Consultor Jurídico

Artigos

Pseudoproteção

Cabe ao cidadão dizer se deseja ter sua vida monitorada

Comentários de leitores

5 comentários

Não é necessário ter bola de cristal para preve...

Jose Antonio Schitini (Advogado Autônomo - Civil)

Não é necessário ter bola de cristal para prever. As chamadas autoridades de plantão e outros privilegiados vão ter chips de localização frios nos seus veículos, igualmente as chapas frias hoje tão largamente utilizadas. As raposas vão botar localizadores nas galinhas com interesses alimentares. Utilizarão o velho discurso que é para proteção das penosas e penosos e depois lá vem multa pelos traços indevidos demonstrados nos monitores dos localizadores expedidas automaticamente, além do controle da vida privada do indivíduo no que ele tem sua maior garantia constitucional que é o direito de locomoção no que implica em sua liberdade de não ser seguido. A maior falha na última revolução é que ela criou uma nova casta de dominadores. Lobos e raposas de todas as cores em pele de cordeiro com um discurso de falsidade dialética na ponta da língua.

O grande problema é que quem manda no país hoje...

ziminguimba (Outros)

O grande problema é que quem manda no país hoje é o PT. portanto diante do que temos assistido, não resta dúvida que a Constituição pouco importa. só nos resta uma esperança, o retorno dos militares ao poder. Mós estamos vivendo hoje sob o comando do governo da mentira.

Eu posso, como cidadão, não querer que saib...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Eu posso, como cidadão, não querer que saibam onde estou. É um direito meu ou não, do da privacidade? Se não for, então que rasguem a constituição.

Vendo pelo lado prático observo que cada vez qu...

E. COELHO (Jornalista)

Vendo pelo lado prático observo que cada vez que o Estado descobre ou adquire uma parafernália eletrônica ou similar, isso é usado SEMPRE em desfavor do cidadão, vejamos alguns exemplos: 1. Radar automático, ou multador de velocidade, o Estado usa e abusa disso somente para punir o cidadão e encher os seus cofres de dinheiro das multas. Por outro lado, não há mais policiamento para verificar os documentos do motorista e do veículo, não há mais blitz para dar uma vistoria geral nos ocupantes e no veículo, inclusive abrindo o porta-malas que nesses tempos bicudos serve para "sequestro-relâmpago". A falta de policiamento é nas ruas e nas estradas, o motivo é simples: o Estado está colocando muito dinheiro no bolso, então, o cidadão que se dane. 2. CPMF - O governo arrecada uma fábula de dinheiro com esse imposto e além disso ele tem o caráter de ser "dedo duro" o que facilita a cobrança de outros impostos. Então quase não temos mais fiscais nas ruas verificando as empresas, as indústrias, etc. A conseqüência para o cidadão são os produtos adulterados (gasolina, leite, remédios, etc.). 3. Cobrança antecipada de impostos, a exemplo do que ocorre nos combustíveis, isso significa que o Estado, recebe do distribuidor o imposto que o posto da esquina deveria pagar, dessa forma ele coloca o dinheiro no bolso com antecedência e NUNCA aparece no posto para fiscalizar. Resultado: o Brasil é um país que tem o maior índice de adulteração de combustível no mundo, restando ao cidadão ter o motor do seu carro danificado e pagar caro por isso. 4. Existem outros exemplos que poderão ser completados por outros comentaristas. O monitoramento será útil para o Estado, dessa forma ele poderá cobrar multas e IPVA sem contrapartida ao cidadão.

Concordo plenamente com os autores deste artigo...

Fernando Trevisan Ferraz (Estudante de Direito)

Concordo plenamente com os autores deste artigo, pois esse monitoramento de veículos ferirá um direito do cidadão, violará sua liberdade. Estaremos sendo monitorados como se fossem bandidos na cadeia. O problema da criminalidade não poderá ser resolvido deste modo, como diz o autor, há modos mais eficazes de combate a violência e insegurança do cidadão. É obrigação do Estado nos dar segurança mas nunca violando um direito do cidadão de bem!!!

Comentar

Comentários encerrados em 12/11/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.