Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lei de Drogas

Juiz dá pena alternativa a condenada por tráfico

Por 

A nova Lei de Drogas, que proíbe a conversão da pena de detenção em pena alternativa, é inconstitucional. O entendimento é do juiz Mário Jambo, da 2ª Vara Federal do Rio Grande do Norte, que condenou uma acusada por tráfico de drogas a duas penas alternativas.

O juiz sustentou que a proibição do parágrafo 4º do artigo 33 da Lei 11.343/06 viola a garantia fundamental da individualização da pena prevista na Constituição Federal (art. 5º, inciso XLVI). Na decisão, Mário Jambo analisou que o crime de tráfico de drogas, apesar da extrema gravidade, não poder ter o mesmo tratamento de um homicídio praticado por grupo de extermínio ou extorsão qualificada pela morte.

O juiz ponderou que não defende a impunidade, mas a pena estabelecida após a análise das particularidades de cada caso concreto dentro dos limites que o legislador fixar. “O que se rejeita aqui são as fórmulas legislativas rígidas que impeçam as ‘calibragens’ necessárias para uma verdadeira individualização da pena.”

Estela Taques foi presa em flagrante por tráfico internacional de drogas, em 20 de maio de 2007, no Aeroporto Internacional Augusto Severo, em Parnamirim (RN). Segundo a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal, Estela transportava comprimidos de Ecstasy e maconha quando voltava de Amsterdã, na Holanda.

A acusada confessou ter sido contratada por uma pessoa do Rio de Janeiro, pela internet, para transportar a droga da Holanda para o Brasil. Em Amsterdã, Estela pegou a droga com um rapaz, cujo nome ela desconhece, e voltado de trem para Paris, de onde pegou um avião para Lisboa, seguindo viagem até o Brasil, pousando em Natal. Ela receberia entre R$ 3 mil a R$ 4 mil pelo serviço além de todas as passagens pagas pelo contratante.

Pela prática do crime tipificado no artigo 33 (que cita várias ações relacionadas ao comércio de drogas, entre elas o transporte), combinado com o artigo 40, inciso I (transnacionalidade do delito), todos da Lei 11.343/06, o juiz fixou a pena inicial em seis anos e quatro meses de reclusão. Porém, com as atenuantes de ser menor de 21 anos na data do fato e ter confessado espontaneamente o crime, o juiz condenou Estela a dois anos e meio de reclusão, que foram convertidos em duas penas alternativas.

A condenada deverá prestar serviços a entidade pública voltada para o tratamento e recuperação de dependentes de drogas durante os mesmos dois anos e meio. Estela deverá continuar os estudos universitários, devendo comprovar, semestralmente, perante o Juízo da Execução, a assiduidade e o aproveitamento no curso, pelo mesmo período da condenação ou até a conclusão do curso, caso esta venha ocorrer antes.

 é repórter da Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 19 de novembro de 2007, 17h37

Comentários de leitores

22 comentários

O problema no Brasil é que o Juiz quer virar le...

analucia (Bacharel - Família)

O problema no Brasil é que o Juiz quer virar legislador como nos EStados Unidos. Mas lá o juiz é eleito, e quando vai concorrer, as pessoas perguntam sobre entendimentos polëmicos e se náo gostarem náo votam. No Brasil alguns juízes querem ser ditadores judiciais e se acham acima do Legislativo e Executivo, como se fossem deuses.

já pensou se a moda pega.

Murassawa (Advogado Autônomo)

já pensou se a moda pega.

Sr. PATRIOTABRASIL, o que afirmei faz parte de...

Henrique Mello (Professor)

Sr. PATRIOTABRASIL, o que afirmei faz parte de registros Históricos que o Mundo não duvida. Mas parece que o Sr. não se convenceu! Torne-se assim, um Revisionista Histórico dos Evangelhos Sinóticos, e nos apresente o que realmente ocorreu. Lembro-lhe, mais, que as autoridades do Sinédrio, após o sumiço do 'opus dei', subornaram os guardas para outra versão. Além do mais, confira em Atos dos Apóstolos, o ministério exercido por S. Pedro: foi obrigado a ficar fugindo pelos mais variados continentes para escapar das ciladas perpetradas pelo mesmo povo, inconformados com suas prerrogativas de cidadão romano - At. 19 a 21. Isso, para resumir aqui sua conclusão; pois em termos bíblicos, ao menos, muito mais poderia colacionar. A História das Gentes responde pelo resto, ou seja, pelo que hoje existe, quando se confirma que o mal não é o Judaismo, mas o Sionismo. E uma coisa nada tem a ver com a outra, sendo notório passeatas de judeus com enormes placas de ordem, dizendo que o 'sionismo é o câncer dos judeus'. Pesquise, observe e depois, exerça juízo. Comece pela Bíblia, por uma bem democrática, a TEB. visto cuidar-se de tradução ecumênica, ditada por Notável Conselho de padres, judeus, protestantes, etc. Fique com um abraço e que o Supremo lhe dê discernimento. Quanto ao mais comentado, reitero todos os seus termos: se uma pena branda cumpre seu propósito, prá que demagogia? Grato, henrique mello

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.