justiça que tarda falha!!!

Vamos entender a justiça. Maluf não pode ser p...

Zito (Consultor)

Vamos entender a justiça. Maluf não pode ser processado em face a idade, prejuízo para toda a sociedade (IMPUNIDADE. Pimenta Neves, réu confesso solto. Pai de família que não trabalha, vai para cadeia porque não pode pagar a pensão alimentícia (Isto sim que é a verdadeira Justiça).

Dezoito inacreditáveis anos!!!!!!! Habeas Corp...

Mário de Oliveira Filho (Advogado Sócio de Escritório)

Dezoito inacreditáveis anos!!!!!!! Habeas Corpusem São Paulo = 100 dias!!!! Habeas Corpus STJ (paciente preso) = até 6 meses!!!!!!!!! Paciente solto = só Deus sabe quando!!!!!!!!!!!!!!! Habeas Corpus STF = idem!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Processos em 1ª Instância = anos a fio!!! Não sepode perder a capacidade, de no mínimo se indignar !!!!!!!!!

Comentários encerrados em 30/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.