Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação Curto-Circuito

PF prende acusados de dar aval fraudulento para empréstimos

Por 

A Polícia Federal prendeu na manhã desta quarta-feira (21/11), na região metropolitana de Porto Alegre, sete suspeitos de envolvimento com fraudes na Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE). Um oitavo homem, que também teve mandado de prisão expedido, estaria foragido na Alemanha.

Em 23 de maio passado foi revelado que a estatal, mesmo proibida pela Lei de Responsabilidade Fiscal de dar aval em financiamentos a empresas privadas, constava como fiadora em 12 contratos de empréstimos internacionais. O aval foi dado entre 2005 e 2006, em favor de pelo menos quatro usinas do Rio Grande do Sul e uma do Paraná. O valor dos empréstimos era de 157 milhões de euros — aproximadamente R$ 410 milhões.

Os mandados de prisão preventiva foram expedidos pela 1ª Vara Federal Criminal de Porto Alegre. O Núcleo de Repressão a Crimes Financeiros da Superintendência da Polícia Federal no Rio Grande do Sul batizou a ação de Operação Curto-circuito.

Os policiais investigam supostos crimes contra o sistema financeiro nacional em razão do oferecimento de garantias em nome da CGTEE para obtenção de financiamento junto ao banco alemão KFV, por meio de fraude. Dois ex-diretores da companhia estão entre os presos. O diretor-presidente da CGTEE, Sereno Chaise, revela que uma sindicância interna já apurava as irregularidades e que um diretor já havia sido demitido.

 é repórter especial da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 21 de novembro de 2007, 17h16

Comentários de leitores

1 comentário

Sem hipocrisia, solicito essa cortesia: Peço...

futuka (Consultor)

Sem hipocrisia, solicito essa cortesia: Peço ao Conjur, um imenso favor que talvez não seja possível, no entanto reitero a solicitação em casos assim,, seria interessante em matérias como essa saber - se houve ou há em curso alguma "AÇÃO" para apreensão dos bens desse "pessoal"(?),,poderíamos opinar com um ar de maior felicidade,, afinal quem "mexe" com dinheiro público deve ser responsabilizado tal qual ou muito mais que um traficante de drogas, ou não!? Vamos acabar com essa de que o crime ("colarinho ..)compensa em nosso país!

Comentários encerrados em 29/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.