Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Oferta e procura

Bens de Abadía vão para leilão e PF fica sem mansão

A Justiça Federal de São Paulo definiu as datas dos leilões de imóveis do traficante Juan Carlos Abadía, preso em agosto na Operação Farrapos. O patrimônio geral posto à venda terá lance mínimo de R$ 6 milhões. Um dos itens é a casa em que Abadía foi preso com a mulher, em Barueri, na Grande São Paulo. Construída em um condomínio de luxo em Aldeia da Serra, está avaliada em R$ 877.368,50 e teve a incorporação pedida pela direção da Polícia Federal de São Paulo.

Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a PF alegou que usaria o imóvel para acolher policiais de outras cidades e estados convocados para operações na capital. O juiz Fausto Martin De Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal, aceitou o pedido de transferência dos veículos apreendidos na operação para a PF, mas negou o pedido de incorporação da casa e decretou sua venda em leilão.

O Diário Oficial publica, nesta quarta-feira (14/11), o edital do leilão, que será presencial e eletrônico dos cinco imóveis atribuídos ao colombiano. O primeiro leilão foi marcado para 9 de janeiro, mas os lances poderão ser dados 15 dias antes nos sites www.leilao.gov.br www.lej.org.br. O Instituto Nacional da Qualidade Judiciária (INQJ), responsável pela divulgação e pela gestão do leilão, prevê que até a semana que vem as fotos das casas, do sítio e da fazenda de Abadía estejam disponíveis nesses sites.

Outra solicitação da PF à 6ª Vara Criminal Federal é que parte do dinheiro conseguido nos leilões e o dinheiro que foi apreendido com a quadrilha do traficante sejam utilizados para a compra de imóveis vizinhos à Superintendência da PF, na Lapa, zona oeste de São Paulo. Segundo a direção da instituição, a reestruturação da corporação — e contratação de mais policiais — tornou necessária a ampliação do prédio. O juiz ainda não decidiu sobre o destino do dinheiro, que ficará depositado em fundo até o fim do processo.

Leilões

Os dois leilões serão realizados no 2º andar, nº 800, da Alameda Lorena, a partir das 14 horas. No primeiro dia, 9 de janeiro, serão vendidos todos os imóveis que atingirem ou ultrapassarem os valores mínimos.

O segundo, no dia 21 de janeiro, só se realizará se os bens apreendidos não atingirem a avaliação inicial e aceitará lances a partir de 50% do valor do lance mínimo. “Essa forma de leilão, que é presencial e eletrônico simultaneamente, garante a participação de qualquer pessoa que se inscrever e impede qualquer conluio dos leilões tradicionais”, disse o diretor de leilões do INQJ, Renato Moisés.

Revista Consultor Jurídico, 14 de novembro de 2007, 11h34

Comentários de leitores

3 comentários

Poderiam, também, usar este dinheiro para a con...

Alex P (Advogado Autônomo)

Poderiam, também, usar este dinheiro para a construção de um "presídio federal", já que os presos federais sempre são tranferidos para penitenciárias comuns,como Tremembé, CDP guarulhos I e II, onde, em geral, ficam dividindo cela com todos os "tipos" de presos( em geral 22 detentos por cela), sob condições inimágináveis para qualquer ser humano que ainda não conheça "aquilo" de fato. Também acho abusivo o uso pela PF dos veículos e de qualquer outro bem apreendidos nessas operações. Isso merece ser apurado com mais rigor.

E a recompensa do cabeça a prêmio?

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

E a recompensa do cabeça a prêmio?

A celeridade imprimida no caso do colombiano se...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

A celeridade imprimida no caso do colombiano serve para por um final na discussão acerca de excesso de prazo na formação da culpa, o que se pondera por analogia. Quando o juiz trabalha o processo anda, agora, por enquanto, foi para prejudicar o réu, só quero ver se para lhe garantiar a agilidade no processamento do mérito da causa a velocidade será a mesma. Aguardemos.

Comentários encerrados em 22/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.