Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Assassinato e furto

Acusado de triplo homicídio deve continuar na prisão

Denunciado pelo crime de triplo homicídio qualificado, Mayderson de Vargas Mendes não conseguiu se livrar da prisão. A 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal negou seu pedido de Habeas Corpus.

Segundo a denúncia, ele e um companheiro teriam assassinado três pessoas de uma mesma família por causa do jogo RPG (Role Playing Game) — jogo de estratégia e imaginação, em que os jogadores interpretam personagens em diferentes mundos. Eles vivem aventuras de acordo com regras descritas no sistema escolhido. O caso aconteceu em Guarapari (ES). Além de matar, eles furtaram objetos e efetuaram saques bancários das contas das vítimas.

No HC, a defesa afirma que o acusado está preso desde maio de 2005 e alega excesso de prazo no julgamento do processo. Sustenta, ainda, que desde agosto de 2005 a ação está suspensa aguardando a realização de exame de sanidade mental do acusado. Por esse motivo, a defesa pediu a liberdade provisória.

Os ministros negaram o pedido e recomendaram ao Superior Tribunal de Justiça que julgue o recurso contra a prisão decretada pela Justiça do Espírito Santo.

HC 91.171

Revista Consultor Jurídico, 7 de novembro de 2007, 9h24

Comentários de leitores

1 comentário

http://conjur.estadao.com.br/static/text/61147,...

Carlos (Advogado Sócio de Escritório)

http://conjur.estadao.com.br/static/text/61147,1 Eu tb acho que deve ficar preso. Mas segundo o entendimento da Sub-Procuradora, na notícia acima, entendeu que o Pimenta Neves, assassino CONFESSO e condenado por um Tribunal Soberano, DEBE FICAR EM LIBERDADE. Quem sabe, o advogado deste acusado de triplo homicídio não queira juntar em na defesa de seu cliente o paracer desta Sub-Procuradora e do STF no caso Pimenta Neves. Aliás, fazendo um trocadilho. Pimenta nos olhos dos outros é refresco. Carlos Rodrigues berodriguess@yahoo.com.br

Comentários encerrados em 15/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.