Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

O culpado

Cartórios são responsáveis por 80% do atraso em processos

Rotinas desnecessárias, precariedade de instalações e falta de informatização. Esses são os principais fatores responsáveis pelo acúmulo de processos nos cartórios judiciais. Eles foram constatados em pesquisa realizada pela Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) de São Paulo e pelo Centro Brasileiro de Estudos e Pesquisas Judiciais (Cebepej). A informação é do jornal Valor Econômico.

A pesquisa, encomendada pelo Ministério da Justiça, mostra que cerca de 80% do tempo de tramitação das ações judiciais no Brasil é gasto nos cartórios. Os dados foram colhidos em quatro cartórios judiciais cíveis do estado de São Paulo, da capital e do interior, durante oito meses de 2006.

O Código de Processo Civil estabelece que os cartórios têm até 48 horas para executar atos processuais e 24 horas para remeter processos concluídos. No entanto, segundo o resultado da pesquisa, estes procedimentos levam quatro vezes mais tempo do que o previsto na legislação. Ainda de acordo com o estudo, um processo de rito ordinário, por exemplo, teria que ser concluído em 209 dias. A média de duração desses processos nos cartórios é de 872 dias.

O coordenador da pesquisa, Paulo Eduardo Alves da Silva, aponta a desmotivação como o maior problema a ser superado. "Os funcionários reclamam que o trabalho nunca fica em dia, mas também refutam a contratação de mais serventuários, pois não há espaço nas salas. O problema está nas técnicas ultrapassadas, que atrasam o trabalho".

O coordenador aponta como agravante a invisibilidade destes setores dentro do Poder Judiciário. "Os cartórios judiciais ainda não são vistos como atores do sistema, até mesmo pela legislação, que estipula prazos impossíveis de serem cumpridos diante de regras burocráticas. Eles não têm a noção de que não são apenas protocoladores, mas agentes no percurso dos processos".

A coordenadora do Cebepej, Leslie Shérida, destaca ainda o problema da cultura do papel como entrave à celeridade dos processos no país. "Há funcionários que, por não confiarem no armazenamento de informações nos sistemas, registram os andamentos processuais também nas fichas de papel e ainda em controles pessoais. Assim como há advogados que preferem comparecer aos balcões para ter informações sobre os processos. É um problema cultural".

Segundo o chefe de gabinete da Secretaria Especial de Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça, Vinícius Wu, a pesquisa é a primeira de um levantamento a ser feito no ano que vem em todo o país.

Revista Consultor Jurídico, 12 de novembro de 2007, 18h37

Comentários de leitores

11 comentários

Colega Dr. Trinchão: apenas constatei uma real...

Rossi Vieira (Advogado Autônomo - Criminal)

Colega Dr. Trinchão: apenas constatei uma realidade prática, pouco divulgada num país cujos responsáveis têm medo de mostrar a verdade das coisas e dos fatos. Culpar o cartório da morosidade da justiça ? Venha-me com outra... Otavio A. R. Vieira, 40 Advogado Criminal em São Paulo.

As coisas, principalmente em boa parte das ...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

As coisas, principalmente em boa parte das comarcas interioranas, ocorrem exata e fielmente como discorreu o nosso colega Rossi Vieira: os cartorários são, na verdade, os esteios para a boa tramitação dos processos, sabendo deles coisas que na maioria das vezes não sabem juízes recém chegados e pouco familiarizados com os autos. Comecei na Justiça em 1965 e trabalhei um bom tempo em cartório, ofício de justiça cível mesmo, e de lá para cá poucas coisas mudaram no sentido do tratado pela matéria. Esse pessoal é muito injustiçado, e seria mutíssimo bom que fosse mais ouvido, para que fossem levadas em melhor conta as suas sugestões e reivindicações.

O colega Rossi, data venia, creio, que advoga e...

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

O colega Rossi, data venia, creio, que advoga em outro planeta, por óbvio, menos no Brasil e, mais ainda, no estado de São Paulo.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.