Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Currículo contencioso

Escolas não ensinam advogado a conciliar, diz desembargador

Por 

É preciso mudar o modo como se ensina o Direito no Brasil. A conclusão é do desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo, José Renato Nalini, e do advogado Aurélio Wander Bastos, no seminário O ensino jurídico e a formação do magistrado, nesta terça-feira (6/11), na Escola de Magistratura do Rio de Janeiro.

Segundo Nalini, o foco das faculdades está em ensinar a resolver os problemas apenas em juízo. “A conciliação e a mediação são importantes, mas não são ensinadas”, afirmou. Com a ênfase nos procedimentos, o processo se tornou mais importante do que a solução do conflito. O risco dessa realidade é consolidar uma sociedade tutelada e tirar da pessoa a possibilidade de ela própria resolver seus problemas.

A OAB também tem suas responsabilidades nessa situação, de acordo com o desembargador do TJ paulista. Pensando em reserva de mercado, a entidade coloca o advogado para resolver tudo. Prova disso é o Exame de Ordem, eminentemente prático. “Há um entendimento de que o Judiciário é a única forma de se fazer Justiça”, constatou.

Para Nalini, como um dos meios para avaliar o desempenho da escola é o Exame de Ordem, as faculdades “defasadas” começam a treinar seus alunos para passar nas provas. Assim, proliferam-se também os cursinhos cuja prioridade é fazer com que o aluno tenha capacidade de decorar.

Outro problema apontado pelo desembargador nos cursos de Direito é a fragmentação das disciplinas e o fato delas não se relacionarem umas com as outras. Na visão dele, uma matéria como Ética deveria estar presente em todas as demais, e não ser lecionada apenas em seis meses. Além disso, a ênfase está no volume de informação, como se o conhecimento fosse enciclopédico. “O curso não ensina a pensar, mas a memorizar.”

O advogado Wander Bastos demonstrou entender no mesmo sentido: disciplinas compartimentadas geram um sistema de ensino deficitário. Mas o motivo é outro. Para ele, o fundamental é relacionar fato, norma e instrumento processual mais adequado, o que não é feito pelas faculdades. Falta reproduzir na escola a realidade complexa dos tribunais. “O juiz não vai dizer que não pode levantar uma questão que não seja penal só por fazer parte de uma vara criminal”, exemplificou.

Milagre da multiplicação

Hoje, são 1.139 faculdades de Direito no Brasil, 60 apenas na capital paulista. E há muitos pedidos de abertura de mais escolas pendentes no Ministério da Educação (MEC). Os dados foram apresentados pelo desembargador Renato Nalini no seminário.

Para ele, os números mostram uma questão mais complexa. Se há a multiplicação de advogados, acaba existindo uma profusão de conflitos, que, em geral, acabam sendo resolvidos apenas com a intervenção do Judiciário.

O advogado Wander Bastos foi categórico ao afirmar que o número de faculdades não demonstra a democratização do ensino de Direito. Isso porque, segundo ele, falta uma preocupação em refletir e discutir, imprescindível em uma sociedade democrática. Para ele, é preciso pensar o código, não apenas utilizá-lo.

“O número de faculdades de Direito é absolutamente irrelevante”, afirmou o juiz do Trabalho Roberto Fragale Filho. O número que se deve refletir é o da quantidade de matriculados. Segundo ele, em 10 anos o número de alunos quadruplicou. Mas a análise que se faz disso é relativa, já que houve uma expansão significativa de matriculados no ensino superior, em geral.

Para Fragale, houve uma massificação e democratização do acesso ao ensino. “Antes, a demanda tinha que ir atrás da oferta, hoje, a oferta vai atrás da demanda”, constatou. Segundo o juiz, isso faz parte de um processo social em curso que tem de ser pensado sem a gritaria de que não existe qualidade.

 é correspondente da Consultor Jurídico no Rio de Janeiro.

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2007, 0h01

Comentários de leitores

4 comentários

Pode ser que não ensina a conciliar porque o cu...

Rodrigo P. Martins (Advogado Autônomo - Criminal)

Pode ser que não ensina a conciliar porque o curso é de direito e não advocacia.

DOUTO DESEMBARGADOR, DR NANINE, QUANTO AO ENSIN...

MAFFEI DARDIS (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

DOUTO DESEMBARGADOR, DR NANINE, QUANTO AO ENSINO DA NOBRE ARTE, TEM RAZÃO O NOBRE DR. NANINE, O ENSINO É PÉSSIMO,OBSERVE O INDICE DE APROVADOS PELA OAB. DEVEMOS ENVIDAR VIRTUDE A OAB, EIS QUE É UMA BARREIRA PARA OS MENOS FAVORECIDOS NO APRENDER. A FACULDADE NÃO FAZ O ALUNO, MAS SIM O ALUNO FAZ A FACULDADE. DR. FERNANDO MAFFEI DARDIS. MAFFEI DARDIS Advocacia. M

EM QUE PESE O DEVIDO RESPEITO AO NOBRE DESEMBAR...

MAFFEI DARDIS (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

EM QUE PESE O DEVIDO RESPEITO AO NOBRE DESEMBARGADOR DR. NALINE, NÃO COADUMA COM SUAS PALAVRAS, ADVOGADO É ADVOGADO, EM SUA MAIORIA TEM CONHECIMENTO PLENO EM COMO AMENIZAR AS LIDES, ALIAS É UMA FUNÇÃO, MORMENTE EM CASO DE FAMILIA. PORTANTO AO MEU VER, O ADVOGADO TEM PLENA CIENCIA DE COMO CONCILIAR AS PARTES, SE ASSIM NÃO CRER, NO FUTURO TEREMOS TANTAS QUANTAS FACULADADES PARA ENSINAR CONCILIAÇÃO, JA NÃO BASTA AS DA CIENCIA DO DIREITO? EIS A QUESTÃO. INOVAR SIM, MAS: "NEM TANTO AO MAR, NEM TANTO A TERRA" TEMOS O EQUILIBRIO PARA AGIR. DR. FERNANDO MAFFEI DARDIS CRIMINALISTA.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 15/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.